Fevereiro 2013 -->

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

PENTAGONO ENVIOU Á BASE NORTE-AMERICANA ANDERSON LOCALIZADA NA ILHA BRITANICA DE GUAM NO OESTE DO OCEANO PACÍFICO DOIS BOMBARDEIROS ESTRATÉGICOS B-2

PENTAGONO ENVIOU Á BASE NORTE-AMERICANA ANDERSON LOCALIZADA NA ILHA BRITÂNICA DE GUAM NO OESTE DO OCEANO PACÍFICO DOIS BOMBARDEIROS ESTRATÉGICOS B-2

 

A declaração oficial da Força Aérea informa que essas aeronaves serão "temporariamente" estacionadas em Guam no final de Janeiro "para fins de treinamento, o que permitirá que os pilotos exercitem a capacidade do B-2 para empregar capacidades de ataques estratégicos de precisão em todo o mundo". Isto num momento em que há uma enorme tensão entre China e Japão por causa de disputas territoriais, e que se houver confrontos os EUA terão de se envolver dado os acordos que existem entre Japão e EUA.

ESTÁ INSTALADA A CONFUSÃO NA POLÍTICA ITALIANA PARA FORMAR GOVERNO, ISTO PARA PÂNICO DOS RESTANTES PAÍSES EUROPEUS, EM PARTICULAR OS DO SUL

ESTÁ INSTALADA A CONFUSÃO NA POLÍTICA ITALIANA PARA FORMAR GOVERNO, ISTO PARA PÂNICO DOS RESTANTES PAÍSES EUROPEUS, EM PARTICULAR OS DO SUL


.




A coligação de centro-esquerda liderada por Pier Luigi Bersani conquistou 29,54% do total de votos, enquanto a coligação de centro-direita de Berlusconi obteve 29,18%. De acordo com a lei eleitoral, o vencedor da maioria dos votos fica com 340 das 630 lugares do senado, enquanto os candidatos derrotados dividem os lugares restantes proporcionalmente. No entanto, apesar de a coligação de Bersani ter ficado com mais lugares no Senado que qualquer outro partido, ela ficou longe de uma maioria, tendo em vista que receberá 119 dos 315 lugares. A coligação de Berlusconi conquistou 117 lugares na Câmara Alta, por outro lado o ex-primeiro-ministro, Mario Monti, ficou surpreendentemente com 18 lugares. O movimento 5 estrelas (M5S), criado há três anos pelo cómico populista e anti-sistema Beppe Grillo, foi o fenómeno destas eleições, no Senado será a terceira força com 23,8%. Estas eleições são claramente uma regeição da austeridade de Bruxelas e um não a esta à Europa por parte dos Italianos.

(PD, Sel e outros, líder Bersani)
Percentagem Câmara: 31.68% Senado: 32.28% 

A aliança de centro esquerda por Luigi Bersani, ex-comunista, foi a que venceu as eleições, mas é uma vitória de pírro, a aliança de esquerda liderada por Bersani terá de formar uma coligação para governar, uma vez que não terá maioria na câmara e no senado ficou em segundo lugar atráz do "il Cavaliere" Berlosconi surpreendentemente alcançando o primeiro lugar. Mas Bersani muito dificilmente conseguirá fazer uma coligação governativa pois um dos partidos da coligação não aceita o centro de direita de Berlosconi e Beppe Grillo não quer entrar em coligações, apenas quer apoiar leis individualmente. No entanto os jornais italianos, são vários cuja manchete é "Bersani e Grillo" pacto à Ciciliana.


(Povo da Liberdade (PdL), Lega e outros, líder Berlusconi)
Percentagem: Câmara: 26.91% Senado: 29.93%

É a coligação do  "il Cavaliere" Berlosconi, de centro direita e que procura uma continuidade e o compromisso com esta Europa. É um político populista, tem criticado e responsabilizado a Alemanha pelas dificuldades da Alemanha, mas ironicamente, é justamente Merkel que pode ter contribuindo sem querer com os bons resultados eleitoral de Berlusconi. O político e empresário de 76 anos culpa a Alemanha pela má situação econômica de seu país, porque Berlim apoiou de forma decisiva as medidas de austeridade impostas pela União Europeia. Berlusconi como político é como politico é fraquíssimo, mas como comunicador tem poucos rivais porque é imbatível nesse campo. Berlusconi pode ter sido um dos vencedores destas eleições.


(líder Monti - centro direita)
Percentagem Câmara: 10.46% Senado: 9.20%

É um pró europeu, um tecnocrata,  homem da Goldman Sachs e da Coca Cola foi ele que convenceu os italianos da necessidade de auteridade foi por isso fortemente penalizado, era também o homem que os mercados gostava, mas ficou associado á crise que hoje alastra pela Europa. A relação da dívida PIB subiu até 126% só é menor do que a da Grécia, que antes da quebra era de 170%. Quanto ao desemprego, a situação é explosiva entre os jovens, não tendo havido nenhuma política no governo Monti. Para completar o quadro o PIB recuou 2,2% em 2012, com projeção de mais queda em 2013 e 2014. Não há nada que indique que o novo primeiro-ministro terá qualquer espaço de manobra, se persistir na política da troika, se optar pela continuidade o desastre poderá ser ainda maior.


(líder Grillo - populista)
Percentagem Câmara: 25.57% Senado: 23.86%

É sem duvida o grande vencedor destas eleições: ultrapassou abundantemente 20% das preferências (quase 26% na Câmara ), chegando quase a incomodar a Direita. Grillo é claramente populista e também faz promessas bizarras. Mas Berlusconi também é populista e até Monti, que é o contrário do populista clássico, tem feito algumas promessas que soam populistas. O populismo de Grillo é diferente, porque lhe falta ideologia. Será movimentos destes que indicam o fim da ideologia ?  Ele não aborda os temas clássicos da extrema direita ou da extrema esquerda. Grillo é muito tranquilo, fala sobre a imigração. Por isso é um populista que não tem um programa político identificado com nem com a esquerda, nem com a direita - o que para alguns críticos quer dizer alguém vazio. É também um comediante que cativa muitos jovens. É a vitória de quem nunca participou nas máfias dos partidos e de internet, verdadeiro coração do Movimento, será também inevitável a influência de Grillo na política italiana. Beppe Grillo, é também um bloguer rendido ás novas tecnologias.


(Revolução Civil, Partido Comunista e outros, líder Ingroia)
Percentagem Câmara: 2.23% Senado: 1.80%

Os comunistas não atingem a percentagem mínima para entrar no Parlamento.

 O FIM DA VELHA EUROPA

Por Paulo Ramires


Não é nenhuma novidade a turbulência que se verifica na política italiana, as transições politicas sempre foram assim, e digo mais é normal e não é nenhum drama, o problema é a divida que a Itália tem é simplesmente a segunda maior da zona europeia e representa 24% (1 908 103 €) da divida da zona euro, isto é de facto assustador e ainda mais se tivermos em conta que o governo italiano prevê que para a taxa de juro implícita na dívida é de 5,5% este ano, 5,6% no próximo, 6,0% em 2014 e de 6,3% em 2015, isto em simultâneo que a previsão da evolução da economia se perspectiva para uma contracção de 1,2% este ano para um abrandamento de 2,4% e o défice estimado passou de 1,7% produto interno bruto (PIB) para 2,6%, segundo os dados citados pela Bloomberg. Portanto cenários negros não só para a Itália mas também para toda a zona euro, mas como se isto já não chegasse, ainda vem a Moody entrar novamente em cena. A Moody’s tem um “rating” Baa2 para Itália, com “outlook” negativo a partir de Julho de 2012. “Uma combinação de níveis elevados de dívida e baixo crescimento económico deixa [Itália] vulnerável a uma inversão do sentimento do mercado, que a experiência mostra que pode alterar-se rapidamente”. e adianta, “a importância sistémica de Itália para a Zona Euro significa que as eleições desta semana têm implicações muito além de Itália e são, indirectamente, negativas para o crédito de outros países da Zona Euro sob pressão”, escreve a Moody’s em nota divulgada ontem. Para confundir mais as coisa o analista Antonio Ladolfi, vem agora dizer que “os mercados internacionais só querem um certo de grau de governabilidade, mesmo se só for a curto prazo, para serem capazes de fazer face aos actuais efeitos negativos.” Mas ainda há pior o desemprego italiano que não para de crescer sobretudo nos últimos meses como o quadro mostra, situa-se agora nos 11,2%. Isto é claramente um autentico falhanço da Europa, o que não se entende o que os governantes da zona euro pretendem ao continuar no mesmo caminho, penso que haja um ideal europeu que esteja a sacrificar as condições de vida dos europeus, mas também um fanatismo pela ortodoxia económica alemão em ajustar as contas públicas da zona euro através de medidas de austeridade, um absurdo, pois não me parece a mim que seja com esse tipo de medidas que se equilibram as contas, mas sim com medidas expansionistas controladas. Que fazer então ? Bem muita coisa, em primeiro é necessário que todos os países europeus digam á Alemanha que a Europa não é a Alemanha, e nem tem de continuar com as mesmas políticas alemãs, na verdade está Europa foi feita muito em função do que a Alemanha pretendia, e assim surgiu o tratado de Maastrcht, que eu li todo e me perguntei porque os objectivos eram apenas económico e também sociais, perguntei ao meu professor de economia e ele pareceu-me hesitar também na resposta. Em segundo lugar é necessário repensar esta Europa incluindo as suas bases, as suas instituições, ou seja democratiza-la, não há democracia na Europa - também não há em lado nenhum - o que há em um diktat que a própria França de François Hollande parece se afastar parcialmente mas com muito medo e hesitação (Mali). Depois teremos de pensar no modelo económico que a Europa deveria seguir, seja ele qual for "o freedon" imposto pelos anglófonos com o consentimento da Alemanha não se ajusta ao continente europeu, não faz parte da matriz de desenvolvimento da Europa, o liberalismo selvagem a que assistimos, mas eles ainda querem mais e mesmo em Portugal existem bastantes economistas e políticos a defenderem ainda mais desregulamentação e logo a seguir falam em desburocratizar, mas isso sim é necessário. (Só uma ideia porque não lança um kit do investidor estrangeiro em vez de andarem por ai a fazerem tristes figuras ? Um kit que informasse o investidor o que é necessário cumprir em termos de ambiente ou licenças de terrenos, licenças municipais, legislação etc. tudo isto ligado em rede informática para ser autorizado imediatamente, bastava cerca de uma semana...).

No entanto o Financier Jim Reid, que trabalha para o maior banco da Alemanha avisou os lideres europeus para levarem mais a sério as políticas sociais e económicas na União Europeia, dando um alerta para as agitações sociais. Mas parece-me que que se vai no sentido contrário e assim será pior, a desregulamentação do mercado em simultâneo que se abre a porta a uma zona de comercio livre com os EUA arrebentará com o resto das industrias que existem na Europa, e se beneficiasse alguém, esse alguém só seria a Alemanha, o Reino Unido e em parte a França. Essa seria uma resposta à cada vez mais atractiva zona dos BRICS, mas esta zona de comercio livro de acordo com especialistas garantiriam um crescimento do PIB da UE de 0,5% e 1,5% para os EUA, isto são números claramente optimistas e não se sabe o impacto nas populações duma medida destas. No entanto parece que há um certo interesse da Parte da Rússia num outro tipo de Europa em esta participasse bem mais, a Rússia fornece cerca de 75% da Energia á Europa, e estes números tendem a aumentar. A Europa é um dos maiores mercados do mundo de energia, e todos as potencias energéticas querem estar na Europa.



 
Protestos de Estudantes em Roma contra Austeridade. Foto:Giogio Cosulich (Gertty Imagens)



















Nota editorial do blog:


Hoje na TVI 24 passou uma propaganda sobre os israelitas, isto é lamentável, uma autentica lavagem cerebral, que até metia pianos e guitarras uma vez que dá uma imagem falsa daquilo que se passa na palestina e dos israelita, isto tem só um propósito de aniquilar ou anular a verdade e imagens que podem ser acedidas na internet, isto é o que se chama "estupidificação". Deveriam ter mencionado também os 5000 a 6000 prisioneiros palestinos, muitos crianças.  A questão editorial de um canal, diz respeito ao canal, mas deveria ser independente e não passar propaganda sionista, pois coloca claramente em causa a imagem desse órgão de informação, e a TVI24 até tem um dos melhores programas da TV, olhos nos olhos, dispensava perfeitamente passar propaganda. Chego à conclusão que a informação é cada vez pior e são cada vez mais as coisas mais parvas que andam a dizer nos media aos portugueses, o ataque terrorista passado que matou 55 pessoas e feriu mais de 200 pessoas reivindicado pelo grupo terrorista Jabhat al-Nusra's apoiado por Israel e EUA é noticiado em vários órgãos de comunicação social como tendo sido "3 Scuds disparados por forças governamentais contra populares", quando contactei as minhas fontes, ficaram admiradíssimos pois não conheciam ainda esta versão, não há limites á imaginação, tudo o que sai publicam, querem lá saber eles se é verdade ou não, mais vale escreverem as histórias da carochinha nos media, era bem mais educativo, qualquer dia começam a dizer que os extra-terrestres andam a bombardear o médio oriente só para ficarem com as árabes que por sinal são bonitas !!! Não têm juízo esta gente, o que que se há de fazer....

Solidariedade com os presos Políticos Palestinos nas Prisões Israelitas | InfoPazPorto - EM REDE | Scoop.it


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

GEOPOLITICA - ANTÓNIO PATRIOTA FALA SOBRE OS BRICS E A QUESTÃO ATLÂNTICA COM LUÍS AMADO - THE ATLANTIC DIALOGUES

GEOPOLITICA - ANTÓNIO PATRIOTA FALA SOBRE OS BRICS E A QUESTÃO ATLÂNTICA COM LUÍS AMADO - THE ATLANTIC DIALOGUES












EMBAIXADOR DOS EUA DEFENDE PARCERIAS COM PORTUGAL PARA NEGÓCIOS EM MOÇAMBIQUE

EMBAIXADOR DOS EUA DEFENDE PARCERIAS COM PORTUGAL PARA NEGÓCIOS EM MOÇAMBIQUE



O embaixador dos Estados Unidos em Portugal disse, esta sexta-feira, à Lusa que acredita no aumento da presença de empresas norte-americanas em Moçambique com a participação de companhias portuguesas e referiu-se ao interesse no carvão e gás natural.  

"As descobertas de gás em Moçambique são uma enorme oportunidade para o país, para as companhias de extracção e de distribuição dos minérios para todo o mundo mas é preciso também criar infra-estruturas. Acreditamos que os profissionais e as companhias vão apoiar o governo e consequentemente os moçambicanos", disse o embaixador Allan Katz que sublinhou a necessidade de parcerias entre as empresas norte-americanas e portuguesas. 

A visita de uma missão empresarial dos Estados Unidos a Moçambique está a ser organizada pela Câmara de Comércio Americana em Portugal e pela Câmara de Comércio Portugal - Moçambique e vai decorrer entre os dias 5 e 7 de Março. 

De acordo com o embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, as "fortes ligações" entre norte-americanos e portugueses são uma "parceria natural" e, por isso, a missão empresarial vai integrar empresas dos dois países. 

"Muitas companhias norte-americanas nunca fizeram negócios em África e, por isso, ter um parceiro que já fez negócios em África, que entende a língua e a cultura abre novas oportunidades de negócios para ambos e esse é o objectivo. Podemos fazer progressos e esperamos que esta missão possa ser a primeira de muitas missões", acrescentou o embaixador.

A missão deve integrar dez empresas norte-americanas e cinco portuguesas dos sectores relacionados com energia, tecnologia, cuidados de saúde, serviços financeiros e áreas educativas. 

"A própria Fundação Luso Americana está interessada em desenvolver fortes relações com universidades em Moçambique e a Fundação Aga Khan já regista um desempenho muito activo não só em Portugal mas também em Moçambique" afirmou o embaixador que sublinhou o "interesse" nos recursos naturais. 

"Não somos os únicos interessados, há um interesse global mas acreditamos que os Estados Unidos têm uma grande quantidade de investidores e acreditamos que temos como tradição enfrentar soluções para muitos cenários" , disse o embaixador referindo-se às reservas de gás e carvão e à "experiência" norte-americana na exploração e criação de infra-estruturas relacionadas com o sector. 

"Nós nos Estados Unidos aprendemos muito nos últimos anos em termos de infra estruturas sobre a exploração e extracção de minérios", acrescentou.

Lusa

SÍRIA: ATENTADO EM DAMASCO É CRIME DE GUERRA


O atentado de quinta-feira no centro de Damasco fez perto de 100 mortos e 250 feridos e constitui "um crime de guerra", afirmou esta sexta-feira o mediador internacional para a Síria, Lakhdar Brahimi, em comunicado.


Brahimi "condena firmemente a explosão bárbara e horrível de ontem, em Damasco, que causou a morte de cerca de 100 pessoas e feriu 250 civis".

Para o diplomata, "nada pode justificar essas acções repulsivas que constituem crimes, segundo as leis internacionais".

O texto lembra que o emissário da ONU e da Liga Árabe para a Síria propôs no seu último relatório ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, a 26 de Janeiro, que sejam feitos "inquéritos independentes a este tipo de crimes".

Quatro atentados foram perpetrados na quinta-feira, na capital síria, bastião do regime de Bashar al-Assad, provocando pelo menos 83 mortos, na maioria civis, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).




domingo, 24 de fevereiro de 2013

LAKHDAR BRAHIMI EM ENTREVISTA DIZ QUE A PAZ NA SÍRIA DEVE SER FEITA COM A OPOSIÇÃO E GOVERNO MAS SEM BASHAR AL-ASSAD

LAKHDAR BRAHIMI EM ENTREVISTA DIZ QUE A PAZ NA SÍRIA DEVE SER FEITA COM A OPOSIÇÃO E GOVERNO MAS SEM BASHAR AL-ASSAD



Compreender o que se passa na Síria não é fácil, aos olhos das opiniões públicas, mas aqui está uma entrevista que embora não explique a situação, possa também evidenciar muita coisa. A entrevista é do enviado das Nações Unidas e Liga Árabe para a questão Síria. Lakhdar Brahimi. Brahimi foi antigo ministro dos negócios estrangeiros da Algéria, e substituiu Kofi Annan nas difíceis negociações entre SFA (Exército Livre da Síria), (federação de terroristas pró ocidentais) e governo sírio, Rússia e Irão. Brahimi serviu de enviado das NU (Nações Unidas) no Iraque e Afeganistão (não é coincidência) como membro dos "Elders" (mais velhos), um grupo de lideres mundiais que trabalham pela paz mundial.






OS PORTUGUESES CANTAM CADA VEZ MAIS O VILA GRÂNDOLA MORENA COMO PROTESTO CONTRA A AUSTERIDADE DO GOVERNO E DE BRUXELAS


OS PORTUGUESES CANTAM CADA VEZ MAIS O VILA GRÂNDOLA MORENA COMO PROTESTO CONTRA A AUSTERIDADE DO GOVERNO E DE BRUXELAS



Os portugueses estão cada vez mais originais mas também mais zangados e irritados nos protestos contra o governo e a actual situação do país, o primeiro sinal foi no parlamento português onde se terá dado uma espécie de sinal ao estilo do 25 de Abril, que imediatamente passou fronteiras nomeadamente em Espanha onde foi cantado por manifestantes espanhóis e pela orquestra Solfonica, em Puerta del Sol, no centro de Madrid, a partir dai vários cânticos de vila Morena têm surgido perante a presença de ministros do governo de Paços Coelho. Miguel Relvas é o ministro mais criticado e gozado, e nas redes sociais surgem novas tendências de passar mensagens mais ou menos originais acompanhando quer a tecnologia quer os novos fenómenos de critica social e politica, como o que podemos ver nos vídeos abaixo. Um dessas formas são os Pinpix, neste caso de uma versão de Gangnam Style de PSY, ou a também interpretação de Gangnam Style realizada por Pedro Fernandes, um dos cinco apresentadores do programa 5 para a meia noite, "Gamar com Style". Os maus resultados do governo na concretização da politica económica e em atingir os resultados pretendidos, a subida do desemprego, a carga de impostos, o aumento da corrupção ligada a interesses instalados quer a nível nacional como autárquico, tem provocado níveis cada vez maiores de explosão social e descontentamento, várias organizações sociais e politicas e cívicas têm liderado essa crítica como os "Que se lixe a troika", o que levou a um reforço na segurança dos membros do governo. Em silencio continua o Presidente da Republica Cavaco Silva.

Em Espanha também há protestos nas rua contra a austeridade que também abala o país vizinho. 





quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

AS PPP COMO UMA FORMA DE CORRUPÇÃO DE QUEM ESTÁ NO PARLAMENTO E GOVERNO

AS PPP COMO UMA FORMA DE CORRUPÇÃO DE QUEM ESTÁ NO PARLAMENTO E GOVERNO


PARCERIAS ? PATIFARIA

Aqui chegados, só há uma solução aceitável: extinguir os contratos e prender quem os forjou.

Os encargos do estado com as parcerias público-privadas (PPP) são colossais, comprometem as finanças públicas por toda uma geração e hipotecam o futuro da economia do país. Mas os governos continuam a ser cúmplices destes negócios ruinosos. O atual ministro das finanças nem sequer diminuiu a despesa com as PPP, a que estava obrigado pelo memorando de entendimento assinado com a troika. Pelo contrário, os custos não cessam de aumentar.

Nos últimos quatro anos, os encargos líquidos com as PPP quadruplicaram, atingindo por ano montantes da ordem dos dois mil milhões de euros. O valor dos compromissos futuros estima-se em mais de 24 mil milhões de euros, cerca de 15% do PIB anual. Uma calamidade!

Fingindo estar a cumprir o acordo com a troika, que obrigava a "reavaliar todas as PPP", as Finanças anunciam, aqui e além, poupanças de algumas centenas de milhões. Valores ridículos, pois representam apenas cerca de um por cento do valor dos contratos.

Mas, o que é pior, Vítor Gaspar continua a proteger os privados. Já em 2012 e por decreto-lei, determinou que da nova legislação que regulamenta as PPP, "não podem resultar alterações aos contratos de parcerias já celebrados". As rentabilidades milionárias para os privados e a sangria de recursos públicos continuam como dantes... para pior. No último relatório disponível pode apurar-se que em 2011 houve, só nas PPP rodoviárias, um desvio orçamental de 30%. Sendo as despesas correntes de cerca de oitocentos milhões de euros, os custos com pedidos de reequilíbrio financeiro são de… novecentos milhões. A variação é maior que o próprio custo! Só ao grupo Ascendi e seus financiadores foram pagos, a mais (!), quinhentos milhões de euros. Uma patifaria. As poupanças do estado com a redução salarial da função pública em 2011 foram, afinal, diretamente para os bolsos do senhor António Mota, seus associados e financiadores.

Aos acordos ruinosos das PPP, vieram, ao longo dos anos, acrescentar-se custos desmesurados, resultado de negociações conduzidas por responsáveis públicos corruptos. Aqui chegados, só há uma solução aceitável: extinguir os contratos e prender quem os forjou.

E Manuel Caldeira Cabral escreve assim no Jornal de Negócios:

(...)
A Dimensão da Poupança.

Nos próximos 30 anos, os montantes brutos pagos a todas as PPP serão em média cerca de 0,6% do PIB do respectivo ano, ou seja, 1,2% da despesa pública, o que corresponde a cerca de 1/8 do investimento público médio anual dos últimos 30 anos. Como as PPP rodoviárias têm receitas (o Estado paga a disponibilidade, mas recebe portagens), o montante líquido de encargos para o Estado resultante das PPP é menor – cerca de 0,3% do PIB, montante que corresponde a 2,6% dos gastos com funcionários públicos ou a 2% das prestações sociais.

As despesas brutas com as PPP variam ao longo do tempo, atingindo valores entre os 1 e os 1,2% do PIB, em 6 dos próximos 30 anos, mas também valores entre os 0,1 e os 0,5% do PIB, em 15 dos próximos 30 anos. Assim, um corte de 30% nos gastos brutos com as PPP resultaria numa poupança inferior a 0,25% do PIB em 20 dos próximos 30 anos. Esta poupança seria bem-vinda, mas significa apenas uma pequena parte dos 4 ou 5 pontos do PIB que o défice tem de baixar. Infelizmente os cortes nas PPP apenas podem solucionar uma pequena parte do problema orçamental português, pelo que temos de continuar a melhorar muitos outros aspectos da despesa e da receita. (...)

O resto do artigo aqui

Aqui um vídeo da TVI de 30-09-2012 sobre as PPP





Paulo Morais falando recentemente no caso específico da PPP das Águas




E as PPPs são só um forma de corrupção que existem em Portugal, e não é só no parlamento, é também nas autarquias segundo alguns observadores/comentadores, vejamos este debate com Paulo Morais e Medina Carreira na TVI.




segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

GRÂNDOLA VILA MORENA CANTADA EM ESPANHA É AVISO CONTRA A "DITADURA" DE BRUXELAS

GRÂNDOLA VILA MORENA CANTADA EM ESPANHA É AVISO CONTRA A "DITADURA" DE BRUXELAS




Depois de na Sexta-feira, um grupo de cidadãos que assistia nas galerias do Parlamento português ter cantado o tema "Grândola Vila Morena" interrompendo o discurso do primeiro-ministro português, Pedro Paços Coelho, no Sábado à noite, manifestantes espanhóis e a orquestra Solfonica, em Puerta del Sol, no centro de Madrid tocaram e cantaram a música que serviu de senha à revolução de Abril de 1974 em Portugal, durante um protesto contra o governo de Mariano Rajoy e os cortes ditados pela austeridade imposta por Bruxelas. Em Portugal também houve várias manifestações por todo o país no Sábado e Domingo. Entretanto a vice-secretária do PSOE, Elena Valenciano, considerou, no sábado, que a canção de Zeca Afonso representou um "grito da cidadania contra a "ditadura" de Bruxelas". É um claro aviso, que Bruxelas não pode ignorar, que não só tem de terminar imediatamente com a austeridade, como optar por um outro caminho. 

Manifestações em Portugal, Sábado passado:


E na Sexta-feira foi assim no parlamento em que pessoas interromperam o discurso do primeiro-ministro com o Grândola Vila Morena.



sábado, 16 de fevereiro de 2013

SÃO MILHARES DE MORTES SÓ NO AFEGANISTÃO E OUTROS TANTOS MILHARES DE MORTES NO PAQUISTÃO FEITOS POR ESTAS MÁQUINAS ASSASSINAS COMANDADAS PELOS EUA


SÃO MILHARES DE MORTES SÓ NO AFEGANISTÃO E OUTROS TANTOS MILHARES DE MORTES NO PAQUISTÃO FEITOS POR ESTAS MÁQUINAS ASSASSINAS COMANDADAS PELOS EUA



  
    
 Por Paulo Ramires

Os drones, são autenticas maquinas assassinas que matam tudo o que é escolhido por quem os controlam, seja crianças ou adultos, nada escapa, são uma forte ameaça à segurança internacional e sinónimo, de isto sim terrorismo de estado. O Afeganistão tem sido particularmente afectado, desde princípios de 2009, que houve aproximadamente 1500 ataques com drones. E o uso de drones tem vindo a aumentar consecutivamente. Como Noah Shachtman, editor do "Danger Room" advertiu, o exercito dos EUA está agora lançando mais drones de ataque - uma média de 33 por mês - do que alguma vez em 11 anos de conflito no Afeganistão conseguiu. É uma maior escalada desde o ultimo anos quando a media era de 24,5. No ano passado os EUA lançaram 294 ataques com drones no Afeganistão que subiu de 278 em 2010. Em Dezempro passado um relatório da Brave New Foundation condenou o uso de drones, que mataram centenas de crianças - e possivelmente muitas mais que não foram relatadas. No Paquistão 178 crianças foram mortas por drones dos EUA segundo um relatório. Mas não é só no Afeganistão e Paquistão, é também no Yemen e outros países.






quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

UNIÃO EUROPEIA COM ORÇAMENTO ESCASSO E MAIS INDIVIDUALISTA É DERROTA PARA EUROPEÍSTAS E FEDERALISTAS

UNIÃO EUROPEIA COM ORÇAMENTO ESCASSO E MAIS INDIVIDUALISTA É DERROTA PARA EUROPEÍSTAS E FEDERALISTAS


Por Paulo Ramires

Os Governos da União Europeia decidiram aprovar na passada sesta - feira o quadro orçamental plurianual para 2014 - 2020 que será de 960 mil milhões de Euros para o respectivo período  sendo que esta é a primeira vez que há uma redução dos meios de financiamento em relação ao período anterior, isto por pressão dos países contribuintes líquidos como a Alemanha, Holanda, França e Suécia liderados pelo Reino Unido.  O orçamento está  fixado em 960 mil milhões de Euros para compromissos para serem assumidos, mas em 908 mil milhões sob condições de "autorização de pagamentos". No entanto este valor ainda mais baixo se se considerar o montante em termos de preços de 2011 ou seja 994 mil milhões e 943 mil milhões de Euros respectivamente entre 2007 e 2013 e 850 mil milhões e 830 mil milhões respeitantes a 2000 e 2006.

Em relação a Portugal, as transferências anuais da UE para o país têm rondado os cerca de 4500 milhões de Euros, sendo 70% integrados no quadro das políticas de coesão (fundos estruturais). Estes 27 800 milhões obtidos agora significam cerca de 3 970 milhões anuais, uma redução de 530 milhões. No conjunto dos 7 anos significa uma redução de 9,7% segundo Paços Coelho, já a política de coesão contará com 19 600 milhões de euros, uma redução de 10,6% em relação ás ajudas actuais, para a PAC serão 8 100 milhões (menos 7,6% no quadro passado). A estes montantes foram adicionados à fatia de todos os países "bonos" que no caso de Portugal serão de 1 000 milhões para os fundos estruturais e 500 milhões de euros para o desenvolvimento rural, nos quais 75 milhões serão para o Algarve.

Estes valores são francamente decepcionantes para o desenvolvimento da Europa e significam uma derrota dos eurocépticos sobre os europeístas. Mas há algo errado na engenharia deste orçamento e muito pouco correcta, que são os agora criados "bónus" aos vários países, ora isto poderá significar a perda de posições próprias de cada país, para em troca de mais apoios aos países menos ricos, estes passarem a apoiar mais a posição dos países que mais contribuem, em detrimento das sua próprias posições. Isto é claramente uma derrota dos países do sul do leste europeu, os grandes beneficiários dos fundos de coesão, no entanto este acordo ainda não é definitivo, dado que pode ser rejeitado pelo parlamento europeu que já se mostrou céptico sobre o orçamento tal como está. Os cinco maiores grupos políticos de Parlamento Europeu, já disseram que vão rejeitar o orçamento. Partido Popular Europeu (PPE), Partido Socialista (S & D), Liberais (ALDE), Verdes e Esquerda Unitária Europeia, eles afirma que não aceitarão o acordo tal como está. Mas mesmo assim não é de esperar muitas mudanças no acordo entre os governos, e a ameaça dos grupos europeus muitas vezes é apenas fogo de vista acabando depois de aceitar facilmente o que lhes é proposto pelo concelho europeu. O orçamento passará a ter um tecto para as despesas autorizadas ( os chamados compromissos) de 960 mil milhões de euros durante os 7 anos, todavia a capacidade de realização será de 908,4 mil milhões, mas a estrutura do orçamento fica efectuada quer em compromissos quer em pagamentos. Os compromissos são registos no orçamento vinculativos de despesas a realizar pelo estados membros para os anos em que são escritos necessitando de autorização, enquanto que os pagamentos reportam-se a registos de despesas que poderão ser efectivamente concretizadas em cada ano a que diz respeito o orçamento. Agora para quê esta dualidade de critérios na atribuição dos fundos comunitários ? Esta é pois uma promessa de David Camaron ao seu eleitorado de contribuir para o orçamento através de pagamentos de modo a apresentar um orçamento restritivo ao seu eleitorado e tornar esses montantes mais claros no seu país.

No entanto isto tem um problema, os governos autorizam a realização de despesas na qual podem não honrar, fazendo aumentar aumentar o actual défice de 16 mil milhões para níveis superiores ao mesmo tempo que países como a Alemanha ou a Holanda forçam os países do euro a reduzir os défices nacionais, ora isto é no mínimo um contrasenso. Como se isto já não fosse suficientemente mau David Camaron ameaçou vetar o acordo se não houvesse cortes substanciais nas dotações financeiras das políticas comuns que vão passar para 34 mil milhões de euros (uma redução de 3% em relação ao período anterior). Um valor bastante baixo, tendo em conta que a própria Comissão Europeia apresentou uma proposta de 119 mil milhões de euros. Ora este é claramente um orçamento anti-comunitário e atípico para não dizer egoísta, em que os estados estão mais preocupados com o Deve e o Haver das suas contribuições para exigirem compensações sacrificando o bem comum entre os estados e a solidariedade entre ricos e pobres. Para tornar ainda mais complexo este orçamento, o princípio de abatimento das contribuições líquidas foi reforçado ainda mais pelo Reino Unido, Alemanha, Suécia e Dinamarca. Penso que este orçamento irá agravar ainda mais a tensão entre o Reino Unido e os países mais europeístas e beneficiários dos fundos comunitários (países da coesão).

Será este orçamento o princípio de uma divisão entre o Reino Unido e o resto da Europa ou pelo contrário, uma forma de sossegar o eleitorado britânico muito euro-ceptico e anti-europeu ?Contudo os outros eleitorado também têm as suas reivindicações. O Reino Unido tem marcado um referendo para 2020 onde será perguntado aos cidadãos britânicos se querem ficar ou sair da UE. Ora existe cada vez mais a ideia nos britânicos que o Reino Unido estaria melhor fora da UE, só que isso não é verdade, a saída do Reino Unido da UE terá diversos custos que os britânicos ainda não resolveram fazer a sério, os custos económicos, comerciais e estratégicos. O comercio do Reino Unido faz-se essencialmente com a UE, sendo as exportações do Reino Unido para a Europa (UE) de 49%, e apenas de 17% para os EUA. No entanto a concepção estratégica do Reino Unido divide-se entre nacionalistas, conservadores, euro-cépticos por um lado e liberais e trabalhadores por outro. Sabendo-se que o Reino Unido não quer uma UE transformada em super-estado, mas diluída apenas numa zona de livre mercado de forma a que melhor possa anular os efeitos federalistas da França e Alemanha, até porque estes estão no centro do continente europeu e o Reino Unido fora dele, ora é evidente que quanto mais poder existir concentrado na UE, mais beneficiem os países que no centro do continente estão e mais perdem os que fora estão, mas isso não será muito linear pois no caso português que está na preferia tem tudo a ganhar se continuar no grupo de países mais integrados na UE.

Num entanto uma Europa apenas com um mercado desregulado e cada vez mais liberal como defende o Reino Unido, sai fora da matriz de desenvolvimento dos países europeus. Será bom recordar que não é essa a matriz europeia, além do mais essa visão apenas beneficia certas alianças, nomeadamente EUA, Reino Unido, agrupando ainda a Austrália e Nova Zelândia  Mas pior uma Europa sistematicamente desindustrializada  mas invadida por importações de produtos chineses e de outros países tem custos elevados para a economia europeia, o que não quer dizer que certos sectores industriais não possam ganhar, é o caso da industria automóvel e outras com bases tecnológicas. No entanto é este o caminho que os europeus terão de aceitar, cada vez mais integrados em zonas de comercio livre como será o caso da zona EUA/UE, isto sem que nada seja discutido entre os europeus. Será verdade que a UE beneficia alguma coisa com a inclusão do Reino Unido, mas só e só se se este estiver disposto a partilhar poderes e a agir em termos comunitários, ora não está, antes pelo contrário, quer a sua destruição, assim penso que a sua saída teria mais benefícios à Europa do que desvantagens. Desta forma o Reino Unido deve sair da UE e isso deve estar claro por parte dos restantes países querem qualquer modelo de Europa.





sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

RUSSIA CONDENA ATAQUE DE ISRAEL À SÍRIA, UNIÃO EUROPEIA FICA EM SILENCIO EM CLARO APOIO A UMA GROSSEIRA VIOLAÇÃO DO DIRETO INTERNACIONAL E DA CARTA DAS NU

RUSSIA CONDENA ATAQUE DE ISRAEL À SÍRIA, UNIÃO EUROPEIA FICA EM SILENCIO EM CLARO APOIO A UMA GROSSEIRA VIOLAÇÃO DO DIRETO INTERNACIONAL E DA CARTA
DAS NU

Пан Ги Мун генеральный секретарь ООН
Tudo será ignorado e outros acontecimentos se repetirão como sempre aconteceu em relação a Israel, e a União Europeia continua em silencio

Homs in ruins
Esta é destruição provocado pelos terroristas comandados por Israel e a NATO

Russia condena fortemente o ataque a um estado sobrano
"ELES ESTÃO A COOPERAR PARA DESTRUIREM A SÍRIA" [NATO/ISRAEL/ARÁBIA
SAUDITA/QATAR/TURQUIA]



A destruição da Síria faz parte de um plano preparado pelo ocidente e pela Nato, veja a análise e o site:


"examines the nature of the US-NATO-Israel sponsored insurgency, including the recruitment of terrorists and mercenaries. It also includes an examination of a 1957 Anglo-American covert intelligence plan to destabilize Syria and implement “regime change”. The 1957 plan envisaged the triggering of “internal disturbances as well as the mounting of “sabotage and coup de main (sic) incidents” by the CIA and MI6. What this essay suggests is continuity, i.e. today’s Intel. Ops, while more sophisticated than those of the Cold War era, belong to realm of DÉJÀ VU".     --->      globalresearch.ca            


Aqui vemos terroristas que roubara um celeiro numa cidade fronteiriça entre a Síria e a Turiquia e levaram o produto para a Turquia.


 







Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner