Janeiro 2013 -->

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

ISRAEL ATACA CENTRO DE PESQUISA NA SÍRIA E CAUSA 2 MORTES E 5 FERIDOS E MUITOS DANOS PARA O PAÍS

ISRAEL ATACA CENTRO DE PESQUISA NA SÍRIA E CAUSA 2 MORTES E 5 FERIDOS E MUITOS DANOS PARA O PAÍS



Mais uma vez os média ocidentais mentem e continuam mentindo, ao referirem-se que o regime de Israel bombardeou um central nuclear, ou que bombardeou um comboio de armas químicas que seriam entregues ao Hezebollah entre outras histórias, até as informações de jornais israelita negam essas informações citando antigos membros do serviços secretos, a verdade é que a força aérea israelita bombardeou um centro de pesquisas responsável para a optimisação da resistencia e defesa em Jamray na zona de Damascus. O bombardeamento fez elevados danos para a Síria e é uma clara violação do Direito Internacional que para este estado, não existe. Os israelitas também violaram espaço aéreo Líbano. Morreram 2 pessoas e 5 feridos no bombardeamento. Os israelitas, estão assim a incentivar os terroristas na destruição da Síria.


O Irão condenou o ataque e ironisou que nada terá consequências para o regime de Tel Aviv.


Referencias na imprensa independente.

 Veja aqui o vidio da invasão e violação do espaço aério da Síria - 30/01/13.



terça-feira, 29 de janeiro de 2013

UNIÃO EUROPEIA APELA A UM COMPLETO LIVRE COMERCIO SEM BARREIRAS TENTANDO RESPONDER AO PODERIO CHINÊS QUE TEM VINDO A OCUPAR SUBSTANCIAL ESPAÇO E INFLUÊNCIA NA AMÉRICA LATINA

UNIÃO EUROPEIA APELA A UM COMPLETO LIVRE COMERCIO SEM BARREIRAS TENTANDO RESPONDER AO PODERIO CHINÊS QUE TEM VINDO A OCUPAR SUBSTANCIAL ESPAÇO E INFLUÊNCIA NA AMÉRICA LATINA



As presidentes Dilma Rousseff (Brasil) e Cristina Kirchner (Argentina) durante cúpulaO presidente chileno,declarou: "A Europa é mais do que um dos dois principais parceiros comerciais. Nós partilhamos uma cultura com a Europa. Nós nos esforçamos por uma aliança sustentável com a UE." No início de sua visita de quase dois dias ao Chile, Merkel declarou neste sábado que o rápido desenvolvimento dos países da Celac mostra à Europa "que precisamos começar a nos mexer".

Todavia esta proposta europeia é uma reacção à crescente presença econômica da China que tem vindo a ocupar áreas de negócios aos europeus na região. A Europa e a Ásia têm vindo a travar uma batalha pela conquista do mercado latino-americano, aparentemente sem que a opinião pública estrangeira se desse conta. As empresas alemãs estão cada vez mais suscetíveis à concorrência asiática.

A concorrência entre empresas alemãs e chinesas está cada vez mais acirrada. "As empresas chinesas oferecem opções de financiamento muito atrativas, com as quais não podemos competir", afirma Rafael Haddad, executivo-chefe do Brazil Board – plataforma formada por firmas alemãs que querem investir no Brasil. Além disso, diz Haddad, companhias chinesas tentam comprar cada vez mais empresas locais na América Latina.
A União Europeia e o Mercosul estão interessados em criar um livre comercio sem qualquer tipo de barreira ou protecionismos, a União Europeia apresentou a proposta e os países do Mercosul, comprometeram-se a apresentar antes do ultimo trimestre deste ano as suas primeiras ofertas comerciais de acesso aos seus produtos ao mercado da UE, segundo adiantou no sábado à Efe o comissário europeu de Comércio, Karel de Gucht. Sobre o encontro, a presidente da Argentina Kirchner adiantou que a chanceler alemã se mostrou a favor da elaboração de uma iniciativa conjunta sobre o controlo de capitais, para apresentar na próxima reunião do G-20. "Há um consenso alargado em torno da necessidade de regular a atividade financeira, a nível global. Podemos elaborar uma proposta conjunta sobre a gestão da mobilidade dos capitais globais que tantos danos têm causado", afirmou a Presidente da Argentina. Esta questão tem sido pacífica entre as 3 mulheres - a presidente do Brasil Dilma Rosseff, a presidente da Argentina Kirchener, e a chncel da Alemanha Merkel - que discutiram esta possíbilidade. As duas chefes de Estado da américa latina tinham como objetivo ampliar as conversações sobre a negociação de um acordo de comércio livre entre o eixo Mercosul e a União Europeia, mas um acidente numa discoteca no Brasil obrigou a presidente deste país a anticipar o regresso ao seu país.

Angela Merkel admitiu por seu lado que vê uma América Latina mais unida e com mais autoestima desde que Dilma Rousseff subiu ao poder. Reconheceu, porém, que o eixo Mercosul é o negociador mais difícil, sublinhando ainda que tanto a Argentina como o Brasil tinham decidido caminhar juntos no esforço da construção de laços comerciais entre os dois continentes.

De acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla em inglês), os investimentos directos chineses na América Latina e nas Caribas subiram de 621 milhões de dólares, em 2001, para quase 44 bilhões de dólares em 2010, incluindo os investimentos nos centros financeiros caribenhos – os chamados paraísos fiscais. Em comparação, os investimentos directos alemães na região aumentaram de 41 bilhões para 50 bilhões de dólares no mesmo período.


Fontes:







(4) dw.de



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

CHINA APOIA O DECRETO DO LIDER RELIGIOSO AYATOLLAH KHAMENEI'S CONTRA AS ARMAS NUCLEARES ENQUANTO AUMENTA A TENSÃO NO MEDIO ORIENTE

CHINA APOIA O DECRETO DO LIDER RELIGIOSO AYATOLLAH KHAMENEI'S CONTRA AS ARMAS NUCLEARES ENQUANTO AUMENTA A TENSÃO NO MEDIO ORIENTE




Várias personalidades chinesas apoiaram a reafirmação iraniana numa fatwa (decreto religioso) assinado pelo lider da Republica Islamica Ayatollah Seyyed Ali Khamenei que se refere à posição da pribição de armas nucleares e o seu registo em documentos internacionais.

"A china felicita a posição iraniana. O Irão é um parceiro no Tratado de Não-Proliferação (NPT). Esperamos que partes relevantes possam estreitar o dialgo e a cooperação para aumentar a confiança, e traduzindo-se em progresso o quanto cedo possível numa solução de longa duração para a questão de energia nuclear iraniana", acrescenta o porta-voz do ministro dos negócios estrangeiros Hong Lei.

Esta é uma mensage a Israel que está a levar misséis para junta das fronteiras da Síria e acausar enorme enorvesismo na região e fora dela.

A battery of the Iron Dome missile system (foreground) is seen on March 11, 2012
Israel enviou misseis para a região de Haifa junto á fronteira com a Síria, uma "jogada" que o regime de Tel Aviv classifica como de "rotina".

Entretanto as revoltas continuam sobretudo no Egipto, e nem todas são espontaneas mas manipoladas por serviços de inteligencia.

 
A noticia completa na Press TV


DOCUMENTÁRIO SOBRE A TENSÃO QUE VEM AUMENTANDO NO MEDIO ORIENTE ENTRE ISRAEL, EUA POR UM LADO E IRÃO, COM O APOIS DA RUSSIA E CHINA


PARTE 1
DESCIDA DECRESCENTE



PARTE2
DESCIDA DECRESCENTE



PARTE3
DESCIDA DECRESCENTE



PARTE4
DESCIDA DECRESCENTE


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

MALI: EXPLICAÇÃO DOS CONFRONTOS E DA RAZÃO DO INTERESSE DO OCIDENTE NA REGIÃO

MALI: EXPLICAÇÃO DOS CONFRONTOS E DA RAZÃO DO INTERESSE DO OCIDENTE NA REGIÃO




ENTENDENDO O QUE SE PASSA NO MALI  (Em desenvolvimento)


1. GRUPOS ÉTNICOS DO MALI                                                                                                   


ARABES

Fighters of the Islamic group of Ansar Dine stand in Kidal as Burkina Faso's foreign Minister Djibrille Bassole meets with the Islamic group leader on August 7, 2012. An Islamist leader who wants to see Mali adopt sharia law vowed on August 7 to support regional mediation efforts to resolve the political crisis in the ruptured west African nation. AFP PHOTO / ROMARIC OLLO HIEN (Photo credit should read ROMARIC OLLO HIEN/AFP/GettyImages)
Os árabes são um povo heterogêneo que habita principalmente o Médio Oriente e a África Setentrional, originário da Península Arábica constituída por regiões desérticas. As dificuldades de plantio e criação de animais fizeram com que seus habitantes se tornassem nômades, vagando pelo deserto em caravanas, em busca de água e de melhores condições de vida. A essas tribos do deserto dá-se o nome de beduínos. 

TUAREGUES
Os tuaregues (do árabe: الطوارق ; endônimo: Imuhagh) são um povo berbere constituído por pastores semi-nômades, agricultores e comerciantes. No passado, controlavam a rota das caravanas no deserto do Sahara. Maioritariamente muçulmanos, são os principais habitantes da região sahariana do norte da África, distribuindo-se pelo sul da Argélia, norte do Mali, Níger, sudoeste da Líbia, Chade e, em menor número, em Burkina Faso e leste da Nigéria. Podem ser encontrados, todavia, em praticamente todas as partes do deserto. Falam línguas berberes e preservaram uma escrita peculiar, o tifinagh.
SONGHAI
O Império Songhai, também conhecido como o Império Songhay foi um estado pré-colonial africano e grande civilização ocidental, em Mali. Do início dos século XV até o final do século XVI, Songhai foi um dos maiores impérios africanos da história. Os soninkés habitavam a região ao sul do deserto do Saara. Este povo estava organizado em tribos que constituíam um grande império. Este império era comandado por reis conhecidos como caia-maga. Viviam da criação de animais, da agricultura e da pesca. Habitavam uma região com grandes reservas de ouro. Extraíam o ouro para trocar por outros produtos com os povos do deserto (bérberes). A região de Gana, tornou-se com o tempo, uma área de intenso comércio.

FULANIS/FULAS
 

Os fulas ou fulanis (em fula: Fulɓe) são um grupo étnico que compreende várias populações espalhadas pela África Ocidental, mas também na África Central e no Norte de África sudanês. Os países africanos por onde se encontram incluem a Mauritânia, o Senegal, a Guiné, a Gâmbia, o Mali, a Nigéria, a Serra Leoa, o Benim, o Burquina Faso, a Guiné-Bissau, os Camarões, a Costa do Marfim, o Níger, o Togo, a República Centro-Africana, o Gana, a Libéria, até ao Sudão, a leste. Os fulas não são o grupo maioritário em nenhum destes países, com excepção da Guiné.

DOGON
Dogon é um povo que habita o Mali e o Burkina Faso. Os dogons do Mali são um povo que vive em uma remota região no interior da África Ocidental - são cerca de 200 mil e a sua maioria vive em aldeias penduradas nas escarpas de Bandiagara, ao leste do Rio Níger. Ainda não podem ser qualificados como "primitivos", pois possuem um estilo de vida muito complexo, e não são excelentes candidatos a possuir conhecimentos científicos. Contudo, possuem um conhecimento muito preciso do sistema estelar de Sirius(incluindo pelo menos uma estrela que ainda não foi identificada pelos astrônomos) e dos seus períodos orbitais. Os sacerdotes dogons dizem que sabem desses detalhes, que aparentemente são transmitidos oralmente e de forma secreta, séculos antes dos astrônomos.

SONINKES
Um dos primeiros assentamentos dos Soninkes foi estabelecido em Gana cerca de 750 d.C. Por causa da perseguição pelos Berbers, os Soninkes dispersaram em pequenos grupos dentro das regiões circunvizinhas. Os três subgrupos principais dos Soninkes são Marka, Nono, e Azer. Freqüentemente, estas tribos são divididas em clãs menores que especializam em vários artesanatos. Algumas das mais importantes tribos dos Soninkes são Sisse, Drame, Sylla, e Kante. Depois de fugir para Senegal e Gâmbia estes grupos se misturaram com as tribos locais de Wolof, Serer, e Malinke. Os Soninkes vivem principalmente ao longo da parte superior do Rio Senegal, de Matam a Bakel, com alguns migrando à cidade de Dakar. Dois dos seus assentamentos são Jara e Gajaga. Devido à influência pela grande tribo nômade conhecida como Fulani, os Soninkes têm se tornado agricultores e criadores de gado. Eles falam uma língua Mandingo chamado Sarakole (ou Soninke).

MANDINGOS/MANDINKA
http://africaimports.com/Images/mandinka2.jpgThe Mande Region.
Os mandingos (em mandingo: Mandinka) são um dos maiores grupos étnicos da África Ocidental, com uma população estimada em 11 milhões. São descendentes do Império Mali, que ascendeu ao poder durante o reinado do grande rei mandingo Sundiata Keita. Os mandingos pertencem ao maior grupo etnolinguístico da África Ocidental - o Mandè - que conta com mais de 20 milhões de pessoas (incluindo os diulas, os bozos e os bambaras). Originários do atual Mali, os mandingos ganharam a sua independencia de impérios anteriores no século XIII e fundaram um império que se estendeu ao longo da África Ocidental. Migraram para oeste a partir do rio Níger à procura de melhores terras agrícolas e de mais oportunidades de conquista. Através de uma série de conflitos, primeiramente com os fulas (organizados no reino de Fouta Djallon), levaram metade da população mandingo a converter-se do animismo ao islamismo. Hoje, cerca de 99% dos mandingos em África são muçulmanos, com algumas pequenas comunidades animistas e cristãs. Durante os séculos XVI, XVII e XVIII, cerca de um terço da população mandinga foi embarcada para a América como escravos, após a captura em conflitos. Uma parte significativa dos afro-americanos nos Estados Unidos são descendentes de mandingos.

BAMBARA
"Os bambara ou bamana pertencem ao grupo mandê, que formam a base da população da atual República do Mali. É também, entre as sociedades do grupo mandê, a que mais resistiu ao Islão: bambara, "os infiéis", assim os nomeiam ainda seus vizinhos muçulmanos. Seu habitat vai do curso superior do Senegal ao do Níger; do norte ao sul, vai do Sahel à Costa do Marfim. (...) "Os Bambara aparecem na história no século XVII. (...) "Os bambara passaram por momentos políticos diversos até que em 1854 o conquistador truculento El Hadj Omar tenta impor-lhes o Islão. Eles resistem, mas tarde demais: somente a intervenção de tropas francesas d'Archinard livrarão Segu e seus habitantes bambara do jugo d'Ahmadou, filho de El Hadj Omar. (...)

E, aqui, chegamos ao período da partilha e dominação colonial da África. Balandier & Maquet prosseguem observando:

(...) "Homens da enxada e do milho, agricultores mais do que guerreiros, os bambara conservam estruturas tradicionais vivas. A verdadeira célula social é aqui a grande família indivisível, agrupando um conjunto de misturas das quais os chefes reconhecem um ancestral comum. Todos os chefes de família obedecem a um chefe de aldeia, a quem se atribui o cuidado de fazer a justiça e de dar as ordens no que concerne as festas religiosas e as iniciações: descendente e representante do fundador da aldeia, esse chefe é o único que pode renovar o gesto de seu antepassado e entrar em contato com os gênios do solo, assegurar seu culto e a exploração das terras.(...)"

Do "Dicionário de civilizações africanas", organizado por Georges Balandier e Jacques Maquet

http://www.arteafricana.usp.br/codigos/glossarios/002/bambara.html

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

ARÁBIA SAUDITA ENVIA CONDENADOS À MORTE POR DECAPITAÇÃO PARA COMBATER NA JIHAD CONTRA O REGIME SÍRIO

ARÁBIA SAUDITA ENVIA CONDENADOS À MORTE POR DECAPITAÇÃO PARA COMBATER NA JIHAD CONTRA O REGIME SÍRIO

السعودية: لم نتأكد من مقتل زعيم تنظيم القاعدة
O ministro do Interior saudita príncipe Ahmed bin Abdul Aziz
Um memorando confidencial enviado pelo Ministério do Interior da Arábia Saudita revela que o Reino da Arábia Saudita enviou para o corredor da morte, os presos condenados a execução por decapitação, para a Síria para combater na Jihad contra o governo sírio, em troca de comutação das suas penas.

De acordo com o memorando, datado de 17 de abril, 2012, o Reino da Arábia Saudita negociou com um total de 1.239 detidos, oferecendo-lhes um perdão completo e um salário mensal para as suas famílias, que deveriam permanecer no Reino, e em troca de "... treino útil para o envio para a Jihad na Síria ".Aqui está a tradução do memorando:

Este é um documento emitido pelo 

 
Reino da Arábia Saudita
Ministério do Interior
Follow-up Número LOGO: 71466/J/H
anexos:
Data: 25/5/1433 H. [AD Abril / 17/2012]
 
  (Confidencial)



Sua Excelência o General Suood Al-Thnayyan
O Gabinete classíficado [secreto] do Ministério do Interior Que Deus o proteja

A paz esteja consigo e pela misericórdia e bênçãos de Deus
Em referência ao telegrama do Tribunal Real n º 112, datado de 04/19/1433 H [3 de março de 2012], referindo-se àqueles que estão presos nas prisões do Reino acusados ​​de crimes na qual a lei islâmica Sharia de execução pela espada [decapitação] se aplica , informamos que estamos em diálogo com os criminosos acusados e que estão conscientes de contrabando de drogas, assassinato, violação, e das seguintes nacionalidades: iemenitas 110, palestinianos 21, sauditas 212, sudaneses 96, sírios 254, jordanos 82, somalis 68 , afegãos 32, egípcios 94, paquistaneses 203, iraquianos 23, e quaitianos 44.

Chegau-se a um acordo com eles em que lhes será concedido o perdão de pena de morte, em troca de um salário mensal para as suas famílias que serão retidas na Arábia Saudita, versus reabilitação e treino útil para o envio para a Jihad na Síria .

Por favor, aceite as minhas saudações.


[Assinado]
Diretor de acompanhamento no Ministério do Interior
Abdullah bin Ali al-Rmezan

CC:
Autoridade de aplicação do bem comum e prevenção do proibido
Cópia para a inteligência geral

Documento original:












domingo, 13 de janeiro de 2013

FILME: EXPLICAÇÃO DA CRISE ECONÓMICA GLOBAL DE 2008 COM ORIGEM NOS EUA

FILME: EXPLICAÇÃO DA CRISE ECONÓMICA GLOBAL DE 2008 COM ORIGEM NOS EUA

Este é um filme e documentário que explica a crise económica de 2008. O desastre financeiro global, a um custo de mais de $20 trilhões, que provocou a perda das casas e empregos de milhões de pessoas. Por meio de uma pesquisa extensa e inúmeras entrevistas com pessoas bem-informadas do mundo financeiro, políticos e jornalistas, INSIDE JOB traça o crescimento de uma indústria venal e desvenda o relacionamento corrosivo que corromperam representantes do mundo da política, do mundo da justiça e do mundo académico. Narrada por Matt Damon, INSIDE JOB foi filmado nos Estados Unidos, Islândia, Inglaterra, França, Cingapura e China.


“…as long as the visitor makes no copy of the copyrighted video that he is watching, he is not violating the copyright owner’s exclusive right… His bypassing Flava’s pay wall by viewing the uploaded copy is equivalent to stealing a copyrighted book from a bookstore and reading it. That is a bad thing to do (in either case) but it is not copyright infringement.”
Embedding and watching a copyrighted video isn’t a crime.

INSIDE JOB - A VERDADE DA CRISE

Com legendas em português:

.

sábado, 12 de janeiro de 2013

SÍRIA: ESTE É UM DOCUMENTÁRIO QUE NUNCA VOCÊ VERIA NOS MEDIA OCIDENTAIS VEJA-O AQUI NO MEU BLOG

SÍRIA:  ESTE É UM DOCUMENTÁRIO QUE NUNCA VOCÊ VERIA NOS MEDIA OCIDENTAIS VEJA-O AQUI NO MEU BLOG


           Este é um excelente documentário da guerra na Síria transmitido no canal russo, Russia TV, Russia 24, dá uma visão correcta dos dois intervenientes do conflito desde 2011. O documentário mostra como tanto o exercito sírio e o povo sírio estão unidos em defender o seu país e independência de inimagináveis e monstruosos crimes cometidos por terroristas extremistas, que operam com o apoio dos média internacionais, inteligência fornecida pelo ocidente, financiados e treinados também pelo ocidente. São indivíduos que não têm convicções politicas e não seguem sequer o procedimento da religião islâmica. O fanatismo islâmico é instrumentado pelos serviços secretos dos EUA/Reino Unido e Israel, para manipular estes indivíduos recrutados em várias partes do médio oriente. Neste caso o objectivo é destruir a Síria, o país mais democrático do Médio Oriente, mas agora tornado num inferno.






sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A ORIGEM DA CRISE DA EUROPA NO RESULTADO DO CENTRALISMO AUSTERO ALEMÃO

A ORIGEM DA CRISE DA EUROPA NO RESULTADO DO CENTRALISMO AUSTERO ALEMÃO

Por Paulo Ramires

Angela Merkel e o seu ministro das finanças Wolfgang Schäuble tem insistido numa política de cortes nas despesas públicas, cortes esses que aprofundaram a crise económica nos países do sul da Europa anteriormente beneficiados com créditos de bancos alemães.

A explicação para a crise europeia, nomeadamente a que afecta principalmente os países do sul como a Grécia, Portugal, Itália, Espanha, Chipre como também a Irlanda tiveram distintas origem, uma delas foram as políticas irresponsáveis dos governos que contraíram empréstimos a bancos alemãs sem pensarem como os poderiam pagar e as suas consequências na divida pública, isto apesar das restrições que os critérios de Maastricht impunham, os governos simplesmente pediam dinheiro deixando a divida e o défice crescerem de forma critica, hipotecando o futuro dos respectivos povos. Esse dinheiro era simplesmente aplicado em obras públicas muito duvidosas para a importância do desenvolvimento económico dos países e pouco transparente na forma como esses dinheiros foram geridos, mas não só, esses dinheiros foram antes da crise canalizados também para o sector privado que adquiria com eles bens e serviços de empresas alemãs. Esta situação deu um enorme estímulo à economia alemã que se encontrava em prolongada crise desde os anos 2000 dado ao esforço de financiamento feito com a reunificação da Alemanha. Enquanto a procura interna estagnava, tanto os bancos alemães e a industria alemã estavam felizes da vida em emprestar dinheiro e exportar bens que produziam. Os lucros de grandes companhias atingem níveis records mas quando a crise explodiu estes bancos viram-se a braços com níveis de risco elevado e não tiveram outro remédio se não reduzir dramaticamente o crédito aos países do sul. Como resultado da escassês de crédito para emprestar, a Industria alemã por seu lado viu-se em dificuldades para vender e exportar os seus produtos. Cerca de 40% das exportações alemãs têm como destino outros países da zona euro. Exportações para Espanha, Itália, Portugal e Grécia têm estado a cair já dramaticamente e a perspectiva de declínio económico para o resto da zona Euro ameaça a Industria exportadora germânica. Mas em vez de a Alemanha ajudar os seus parceiros comerciais no que toca á dívida destes e manter as importações, as políticas alemãs colocaram tanto os seus bancos como a sua Industria em sérios riscos. Angela Merkel e o seu ministro das finanças Wolfgang Schäuble tem insistido numa política de cortes nas despesas públicas, cortes esses que aprofundaram a crise económica nos países do sul da Europa anteriormente beneficiados com créditos de bancos alemães, assim os países do sul da Europa deixaram e perderam a capacidade de importar bens e serviços alemães, limitando assim as dívidas, o que é particularmente estranho em relação à corrente situação, é que a Alemanha enfrentou uma situação similar em 2008. Nessa altura quando a bolha imobiliária americana rebentou causou uma crise económica global, a descida dramática das exportações conduziu à mais profunda descida do PIB desde 1945. Muitos bancos alemães tiveram de ser resgatados devido aos seus maus em investimentos em instrumentos hipotecários estruturados norte americanos, ora estes bancos que realizaram maus investimentos ameaçaram a estabilidade financeira. No entanto a recuperação destes bancos em simultâneo em que se aplicou um enorme estímulo fiscal, aumentou significativamente a taxa da dívida do governo alemão. Mesmo assim, ao contrário de 2008, a presente política alemã, não é ajudar as vítimas do risco da globalização, é antes influenciar directamente o futuro da zona euro e dos seus membros, e aí há muita coisa que a Alemanha pode e deveria fazer: ajudar os países em crise incentivando-os a cortarem menos nas despesas públicas, estimular o crescimento alemão de maneira a aumentar as importações de outros membros da zona euro e incentivando o BCE a emprestar e a comprar divida pública. Infelizmente isto não irá acontecer, os economistas alemães e o presidente do Bundesbank, Jens Weidmann têm criticado bastante o BCE por comprar a divida soberana dos estados do sul da Europa e da zona Euro, acreditam eles que este determinado comportamento do BCE pode minar o Euro com o aumento dos títulos da dívida pública soberana dos estados membros. Esta visão por parte dos alemães é consensual, mostrando o quanto egoísmo existe hoje na Alemanha. Além disso difundiu-se também a ideia na Alemanha que os países em crise que se sobre-endividaram devem sofrer pelos seus pecados do passado esquecendo (ou ignorando) eles - os alemães - que a economia da Alemanha foi e tem sido financiada justamente devido a esses pecados do passado.

Paulo Ramires, Licenciado

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

NÃO BASTA SEREM BURROS, TAMBÉM TINHAM QUE SER CEGOS (IRONIA)

NÃO BASTA SEREM BURROS, TAMBÉM TINHAM QUE SER CEGOS (IRONIA)
                               


Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013


Por Paulo Ramires

Dizem que o socialismo/comunismo eram maus ? Será que já alguém analisou a história com todas informações na sua mão ? Aposto que não. Então agora falamos deste sistema hiper-capitalista - será que ainda o é ? Há quem diga que já não - (exploração) actual ? Então ? É claro que este sistema económico deve é ser muito melhor que o socialismo, funciona que nem uma maravilha e as pessoas estão super contentes com ele, não é verdade ? O capitalismo assumiu várias formas, capitalismo mercantil, industrial, comercial, financeiro, global e agora estamos noutro tipo de capitalismo não sei qual o nome que lhe vão dar, para mim será capitalismo de blocos comerciais, UE, EUA, BRICS, União Aduaneira (Ruassia e vizinhos) entre outros. E não há duvida que está tudo a correr lindamente, uma maravilha, pleno emprego, crescimento económico, desenvolvimento, estado social reforçado, equidade nos impostos, índice de qualidade de produção ( um bem tem vida muito curta, erros de concepção e produção e preço elevado), déficies equilibrados, balanças de transacções correntes óptimas, etc.. Querem melhor ? Então esperem pela Nova Ordem Mundial (NOM ou NWO(ing)), vai ser lindo, ai se vai. Ah mas dizem os anti-comunistas o Lenine matou muita gente. Sim é verdade, milhões !!! Mas quem é que nega isso ? Agora façam lá a contabilidade da matança dos regimes capitalistas. Sabem fazer ? Olhem só Bush/Blair (capitalistas) são responsáveis mela matança de quase um milhão de pessoas só no Iraque, e fico-me por aqui. Porque não vou contabilizar a totalidade das vitimas do capitalismo que são muito superiores ao comunismo. No entanto não se esqueçam de uma coisa, nem sempre as ideologias matam (e nem todas), quem matam são os homens. Pois é, e agora matam com drones. Agora vamos para o plano das teorias económicas. Sabe qual é o resultado da distribuição do capital ? Os capitalistas têm entre 90% a 99% da riqueza gerada, os trabalhadores entre 10% a 1%. Mas isto funciona que nem uma maravilha não é ? Magnifico! Mesmo assim os actuais ideólogos capitalistas lembrara-se, primeiro de investir sem haver produção (keysianismo), agora para corrigir a coisa impõe a austeridade (ultraliberalismo radical, mas para aumentar a confusão a escola austríaca diz que não) ás populações que não tem culpa dos erros e das inconsciências económicas e sociais da tirania capitalista. Isto é lindo que se farta não é ? Querem mais ? Então vamos a isso. Actualmente a Europa está completamente ocupada militarmente, economicamente, culturalmente e a independência dos estados não existe. Como ? Então não perceberam ? Vejam as estatísticas do consume de filmes americanos, musica e outros produtos culturais, e comparem com a produção nacional ou europeia (deve de andar em média nos 70-90% - total aculturação). Militarmente: A Europa é como um queijo suíço ocupada por bases militares por todo o lado e ainda temos a NATO. Já alguém se lembrou de ler a carta da NATO por acaso ? Leiam lá. E a politica externa dos países ? Já pensarem realmente que a politica externa dos países europeus é a dos EUA/sionismo e não a dos povos europeus. Só um exemplo: Alguém quer explicar o interesse para a Europa das sanções contra o Irão ? Os prejuízos para a Europa dessa posição não têm fim ! Querem mais ? Então olhem para o médio oriente, os regimes como o da Síria e o da Líbia eram simplesmente mais democratas que qualquer país europeu. O quê ? Mas alguém acredita nisto ? Então não vivemos em democracia, respeitamos os direitos humanos, o estado de direito ? Essas coisas que nos enfiam para a cabeça. Olhem então por exemplo para o estado dos media ocidentais. Então ? Não são independentes e isentos ? Claro que não !! As TVs são totalmente controladas pela NATO e UE/EUA que chamam os regimes de ameaças à paz (sendo eles mais democratas que os ditos "democratas" do ocidente, e os terroristas - treinados, financiados, armados e apoiados politicamente pela NATO/UE/liga Árabe/Israel/turquia - de libertadores do povo e defensores da democracia. Democracia ? Qual democracia ? Democracia não, "FREEDON", que na verdade impossibilita a própria democracia por ser incompatível com ela, lindo, isto sim é bom para as pessoas e para a humanidade, e no comunismo nem havia democracia. Mas que burros e alguma vez existiu democracia no sistema capitalista ? Digam lá afinal quais são os valores do ocidente ? Confuso ? Que ideia. Mas este sistema é uma maravilha basta pensar o quanto somos livres. Livres ? Somos livres ? Não ! Um escravo noutros tempos era mais livre que um desempregado ou sem abrigo hoje, e sabe porquê ? Porque um escravo, tinha comida e trabalho e liberdade para sonhar e pensar, hoje é impossível, hoje um desempregado/sem abrigo não consegue sobreviver, não tem acesso a alimentos, a um emprego, não pode sonhar e não pode pensar. Não pode pensar, ora essa ? Bem alguns talvez, mas os outros não, isto porque o mundo que eles acreditam que vivem é ficção. Eles pensam que podem escolher lideres políticos e escolher o seu destino, pensam que vive numa democracia e têm voz nela, pensa que o mundo real é o que é-lhe apresentado pela TV ou imprensa ou pelos políticos. Que tontos e mal informados que são, então como podem eles pensar que pensam se as mentes estão ocupadas e também controladas ? Estupidificação sabem o que é ? Vamos a ver se isto fica melhor, em África está planeada a invasão de 35 países africanos pelos EUA (capitalistas) com o objectivo de controlo (leia-se roubar) dos recursos energéticos e naturais, para quê ? Para dar ao Tio Sam(capitalista) naturalmente. Isto depois no estado em que ficou o Médio Oriente. Digam lá outra vez quais são os valores do ocidente ? Mas isto sim é que é bom, agora as doutrinas vermelhas como o comunismo e socialismo não, livra !!!

Paulo Ramires


domingo, 6 de janeiro de 2013

DISCURSO DO PRESIDENTE SÍRIO BASHAR AL-ASSAD NA UNIVERSIDADE DE DAMASCO

DISCURSO DO PRESIDENTE SÍRIO BASHAR AL-ASSAD NA UNIVERSIDADE DE DAMASCO

Presidente sírio refere-se aos rebeldes como terroristas e criminosos procurando dividir a Síria e a sociedade. Fazendo uma claro ataque ao ocidente por este estar a controlar os "rebeldes" ou terroristas.






























Eles chamam uma revolução mas as revoluções são feitas por intelectuais ... onde estão os intelectuais ?

Uma revolução é para o povo e não para aqueles que vêem de fora do país.
Os extremistas aprenderam uma nova maneira...eles vieram de todos os lados fazendo raptos e sabotagens...não são sírios, não são jiadistas, não são islamitas...são casos de terrorismo para distraírem o mundo árabe e do ocidente para enfraquecer a Síria. Eles vieram de países ocidentais.

Aqueles que estão a destruir a Síria não têm na Síria apoio, mas o povo Sírio é mais forte. A Síria é e sempre será livre não aceitará "dictates".

A relação entre a oposição e o estado é interna.

Enfrentamos uma agressão brutal externa, eles usam a Síria para destruir territórios,

Esta gente não tem politicas, não tem nacionalidade.

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner