Janeiro 2019 -->

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

«EXPLORAÇÃO DE ÁFRICA PELA FRANÇA» ITÁLIA LANÇA UM ULTIMATO EM PARIS

Tensões entre a França e a Itália. De facto, há poucos dias, o vice-presidente do Conselho Italiano, Luigi Di Maio, assegurou que a França empobrecesse a África enquanto agravava a crise migratória. Diante de tais ataques, o Ministério dos Negócios Estrangeiros decidiu reagir convocando na segunda-feira, o embaixador italiano em França.

Luigi Di Maio ataca França

Ontem, Di Maio queria mostrar a sua distância com o governo francês, instando a União Europeia a aplicar sanções contra todos os países - e em particular a França - na origem da crise migratória e das muitas mortes no Mediterrâneo. "Se hoje há pessoas que saem, é porque alguns países europeus, com a França a liderar, nunca deixaram de colonizar dezenas de países africanos", insistiu o líder do Movimento 5 estrelas, movimento anti-sistema.

O embaixador italiano, convocado

Segundo ele, a França estaria a usar as suas antigas colónias para financiar a sua dívida pública por meio da criação de moedas e riqueza, directamente no local. Durante a sua análise, Luigi Di Maio vai ainda mais longe, dizendo que sem a ajuda desses países, a Hexagon seria apenas a 15ª maior economia do mundo. Observações "inaceitáveis ​​e irrelevantes", o gabinete do ministério quer mostrar a sua firmeza. Convidada a apresentar explicações, Teresa Castaldo terá que ser muito construtiva para evitar que a situação se agrave.

Desde a chegada ao poder de Salvini e Emmanuel Macron, muitas tensões surgiram recentemente entre os dois países vizinhos, a meio de uma crise migratória. De facto, a Itália acusa a França de enviar de volta à fronteira italiana, tendo os migrantes conseguido passar no Hexágono. Por seu lado, o governo francês está constantemente varrendo essas acusações. Hoje, o problema parece ser muito profundo.

africa24.info

CHINA DEU À FRANÇA UM ULTIMATO PARA ACABAR COM O PACTO COLONIAL EM ÁFRICA



O pacto colonial (também chamado de regime do Exclusivo) é um sistema comercial imposto pelos países europeus às suas colónias no século XVII e segundo o qual a colónia só pode importar produtos da metrópole enquanto deveria. exportar apenas para esta.

Poucas pessoas sabem disso. Mas há, de fato, acordos secretos assinados entre as antigas colónias francesas e a sua antiga autoridade administrativa, a França. Esses acordos abrangem muitas áreas, como a militar, a política, mas especialmente acordos económicos.

Os países africanos devem depositar as suas reservas financeiras no Banco de França. Assim, a França "mantém" as reservas financeiras de catorze países africanos desde 1961: Benim, Burkina Faso, Guiné-Bissau, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal, Togo, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Congo-Brazzaville, Guiné Equatorial e Gabão.

A China, que tem 40% da produção de petróleo bruto no Congo, deve passar pelo banco central da França antes de enviar o capital e fundos para o Congo, o que leva tempo e a moeda chinesa se desvaloriza.

A China não quer mais isso e estará pronta para uma mudança no relacionamento França - África

De acordo com as nossas fontes no governo chinês, houve reuniões secretas entre chineses e franceses para acabar com o pacto colonial para algumas antigas colónias francesas, onde os chineses têm o maior interesse. Seriam 6 dos 14 países africanos forçados pela França a pagar o imposto colonial.

As nossas fontes informaram que a China deu à França um ultimato de cinco anos para pôr fim a esse pacto colonial com esses seis países ou enfrentar sérias sanções económicas. A França não demonstrou interesse em pôr fim a este pacto colonial com os países africanos em questão. Fique atento para mais informações sobre o assunto ...

Africa24.info

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner