Abril 2018 -->

segunda-feira, 30 de abril de 2018

PORQUE A EUROPA TEM MEDO DAS NOVAS ROTAS DA SEDA?

PORQUE A EUROPA TEM MEDO DAS NOVAS ROTAS DA SEDA?

Muitos países da UE estão preocupados com o tráfego de sentido único ao longo das novas rotas comerciais que Pequim está a tentar estabelecer para a Europa

Por Pepe Escobar*

Surgiu como uma espécie de escândalo menor - considerando o ciclo de notícias pós-verdade de 24/7. Dos 28 embaixadores da UE em Pequim, 27, com excepção da Hungria, assinaram um relatório interno criticando as Novas Rota da Seda como uma ameaça não transparente ao livre comércio, supostamente favorecendo a concorrência desleal dos conglomerados chineses. 

O relatório foi divulgado no respeitado jornal de negócios alemão Handelsblatt. Diplomatas da UE em Bruxelas confirmaram a sua existência para o Asia Times. Em seguida, o Ministério Negócios Esternos da China acalmou a turbulência, dizendo que Bruxelas havia explicado o motivo. 

Na verdade, é tudo sobre nuances. Qualquer pessoa familiarizada com a forma como a Eurocrata Bruxelas é disfuncional sabe que não existe uma política comum da UE em relação à China - ou à Rússia. 

O relatório interno menciona como a China, por meio da Nova Rota da Seda ou da Iniciativa Cinturão e Estrada (BRI), está a “perseguir objectivos políticos domésticos como a redução da capacidade de excedente, a criação de novos mercados de exportação e a garantia de acesso a matérias-primas”. 

Esta é uma razão chinesa auto-evidente embutida no BRI desde o início - e Pequim nunca negou isso. Afinal, o conceito em si foi divulgado pela primeira vez dentro do Ministério do Comércio, muito antes dos anúncios oficiais do Presidente Xi Jinping em Astana e Jacarta em 2013. 

As percepções do BRI variam entre uma miríade de latitudes. A Europa Central e do Leste é em grande parte entusiasta - já que o BRI é sinónimo de projectos de infra-estruturas extremamente necessárias. Assim é o caso da Grécia e da Itália, como relatou o Asia Times. Os portos do norte, como Hamburgo e Roterdão, são configurados como terminais BRI. A Espanha está muito interessada nos dias em que o comboio de carga de Yiwu para Madri se deslocará sobre os carris de alta velocidade. 

Essencialmente, tudo se resume a empresas de países específicos da UE que decidem o seu grau de integração com o que Raymond Yeung, economista-chefe da ANZ para a China, descreve como "a maior experiência económica da história moderna". 

Veja esses engenheiros chineses 

O caso da França é emblemático. O presidente Emmanuel Macron - agora numa massiva ofensiva geopolítica de RP para se coroar o rei não oficial da Europa - realmente elogiou o BRI quando visitou a China no início deste ano. 

Mas a nuance, mais uma vez, se aplica: “Afinal, as antigas Rota da Seda nunca eram apenas chinesas”, disse Macron em Xian no Palácio Daming, a residência da vigorosa dinastia Tang da Rota da Seda Antiga por mais de dois séculos. “Essas rotas”, acrescentou Macron, “não podem ser as de uma nova hegemonia, que transformaria aquelas que elas cruzam em vassalos”. 

Assim, Macron já se estava a preparar para conduzir as relações entre a UE e a China para além da queixa número um da UE; como os chineses praticam o comércio externo / jogo de investimento. 

Macron tem sido muito perspicaz em estimular a burocracia da Comissão Europeia a endurecer as regras anti-dumping contra as importações chinesas de aço e forçar a triagem em toda a Europa de aquisições em sectores estratégicos, especialmente da China. 

Paralelamente, praticamente todas as nações da UE - não apenas a França - querem mais acesso ao mercado chinês. Por mais que Macron tenha apresentado um mantra optimista - “a Europa está de volta” - em termos de competitividade da UE, que mal mascara o medo europeu primordial; o fato de que é a China que pode estar a ficar muito competitiva. 

O BRI, para Pequim, tem tudo a ver com projecção geopolítica, mas sobretudo geoeconómica - incluindo a promoção de novos padrões e normas globais que podem não ser exactamente os praticados pela UE. E isso nos leva ao cerne da questão, não denunciado pelo relatório interno divulgado; a intersecção entre BRI e Made in China: 2025. 

Pequim tem como objectivo tornar-se um líder global de alta tecnologia em menos de sete anos. Made in China: 2025 identificou 10 sectores - incluindo IA, robótica, aeroespacial, carros ecológicos e transporte marítimo e construção naval - como prioridades. 

O comércio bilateral China-Alemanha, de 187 biliões de euros no ano passado, é muito maior do que a China-França e a China-Reino Unido, com 70 biliões de euros cada. E sim, Berlim está preocupada. Made in China: 2025 representa uma "ameaça" significativa para as empresas alemãs de alta qualidade que produzem bens de fabrico de alta qualidade. 

Esses dias podem acabar quando a China comprou quantidades surpreendentes de máquinas alemãs - além dos inevitáveis ​​BMWs e Audis. O novo normal aponta para um exército de empresas chinesas subindo a cadeia de valor agregado em alta velocidade. 

Thomas Bauer, CEO da Bauer, disse à Reuters: “ (Rivalidade com a China) não será uma disputa contra as copiadoras. Será uma contra engenheiros inovadores ”. 

Navegando pela economia azul 

O relatório Blue China; A navegação pela Rota da Seda Marítima para a Europa expande de maneira útil o amplo debate, apontando como o desenvolvimento da Rota da Seda Marítima pode ser ainda mais crucial do que os corredores de conectividade terrestre. 

O relatório reconhece como a Rota da Seda Marítima já afecta a UE em termos de comércio marítimo e construção naval, e faz algumas perguntas sobre a crescente presença global da Marinha de Libertação Popular. Ele recomenda que a UE “emule a economia azul da China como um motor de crescimento e riqueza, e encoraje a inovação para responder às políticas industriais e de P & D chinesas bem financiadas”. 

A “economia azul” destaca-se fortemente no Made in China: 2025 - especialmente em termos de inovação em infra-estruturas portuárias e transportes marítimos. A lógica, do ponto de vista de Pequim, é sempre sobre o corte de custos no comércio marítimo - mas isso, é claro, sempre dependerá dos preços do petróleo continuarem subindo, como a OPEP e a Rússia estão interessadas. 

Do jeito que está, a burocracia da UE tem que ter medo, sentindo a possibilidade de ser espremida entre a China de alta tecnologia e a America First de Trump. E isso nem leva em conta o inevitável choque geoestratégico entre a BRI e o “Indo-Pacífico livre e aberto” a ser administrado, em teoria, pelos EUA, Japão, Índia e Austrália; mais de uma patrulha glamorosa do Mar da China Meridional do que um vasto projecto de integração económica eurasiana. 

Haverá uma cimeira UE-China em Julho e depois uma cimeira Alemanha-China no final do ano. Faíscas não transparentes são obrigadas a voar.

Asia Times

sexta-feira, 20 de abril de 2018

DEPOIS DO ATAQUE À SÍRIA, OS TAMBORES DE GUERRA DOS EUA TOCAM MAIS FORTE PARA UMA GUERRA MAIS AMPLA

DEPOIS DO ATAQUE À SÍRIA, OS TAMBORES DE GUERRA DOS EUA TOCAM MAIS FORTE PARA UMA GUERRA MAIS AMPLA 
Dispensando o pretexto fraudulento de armas químicas usado para justificar o bombardeamento americano e aliado, Rice aponta para os objectivos de tal intervenção: “Isso permitirá aos Estados Unidos frustrar as ambições iranianas de controlar o território do Iraque, Síria e Líbano; manter a influência nas principais áreas produtoras de petróleo e negar ao Sr. Assad uma parcela substancial do território sírio, aguardando uma solução diplomática.” Essa estratégia está em de acordo com o editorial do Wall Street Journal de 16 de Abril que pede que Trump que estabeleça “zonas seguras” no norte da Síria, tanto no território ocupado pelos EUA a leste do rio Eufrates como na área de fronteira com a Jordânia. Isso, escreve o jornal, "não ameaçaria o controle de Assad sobre o restante da Síria", mas "enviaria um sinal de que os EUA não estão a abandonar a região para o Irão e a para a Rússia". O editorial pede uma "paz baseada na divisão do país em enclaves de base étnica. ” 

Por Will Morrow 

Susan Rice
Após os ataques com mísseis à Síria por parte dos EUA, RU e França no fim-de-semana passada, uma campanha está em desenvolvimento no establishment político e militar / de inteligência norte-americano para uma guerra mais ampla que ameaçaria um conflito nuclear com a Rússia. 

Na terça-feira, legisladores democratas e republicanos atacaram a administração Trump pela natureza “limitada” do ataque e exigiram que a Casa Branca se comprometesse com uma operação militar mais extensa para derrubar o governo de Assad e confrontar o Irão e a Rússia. 

Depois de uma conferência de imprensa particular no Senado dada pelo secretário de Defesa James Mattis e pelo presidente do Joint Chiefs Joseph Dunford, o senador republicano Lindsey Graham disse aos repórteres que o governo não tinha estratégia e parecia disposto a “dar a Síria a Assad, Rússia e Irão”. Ele disse: "Eu acho que Assad, após este ataque, acredita que estamos todos tweetando sem tomarmos nenhuma acção." 

Graham pediu o estabelecimento de uma zona permanente de exclusão aérea sobre partes da Síria, o que inevitavelmente exigiria o abate de caças russos, e o envio de mais tropas dos EUA para as forças aliadas vinculadas à Al Qaeda e ao grupo curdo. Ele declarou que a Rússia e o Irão não deveriam poder continuar "a ganhar o campo de batalha incontestadamente". 

O senador democrata Chris Coons criticou a recente ameaça de Trump de retirar as tropas dos EUA, dizendo aos repórteres: "É importante que permaneça-mos envolvidos na Síria". Ele acrescentou: "Se retirarmos completamente, a nossa influência em qualquer resolução diplomática ou na reconstrução ou qualquer esperança de uma Síria pós-Assad desaparece. ” 

A imprudência da elite governante americana foi expressa numa coluna publicada ontem no New York Times por Susan Rice, que serviu como embaixadora na ONU e em seguida, foi conselheira de segurança nacional sob a administração Obama. 

Na coluna, Rice opõe-se categoricamente a qualquer retirada de tropas americanas. Ela pede que o governo Trump mantenha indefinidamente a sua ocupação de cerca de um terço do território sírio ao longo das fronteiras norte e leste do país com a Turquia e o Iraque - uma região que inclui os recursos petrolíferos do país. Isso está de acordo com os apelos feitos na comunicação social dos EUA com frequência e a abertura cada vez maiores para uma divisão permanente do país. 

Rice escreve que Washington e os seus aliados devem “ajudar a garantir, reconstruir e estabelecer uma governação local efectiva em áreas libertadas”. Estas são palavras-chave para estabelecer o controlo neocolonial sobre o território e usá-lo como base para operações contra o regime de Assad, contra a Rússia e as forças iranianas. 

Dispensando o pretexto fraudulento de armas químicas usado para justificar o bombardeamento americano e aliado, Rice aponta para os objectivos de tal intervenção: “Isso permitirá aos Estados Unidos frustrar as ambições iranianas de controlar o território do Iraque, Síria e Líbano; manter a influência nas principais áreas produtoras de petróleo e negar ao Sr. Assad uma parcela substancial do território sírio, aguardando uma solução diplomática. ” 

Essa estratégia está em de acordo com o editorial do Wall Street Journal de 16 de Abril que pede que Trump que estabeleça “zonas seguras” no norte da Síria, tanto no território ocupado pelos EUA a leste do rio Eufrates como na área de fronteira com a Jordânia. Isso, escreve o jornal, "não ameaçaria o controle de Assad sobre o restante da Síria", mas "enviaria um sinal de que os EUA não estão a abandonar a região para o Irão e a para a Rússia". O editorial pede uma "paz baseada na divisão do país em enclaves de base étnica. ” 

O que está a ser discutido é um permanente desmembramento e reestruturação da Síria e de todo o Médio Oriente, em parte para fornecer ao imperialismo dos EUA uma base de ensaio para os seus preparativos de uma guerra contra o Irão e a Rússia. 

Um comentário de 15 de Abril no Journal por Ryan Crocker, ex-embaixador dos EUA na Síria, e Michael O'Hanlon, membro sénior da Brookings Institution, alinhado com o Partido Democrata, adverte que os futuros ataques aéreos "subirão a fasquia, para ir atrás do comando e controle militar", liderança política e talvez até mesmo do próprio Sr. Assad ... Os objectivos dentro do Irão não devem estar fora dos limites, dependendo da provocação. ” 

Na terça-feira, o Times publicou um relatório baseado em declarações de autoridades anónimas militares e do governo que o secretário de Defesa Mattis havia instado Trump a pedir a aprovação do Congresso para um bombardeamento, mas foi rejeitado pelo presidente. O artigo afirma que “em várias reuniões da Casa Branca na semana passada, ele [Mattis] ressaltou a importância de vincular as operações militares ao apoio público - uma visão que o Sr. Mattis mantém há muito tempo”. 

Num editorial recente, o Times sublinhou igualmente a necessidade do Congresso aprovar legislação autorizando novas operações militares na Síria e em outros lugares. 

Mattis também é amplamente ireferido por ter aconselhado a selecção de alvos sírios de maneira a minimizar a oportunidade de retaliação russa. O que está por trás dessas considerações, tanto militares quanto políticas, é a necessidade de se preparar para uma guerra prolongada e sangrenta que provavelmente envolveria um grande número de tropas americanas e levaria a um conflito militar com a Rússia e / ou o Irão. Isso exigirá uma repressão contra a oposição anti-guerra dentro dos EUA, para a qual uma acção legal de sanções do Congresso é considerada necessária. 

No seu Times op-ed, Rice apela para que os EUA “continuem evitando um conflito directo com a Rússia”, ao mesmo tempo que não se permitia que “a Rússia e o Irão reinem livremente.” Washington deve “fazer recuar com firmeza e de forma inteligente” a Rússia, escreve ela, “seja em relação a armas químicas ou outros ultrajes. ” 

Por outras palavras, a CIA deve continuar a fabricar uma série interminável de provocações e pretextos para justificar o esforço de Washington para remover a Rússia como um obstáculo ao estabelecimento da hegemonia dos EUA no Médio Oriente e em toda a Euroásia. 

Um desses pretextos foi fornecido pela divulgação na segunda-feira de um relatório conjunto entre o governo dos EUA e do Reino Unido que acusa a Rússia de actos vagos de "guerra cibernética" contra o Ocidente. Embora o documento não forneça uma única acusação específica ou peça de evidência contra a Rússia, ele foi amplamente amplificado em toda a comunicação social, num esforço para criar uma atmosfera de histeria nos EUA e legitimar um confronto com Moscovo. 

As redes de televisão a cabo dos Estados Unidos começaram na quarta-feira com mais destaque pelos relatos da morte do jornalista de investigação russo Maksim Borodin, cujas investigações incluíram o contratado militar privado russo Wagner. Borodin caiu de uma varanda do quinto andar em Yekaterinburg no domingo. De maneira típica, antes de qualquer investigação e sem qualquer evidência, a comunicação social está a relatar amplamente a morte de Borordin como a mais recente de uma longa série de assassinatos supostamente ordenados pelo presidente russo Vladimir Putin. 

A intensidade da campanha anti-Rússia cresce em proporção à exposição dos pretextos oficiais para o bombardeamento da Síria como mentiras. Cinco dias após o ataque, nenhuma evidência foi fornecida para substanciar a alegação de que o regime de Assad realizou um ataque com gás na cidade de Douma, no leste de Ghouta, enquanto as evidências continuam a aumentar de que o incidente foi encenado pelas agências de inteligência ocidentais como pretexto fornecido para a intervenção. 

As agências de inteligência foram assistidas por uma comunicação social corrupta e servil. Um estudo divulgado ontem pela Fairness in Accuracy and Reporting, uma agência de vigilância da comunicação social, revela que dos 100 principais jornais dos EUA em circulação, nem um único conselho editorial se opôs ao bombardeio da Síria. 

O papel da comunicação social ocidental como difusora de mentiras do governo foi demonstrado numa entrevista pela britânica Sky News com o ex-general britânico Jonathan Shaw, a 13 de Abril, antes do bombardeamento. Quando Shaw desviou-se do guião e questionou qual o possível motivo que o governo de Assad poderia ter para realizar um ataque com armas químicas, dado que as suas forças estavam prestes a dominar os “rebeldes” apoiados pelos EUA em Douma e um ataque de gás provavelmente desencadearia a intervenção ocidental. A apresentadora Sky, Samantha Washington, interrompeu-o abruptamente no meio da frase e encerrou a entrevista.


















A Sky News interrompe o General Shaw do Reino Unido quando começa a questionar que pretexto teria a Síria para fazer um ataque com gás

wsws.org














O rapaz sírio usado pelos capacetes brancos revela a verdade sobre o "ataque com armas químicas".

quarta-feira, 18 de abril de 2018

O ATAQUE SEM SENTIDO E INÚTIL CONTRA A SÍRIA NÃO RESOLVE NADA

O ATAQUE SEM SENTIDO E INÚTIL CONTRA A SÍRIA NÃO RESOLVE NADA 

O mundo não se apressou em mostrar o seu apoio. O secretário-geral da ONU, António Guterres, não quer uma escalada na Síria. A China opôs-se ao uso da força. A Indonésia expressou preocupação com o ataque não exigido pela ONU. O presidente sérvio Aleksandar Vucic alertou que os ataques poderiam levar a um conflito global. O presidente boliviano Evo Morales classificou a acção de agressão.

Por Alex Gorka*


Antes e depois do ataque
A unidade do Ocidente está a desfazer-se e a liderança mundial dos Estados Unidos está a ser questionada. O alegado "ataque químico" na Síria, mas nunca comprovado, oferece uma oportunidade para se tornar num factor unificador. Ao atacar aquele país, a administração dos EUA perseguiu o objectivo de solidificar a sua imagem como líder mundial número um para liderar outras nações num esforço para enfrentar o "mal". Ela queria mostrar a unidade do Ocidente, reforçar a sua posição no Médio Oriente e aumentar os índices de aprovação do presidente em casa. A Rússia foi retratada como um estado pária apoiando o "animal" Assad e aliado do Irão que representam uma ameaça comum. A missão foi cumprida?

O mundo não se apressou em mostrar o seu apoio. O secretário-geral da ONU, António Guterres, não quer uma escalada na Síria. A China opôs-se ao uso da força. A Indonésia expressou preocupação com o ataque não exigido pela ONU. O presidente sérvio Aleksandar Vucic alertou que os ataques poderiam levar a um conflito global. O presidente boliviano Evo Morales classificou a acção de agressão. 

Formalmente, a OTAN aprovou os ataques, mas houve reservas em relação à posição sobre a Rússia. Por exemplo, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier alertou contra a demonização de Moscovo a 15 de Abril, dizendo que não deveria haver animosidade entre o Ocidente e a Rússia numa situação de crescentes tensões. Ele insiste que o diálogo deve ser mantido. A Alemanha aprovou a operação, mas recusou-se a participar. 

O líder do Partido Trabalhista da oposição britânica, Jeremy Corbyn, criticou o movimento e disse que o Reino Unido aderiu aos ataques sob pressão dos EUA. Apenas um quarto dos britânicos aprovam a participação do Reino Unido na operação. 43% deles desaprovam. 

O presidente francês Macron sofreu críticas da direita e da esquerda pela sua decisão em participar na operação. A Itália recusou-se a permitir que os aliados usassem o seu território para lançar os ataques. O ministro dos Negócios Estrangeiros de Luxemburgo, Jean Asselborn, questionou a legalidade do ataque. O partido SYRIZA, o maior membro da coligação de governo da Grécia, condenou os ataques. Finlândia, Chipre e Suíça expressaram preocupação com o uso da força contra a Síria. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia, Timo Soini, ainda acredita que a paz teria uma oportunidade na Síria se a lei internacional fosse respeitada. 

Não houve apoio unânime ao ataque nos EUA. O movimento sofreu duras críticas dos dois lados do corredor. Por exemplo, o senador Tim Kaine, D-Va., acredita que o ataque lançado sem a aprovação do Congresso é ilegal e imprudente. Esta posição foi apoiada pelo deputado Justin Amash, R-Mich. O senador Tom Udall, D-NM, emitiu uma declaração especial para discordar fortemente da decisão do presidente de usar a força. Ele acha que Donald Trump está perigosamente a agravar a situação agindo sem autoridade legal. A influente Associação de Controle de Armas criticou os ataques como uma acção míope e ilegal, violando a legislação interna e o direito internacional. 

Os maiores países árabes não aprovaram os ataques. O governo iraquiano acredita que ataques marcaram "um desenvolvimento muito perigoso" para dar aos terroristas outra oportunidade para fortalecer as suas posições. O Egipto expressou "profunda preocupação" ao afirmar que os ataques prejudicaram as perspectivas de paz na Síria. Argélia condenou a acção. O Líbano levantou a voz para se opor fortemente ao acto de agressão. 

A operação militar única, em vez de unir o mundo dividiu-o, incluindo o "Ocidente como um todo". O governo britânico não conseguiu reunir o apoio popular. Em vez disso, tornou a sua posição ainda mais fraca do que antes. O apoio da OTAN, assim como da UE, foi principalmente vocal. Apenas três nações participaram da operação. A contribuição da Grã-Bretanha e da França foi muito limitada. A administração dos EUA tem muitas respostas a dar sobre a sua estratégia na Síria. 

A legalidade da acção é universalmente questionada e muitos governos percebem que a lei internacional não protege ninguém dos ataques liderados pelos EUA e leva-os a obter armas para se defenderem. Como mostra a experiência da Síria, a Rússia tem muito a oferecer não apenas como fornecedor de armas, mas também como um pólo alternativo de poder. 

A situação na Síria não mudou. O seu governo mantém a capacidade de continuar a sua ofensiva de sucesso em todas as frentes. Os ataques não diminuíram o apoio inabalável de Moscovo e Teerão a Damasco. O ataque aéreo não conseguiu nada. Isso apenas demonstrou o quão limitada é a capacidade dos EUA de influenciar os eventos na Síria, colocando em causa as suas reivindicações de liderança global.




Analista em defesa e diplomacia

strategic-culture.org

Tradução Paulo Ramires

segunda-feira, 16 de abril de 2018

GENERAL WESLEY CLARK REVELOU PLANOS PARA MUDAR O MÉDIO ORIENTE

GENERAL WESLEY CLARK REVELOU PLANOS PARA MUDAR O MÉDIO ORIENTE

Trump quis sair da síria, mas isso vai contra os plano do deep state no médio oriente

O general norte-americano Wesley Clark afirma que o governo dos EUA planeou derrubar o presidente sírio Bashar al Assad e iniciar a 3ª Guerra Mundial. 

Segundo o general Clark, quando trabalhava no Pentágono, ele viu um memorando que descrevia como os EUA planeavam derrubar sete países em cinco anos, começando pelo Iraque, depois Síria, Líbano, Líbia, Somália, Sudão e finalmente o Irão. 

Ele também afirma que o ISIS foi uma criação do governo Obama, com Hillary Clinton e o Deep State [Estado Profundo] a ajudar a orquestrar falsas acusações na região, todas planeadas para ajudar a justificar uma eventual invasão da Síria. [http://yournewswire.com]




General Wesley Clark






Transcrição: 

Porque eu passei pelo Pentágono logo após o 11 de Setembro. Cerca de dez dias após o 11 de Setembro, passei pelo Pentágono e vi o secretário Rumsfeld e o secretário adjunto Wolfowitz. 

Desci as escadas só para dizer olá a algumas pessoas da equipa do Estado-Maior que costumavam trabalhar para mim, e um dos generais chamou-me. Ele disse: “Senhor, tem que entrar e falar comigo um momento." 

Eu disse: "Bem, você está muito ocupado". Ele disse: "Não, não". Ele diz: "Tomamos a decisão de entrar em guerra com o Iraque". Setembro. 

Eu disse: “Estamos a ir para a guerra com o Iraque? Por quê? ”Ele disse:“ Eu não sei ”. Ele disse:“ Eu acho que eles não sabem mais o que fazer. ”Então eu disse:“ Bem, eles encontraram alguma informação ligando Saddam à Al-Qaeda? "Ele disse:" Não, não. "Ele diz:" Não há nada de novo assim. Eles acabaram de tomar a decisão de entrar em guerra com o Iraque. 

Ele disse: "Eu acho que é como se não soubéssemos o que fazer com terroristas, mas temos um bom exército e podemos derrubar governos". E ele disse: "Eu acho que se a única ferramenta que você tem é um martelo, todos os problemas tem que se parecer com um prego. ” 

Então voltei para vê-lo algumas semanas depois, e nessa época estávamos a bombardear o Afeganistão. Eu disse: "Ainda vamos para a guerra com o Iraque?" E ele disse: "Ah, é pior do que isso." 

Ele estendeu a mão sobre a mesa. Ele pegou num pedaço de papel. E ele disse: "Acabei de receber isso do andar de cima" - ou seja, o escritório do Secretário de Defesa - "hoje". E ele disse: "Este é um memorando que descreve como vamos tirar sete países em cinco anos, Começando com o Iraque, e depois a Síria, o Líbano, a Líbia, a Somália, o Sudão e, terminando, com o Irão. ” 

Eu disse: "É classificado?" Ele disse: "Sim, senhor." Eu disse: "Bem, não me mostre." E eu o vi um ano ou mais atrás, e eu disse: "Você lembra-se disso” Ele disse: “Senhor, eu não lhe mostrei esse memorando! Eu não lhe mostrei!

domingo, 15 de abril de 2018

SÍRIA: ABRINDO OS OLHOS PARA O PROBLEMA

SÍRIA: ABRINDO OS OLHOS PARA O PROBLEMA


Richard Westra* 

Não pode ser real, ou pode? Ninguém se lembra do Dossiê Britânico sobre o Iraque plagiado de uma tese de doutorado dos EUA? E o então secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, fazendo uma apresentação fabricada nas Nações Unidas sobre o caso de atacar ilegalmente o Iraque por causa das suas supostas armas de destruição em massa? Quinze anos depois, o Iraque, outrora uma economia de rendimentos médios funcional e relativamente bem-sucedida, é agora uma terra devastada do século XXI. 

Bem, aqui estamos outra vez. Mas pode-se perguntar porquê agora? Bem, a atenção do mundo foi recentemente afastada de um estado pária, Israel, largando os seus militares equipados pelos EUA para fazerem concursos de tiros atingindo mulheres e crianças palestinas desarmadas protestando contra o seu bloqueio na prisão gigante ao ar livre conhecida como Faixa de Gaza. Então, enquanto o presidente Trump tentava voltar à sua agenda perdida da “América Primeiro”[ lost “America First”], proclamando uma saída para o envolvimento dos EUA na Síria, adivinhe o que surge? Um primeiro-ministro pró-guerra israelita, Benjamin “Bibi” Netanyahu, segredando zangado ao ouvido de Trump, Israel primeiro! 

Da sua parte, um tanto irónico, como tem tentado levar os poderosos sindicatos franceses à tona com a bandeira da prudência fiscal, o presidente francês Emmanuel Macron está agora disposto a desperdiçar os recursos dos seus cidadãos atirando misseis sobre a Síria. 

Não vamos esquecer a primeira-ministra britânica Elizabeth May. Antes que uma pequena evidencia de prova chegasse, May e o seu cómico secretário de estado, Boris Johnson, desentenderam-se sobre um alegado ataque de um agente neurotóxico mortal contra o ex-espião Sergei Skripal e a sua filha Yulia, por quem, claro, quem mais, o arqui-vilão Rússia. No entanto, sobrecarregada pelo fiasco Brexit, enfrentando um declínio da popularidade em casa e, com o Skripal agora a recuperar-se do suposto plano de assassinato diabólico mostrando-se como um açaime quase amador, por que não bombardear a Síria! 

Parece perdido num mundo tão facilmente manipulado pelos principais líderes da comunicação social mainstream que mesmo se, e isso realmente é um grande se, armas químicas foram usadas na Síria há vários dias, o governo de Bashar al-Assad é o culpado. Pense nisso. Finalmente, depois de mais de meia década de mortes e destruição, a quantidade heterogénea de grupos jihadistas armados e financiados pelos Estados Unidos e pelos seus aliados executavam uma desesperada e última resistência na região leste de Ghouta. 

De facto, a maioria dos grupos, excepto os terroristas da internacional Frente Nusra, já haviam retirado. Isto significa que, se se acredita em relatos do uso de armas químicas, estes foram perpetuados pelas forças de Assad sobre o seu próprio povo recentemente libertado do jugo dos jihadistas, que agora são vistos a agitarem bandeiras sírias nas ruas. Ou, tal uso teria ocorrido na última área controlada pela Frente Nusra das decapitações, das mulheres apedrejadas. 

No entanto as coisas não param por aí. O que não é totalmente compreendido pela maioria de nós, a assistir a este teatro do absurdo diante dos nossos olhos, é que na verdade há uma outra guerra a acontecer na Síria, além daquela vista sob a rubrica de uma guerra civil síria entre Assad e uma “oposição” apoiado pelas potências ocidentais. Outra guerra de influência entre os islamitas que põem em prática o wahabismo da Arábia Saudita e o salafismo do Qatar, que, apesar de defenderem em grande parte as decapitações, o apedrejamento e lapidação das mulheres, jogam com os seus patrocinadores estatais. Interessado? E de repente, a Arábia Saudita e um grupo fechado de aliados bloqueiam o Qatar alegando que o Qatar está a apoiar terroristas? Lembra-se disso. Agora que todos os seus representantes jihadistas são desalojados dos subúrbios de Damasco, não se surpreenda ao ver um "acordo" a ser acertado para acabar com esse bloqueio. 

A parte mais triste de toda esta história é que a Síria, juntamente com o Iraque e a Líbia, eram estados-clientes soviéticos que eram ferozmente seculares e absorveram modelos económicos com orientações económicas endógenas. Esse modelo de desenvolvimento voltado para dentro garantiu que os seus cidadãos fossem saudáveis ​​e educados, e cada economia estava provida com uma infra-estrutura sólida para fornecer serviços essenciais como a água, a electricidade ou o transporte. A Líbia, como é bem sabido, era a economia mais rica do continente africano sob a tutela de Muammar Kaddafi. O actual colapso da economia da Síria é pior do que o sofrido pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. E todos esses estados seculares foram fortes defensores da Palestina contra a ocupação israelita e o apartheid. 

Quando é que os cidadãos das supostas democracias em todo o mundo, com a sua ostensiva liberdade de imprensa, começam a ligar os pontos? Ou será que vão todos fica encantados com apenas banalidades e falsidades que são entregues pelos seus governos justificando, porém outra violação do que resta do direito internacional? 


Richard Westra é Professor Designado na Escola de Graduação em Direito da Universidade de Nagoya, no Japão.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

COMPREENDER A GUERRA NA SÍRIA E O MÉDIO ORIENTE

COMPREENDER A GUERRA NA SÍRIA E O MÉDIO ORIENTE 

"Quando eu regressei ao Pentágono em Novembro de 2001, um oficial sénior do staff militar, teve tempo para falar. Sim, estamos a caminho para ir contra o Iraque, disse ele. Mas havia mais. Isto tinha sido discutido como parte de um plano de uma campanha de cinco anos, disse ele, e eram um total de sete países, começando pelo Iraque, então Síria, Líbano, Líbia, Irão, Somália e Sudão. ... ele disse isto com descrédito - com quase descrença - num suspiro de uma visão. Afastei-me da conversa, por isto ser algo que não me agradaria ouvir. E isto não era algo que eu queria que também fosse para a frente ...Deixei o Pentágono naquela tarde profundamente perturbado." - "Vencendo Guerras Modernas", General Wesley Clark.

Por Paulo Ramires,

O Médio Oriente caracteriza-se por um xadrez geopolítico que assume níveis de alguma complexidade, muito pela razão de nesta região estarem alicerçados os interesses geoestratégicos de vários países regionais e mundiais como a Rússia e os EUA, mas também de vária multinacional de energia, armamento entre outras. Estes interesses chocam-se e cruzam-se provocando, tensões e conflitos ampliados pelas próprias características étnico-religiosas da população do Médio Oriente, escassez de recursos naturais e o predomínio de uma considerável riqueza em hidrocarbonetos como o petróleo e o gás natural. 

Os actores do Médio Oriente 

Ramos religiosos do Médio Oriente

Alguns destes conflitos têm origem na eterna disputa pela terra, água e gás natural entre Israel e Palestinianos, disputas pela influência regional entre a Arabia Saudita e Irão no Iémen que têm dado origem a uma guerra entre a Arábia Saudita e o Iémen. O Iémen está dividido em grupos étnicos, políticos e religiosos, e onde grupos terroristas como a al-Qaeda disputam território. Os Hutis de maioria xiita e apoiados pelo Irão chegaram ao poder num golpe de estado em 2014 onde uma nova guerra civil surgiu como resultado e com o envolvimento da Arábia Saudita a apoiar o governo de Hadi que voltou ao poder em 2017. O Irão e a Arábia Saudita têm disputado a influência no Iémen apesar de ser um dos países mais pobres do mundo e sem recursos naturais. Há ainda o conflito entre Israel e o Líbano, em particular com o Hezbollah, movimento politico, militar, social e religioso xiita que nestes últimos anos tem ganhado influência no Médio Oriente e em diferentes conflitos, recebendo sempre o apoio do Irão, na verdade o Hezbollah apesar de ser um movimento libanês é influenciado politicamente e religiosamente pelo Irão e isso reflecte-se também nas opções militares que um concelho supremo toma, o Hezbollah tem ainda relações com outros países de fora do Médio Oriente, nomeadamente com países da américa latina contrários à expansão dos EUA e com o Hamas onde o apoia na luta com Israel. A síria é governada por um governo de influência alauita e cujo presidente é Bashar Hafez al-Assad que beneficia do apoio do Irão xiita, Rússia e Hezbollah, este grupo de países rivaliza com uma aliança de países liderados pelos EUA, França, RU, Arábia Saudita e outros países como o Qatar ou Emirados Árabes Unidos. A Turquia porém tem uma posição ambígua em termos de alianças, por exemplo a Turquia é o segundo maior país da OTAN fazendo parte deste bloco, mas recentemente tem alinhado com a Rússia e o Irão numa posição também paradigmática, este país liderado por Recep Tayyip Erdoğan tem vários interesses variáveis no Médio Oriente onde combate os curdos do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) e os do YPG (Unidades de Protecção do Povo) que por seu lado são aliados dos americanos no controlo da região norte da Síria junto à fronteira com a Turquia, a Turquia têm assim divergência geoestratégicas com os EUA suficientes para que não hesite em fazer parceria com a Rússia de Putin e o Irão de Ali Khamenei. A Turquia deseja expandir a sua influência, mas para isso tem de afastar os curdos da região da Síria que são independentes e desejam restabelecer o estado curdo que foi integrado em 1923, com o Tratado de Lausana, no Iraque, Síria e uma outra parte - o Curdistão - na Turquia e no Irão. O Iraque tem tolerado a influência do Irão e de certa forma alinhado com o Irão no combate de diversos objectivos estratégicos nomeadamente o combate ao IE (Estado Islâmico) ou a al-Qaeda. 

O plano de Washington para o Médio Oriente 


Mas quais as razões destes dois blocos de países aliados se confrontarem permanentemente? As razões são variadas, mas as principais são o controlo pelos hidrocarbonetos (gás natural e petróleo), água, terra e influência geopolítica na região, isto para não falar das multinacionais, elas próprias com uma agenda com um poder suficiente para influenciar governos. Estes são alguns actores do conturbado puzzle que é o Médio Oriente. 

Após a queda da União Soviética, os EUA tentaram controlar todo o Médio Oriente definindo um plano em que consistia mudar regimes e governos que não alinhassem com os interesses de Washington em redefinir fronteiras, os primeiros países a serem alvos destas alterações eram sete ‒ Iraque, Síria, Líbano, Líbia, Irão, Somália e Sudão. 

O que estamos a assistir actualmente no Médio Oriente faz parte deste plano que ao longo destas décadas tem vindo a ser negociado entre todos os actores que nele participam, mas os planos de Washington para implementar este mapa têm vindo a ser gorados pelo surgimento de uma Rússia militarmente e diplomaticamente forte e de um Irão que se tem destacado e surgido como um dos principais actores do Médio Oriente e que obviamente não aceita tais planos de Washington. 

O conflito da Síria 

Áreas de influência na Síria

O Golfo Pérsico é rico em depósitos de Gás natural, um destes depósitos é dividido entre o Irão Xiita e o Qatar sunita, sendo uma destas metades ‒ o North Dome ‒ situada em águas marítimas do Qatar e a outra metade ‒ o South Pars situado em águas marítimas do Irão. Ambos estes países têm natural interesse em explorar e exportar este gás para a Europa, um dos grandes consumidores de gás natural. 

Em 2009 com o objectivo de exportar o seu gás, o Qatar, aliado da Arábia Saudita e dos EUA propõe ao presidente Bashar al-Assad a construção do gasoduto Qatar-Síria que seguiria através da Turquia para a União Europeia. Mas Assad toma a decisão de rejeitar a proposta. Para Assad e para a Síria as relações com a Rússia e a Gazprom são preferenciais por não colocarem a soberania da Síria em causa ou a economia que Assad insiste que deve ficar sobre controlo do governo sírio bem como o Banco Central da Síria. 

A Junho de 2011, o Irão avança com uma proposta para a construção do gasoduto Irão-Iraque-Síria com 1500 quilómetros e que começa no porto de Asaluyeh e estende-se até Damasco na Síria, seguindo depois para o Líbano, e continuando em direcção à Europa atravessando a Turquia que desempenha um papel importante na comunicação entre a Europa e o Médio Oriente, este gasoduto foi chamado de “Islamic Pipeline” [Pipeline Islâmico] e resultou num acordo estratégico entre estes países e a Rússia. 

Este acordo seria um revês importante para o Qatar e os seus parceiros estratégicos na região e no Ocidente. Para sabotar este acordo, o Qatar, a Arabia Saudita, os EUA e a França criaram um plano para a criação de grupos terroristas na Síria e no Iraque como o ISIS (Estado Islâmico do Iraque e al-Sham) ‒ mais tarde apenas Estado Islamico ‒, o Exercito Livre da Síria (FSA), a al-Qaeda, a Frente al-Nusra, a Jabhat Fatah al-Sham (afiliado da al-Qaeda), Ahrar al-Sham (grupo islamita e salafista), Asala Wa-al-Tanmiya, Legião Sham, Ajnad al-Sham, Islamic Union, Jaysh al-Islam, Jaish al-Fatah entre muitos outros. Estes grupos transformaram-se nos próxies de vários países aliados do bloco liderado pelos EUA, mas cada um com objectivos tão distintos como a criação de estados islâmicos na Síria e no Iraque, independentistas ou com o objectivo de derrubar Bashar al-Assad. 

Porém estes grupos não conseguiram nenhum destes objectivos de forma permanente, devido às forças de inteligência e militares da Rússia e do Irão a que se juntou depois as do Hezbollah do Líbano, mas sobretudo com a intervenção militar da Rússia na Síria a pedido de Bashar al-Assad. Com os próxies do Ocidente, Israel, Qatar e Arábia Saudita derrotados, não resta outra solução que não seja a intervenção militar directa destes países na Síria de Bashar al-Assad com os EUA na liderança. Mas este bloco de países nomeadamente os EUA têm um problema complexo que tem de ser contornado. Ninguém, nem mesmo os EUA estão interessados em confrontar a Rússia, tal confrontação entre dois blocos antagónicos envolvendo a Rússia e os EUA levaria quase certamente à III Guerra Mundial que extravasaria o próprio Médio Oriente e faria frentes de combate na Europa e no Mar do Sul da China. Não obstante a posição moderada da China, é importante não esquecer, que China e Rússia fazem parte da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), uma aliança que tem como objectivo principal a cooperação para a segurança - nomeadamente, quanto a terrorismo, separatismo e extremismo e que o Irão é membro observador. Sabendo disto, a diplomacia entre estes dois blocos de países procuram evitar a todo o custo, uma confrontação militar directa entre si. Tem assim havido um planeamento intenso trabalhado pela diplomacia destes países para que todos estes interesses se possam encaixar de forma a que se evite uma guerra directa na Síria entre estes países. 

Bases militares na Síria a 11 de Abril de 2017

Todavia o presidente da América deu um passo perigoso ao preparar uma força naval americana conjuntamente com o RU e França para atacar a Síria, um passo que se for em frente ‒ e pelos vistos vai, pois será muito difícil fazer recuar estes dispositivos militares já em movimentação operacional ‒ violará o Direito Internacional e pode provocar consequências imprevisíveis, a não ser que haja provas evidentes confirmadas por entidades adequadas internacionais ‒ e não pelos próprios países ‒ de que o ataque ocorrido na Síria foi um ataque químico, e neste caso o Conselho de Segurança das Nações Unidas teria de tomar uma decisão.

O alegado ataque químico na Síria

Há muito em jogo, as autoridades sírias estão numa posição vencedora e sabem perfeitamente que se usarem armas químicas passariam de uma posição vencedora para uma posição perdedora, assim porque razão usariam armas químicas contra o seu próprio povo que ainda por cima acolheu feliz as forças militares de Assad quando entraram em Douma ou em Ghouta? Não faz sentido pois não? Por outro lado a coligação liderada pelos EUA têm a necessidade de um pretexto para que possam invadir a Síria dentro de um quadro legal e não à margem do Direito Internacional, o que seria bastante grave. Assim se pode perceber a quem interessa que as armas químicas possam ser usadas. Não é assim?


quinta-feira, 12 de abril de 2018

ADVOGADOS INTERNACIONAIS: ATAQUE CONTRA A SÍRIA SERIA ILEGAL

ADVOGADOS INTERNACIONAIS: ATAQUE CONTRA A SÍRIA SERIA ILEGAL 


Nesta declaração divulgada na quarta-feira, um grupo de especialistas em direito internacional adverte que um ataque militar dos EUA contra a Síria seria ilegal, se não em legítima defesa ou com autorização do Conselho de Segurança da ONU. 

Somos profissionais e professores do direito internacional. Sob o direito internacional, ataques militares dos Estados Unidos da América e dos seus aliados contra a República Árabe da Síria, a menos que sejam conduzidos em legítima defesa ou com a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, são ilegais e constituem actos de agressão. 

A morte ilegal de qualquer ser humano sem justificativa legal, sob todos os sistemas legais, é um assassinato. E um acto de violência cometido por um governo contra outro governo, sem justificativa legal, equivale ao crime de agressão: o crime internacional supremo que acarreta o mal de todos os outros crimes internacionais, como observado pelo Tribunal Militar Internacional de Nuremberg em 1946. 

O uso da força militar por um Estado pode ser usado em autodefesa após um ataque armado de outro Estado, ou com a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas. De momento, nenhum caso se aplicaria a um ataque dos EUA contra a Síria. 

Nós entendemos o desejo de agir para proteger civis inocentes. Condenamos firmemente toda e qualquer violência contra civis, sejam quais forem os perpetradores. Mas responder à violência ilegal com mais violência ilegal, contornando os mecanismos legais existentes, é um caminho para um mundo sem lei. É uma estrada que leva ao inferno. 

Assim, instamos os Estados Unidos e os seus aliados a se absterem de condutas ilegais contra a Síria. Devemos salientar que, nos últimos anos, como é do conhecimento geral, os Estados Unidos têm rebeldes / insurgentes armados para derrubar o actual governo da Síria. Isso é ilegal sob a lei internacional. 

Em 1986, no caso da Nicarágua, o Tribunal Internacional de Justiça repreendeu os Estados Unidos por armarem e apoiarem contra- milícias e combatentes, e por minarem os portos da Nicarágua, como actos que violavam a Carta da ONU e o direito internacional. Talvez a crise síria, hoje parecesse diferente se os Estados Unidos e os seus aliados tivessem respeitado a lei nos últimos anos. Eles não têm respeitado. 

Nós esforçamo-nos para notar o que deveria ser óbvio: a nossa exigência de que os Estados Unidos e os seus aliados imediatamente se comportam de acordo com as suas obrigações legais internacionais não é uma justificativa, desculpa ou algum tipo de passe livre sobre a investigação e responsabilidade pelas violações legais internacionais cometidas por outros actores que podem estar envolvidos neste triste caso. Mas o nosso ponto de vista é simples: a única maneira de resolver a crise síria é através de compromissos de princípios bem estabelecidos das normas legais internacionais. 

Pedimos aos Estados Unidos que respeitem o seu compromisso com o Estado de Direito Internacional e busquem resolver as suas disputas por meios pacíficos. Esses meios incluem o recurso ao uso de instituições estabelecidas e legítimas destinadas a manter a paz e a segurança internacional, como o Conselho de Segurança da ONU ou o Tribunal Internacional de Justiça. A acção unilateral é um sinal de fraqueza; o recurso à lei é um sinal de força. Os Estados Unidos devem voltar atrás em se tornarem o mesmo monstro que agora procura destruir. 



Inder Comar, diretor executivo da Just Atonement Inc. 


Dr. Ryan Alford, Professor Associado da Faculdade de Direito Bora Laskin da Universidade de Lakehead 


Marjorie Cohn, Professora Emerita, Escola de Direito Thomas Jefferson 


Jeanne Mirer, Presidente da Associação Internacional de Advogados Democratas 


Dr. Curtis FJ Doebbler, professor investigador de direito da Universidade de Makeni, representante da ONU em International-Lawyers.org 


Abdeen Jabara, Advogado de Direitos Civis e Co-Fundador do Comité Americano Anti-Discriminação 


Ramsey Clark, 66 th Procurador-Geral dos Estados Unidos

quarta-feira, 11 de abril de 2018

EUA LANÇARÃO UMA OPERAÇÃO SUSTENTADA NA SÍRIA


EUA LANÇARÃO UMA OPERAÇÃO SUSTENTADA NA SÍRIA 


E agora sobre os contras. Depois dos fracassos no Iraque, no Afeganistão, na Líbia, conte-os, os EUA voltariam a ficar amarrados na situação confusa da região. Pode precisar ir além das fronteiras da Síria. Por exemplo, a coligação liderada pelos EUA teria que atacar o Hezbollah no Líbano. Há uma grande possibilidade de os EUA e os seus aliados se envolverem numa outra guerra sangrenta prolongada sem uma vitória final à vista.

Por Arkady Savitsky*

O grupo do porta-avião USS Harry S. Truman de ataque juntamente com
outros sete navios de guerra partirá dos EUA para se estacionar no Médio 

Oriente e Europa, de acordo com uma declaração oficial na terça-feira.
Os acontecimentos na Síria tendem a transformar-se num conflito regional. O USS Donald Cook, já estacionado no Mediterrâneo, pode lançar um ataque limitado de mísseis contra a Síria, mas é improvável que uma operação em grande escala seja lançada até que o CSG (grupo do porta-aviões) do USS Harry S. Truman chegue em apenas 10 a 14 dias. O CSG deixou a base em Norfolk a 11 de Abril. O USS Porter, com capacidade de ataque à terra, pode chegar à costa da Síria em breve. O USS Laboon e o USS Carney , mais dois destroyers da classe Arleigh Burke, bem como os submarinos USS Georgia e USS John Warner , estão próximos para adicionar mais poder se for dada uma ordem para atacar. 

A composição do grupo do porta-aviões inclui pelo menos cinco navios de guerra (um cruzador e 4 contratorpedeiros) capazes de realizar ataques de mísseis contra alvos terrestres. Cada destroier ou cruzador dos EUA pode transportar mais de 50 mísseis de ataque terrestre. Poderia ser mais, dependendo da missão. O USS Georgia é um submarino de classe de Ohio (SSGN) e pode transportar 154 mísseis de ataque terrestre. O USS John Warner é um submarino da classe Virginia e pode levar 12 Tomahawks. O grupo de ataque anfíbio USS Iwo Jima pode ser enviado para a Síria em poucos dias no Mar da Arábia. 

O Reino Unido, a França, talvez alguns outros aliados da OTAN e do Médio Oriente, incluindo Israel , participarão de uma operação liderada pelos EUA na Síria. A Força Aérea Britânica pode operar a partir de Chipre. Um petroleiro RAF KC2 já está lá. As conversações entre os EUA, o Reino Unido e a França estão em andamento. As forças armadas sírias estão a tomar medidas preventivas esperando ataques a qualquer momento. 

A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Hailey, deu a entender que uma operação sustentada, e não um ataque único, é o acordo feito. A enviada diz que a América vai atacar com ou sem uma resolução da ONU. As vozes ouvidas pedem um ataque aos locais de comando e controle da Síria, bem como aos "centros políticos do regime", apesar do facto de que os conselheiros russos poderem estar lá. Isso é algo que os militares dos EUA não fizeram antes. 

Uma proposta para invocar o Artigo 5 do Tratado de Washington para conter Moscovo sem acções militares foi avançada. Sem guerra real, mas a Rússia será considerada um inimigo. As advertências de John Bolton de que uma saída do estado Islâmico permitiria que o presidente sírio Assad permanecesse no poder, com a influência iraniana intacta no Iraque são lembradas para reforçar os pedidos de acção. Em 2015, o recém-nomeado conselheiro de segurança nacional pediu a criação de um estado muçulmano sunita independente no nordeste da Síria e no oeste do Iraque. Agora há uma oportunidade para isso. 

Uma operação multinacional liderada pelos EUA na Síria tornou-se numa ideia predominante em Washington. A 10 de Abril, o presidente Trump adiou a sua visita à América Latina por causa dos acontecimentos na Síria. Pode-se supor que a provocação em Douma foi encenada para fazer o presidente Trump reconsiderar a decisão de enviar forças a favor do confronto com a Rússia, a Síria e o Irão. Aqueles que o fizeram esperavam que o presidente dos EUA mordesse o isco. E ele mordeu mesmo. 

Não há como se livrar de Assad, a não ser que se lance uma invasão internacional. A posição global de Washington recebeu um forte golpe após as operações pouco impressionantes no Iraque e no Afeganistão. Uma intervenção liderada pelos EUA poderia impulsioná-lo se fosse um sucesso. A América apresentaria-se como defensora dos sírios que sofrem com as “atrocidades da ditadura de Assad”. Encabeçar uma coligação internacional ajudaria a restaurar a imagem da América como líder mundial. Esta é a maneira de tornar Washington um amigo dos muçulmanos sunitas que supostamente precisam de protecção de Teerão. 

Invadir a Síria é o caminho para enfraquecer a influência do Irão no Iraque. Tal operação atenderia aos objectivos da política de contenção da Rússia. Uma intervenção poderia unir a força liderada pelos EUA e a Turquia no seu desejo de expulsar Assad. Isso afastaria Ancara de Moscovo, o que não deixaria o seu aliado sírio em apuros. Do ponto de vista de Washington, estes são os pros para reforçar o plano de invadir. 

E agora sobre os contras. Depois dos fracassos no Iraque, no Afeganistão, na Líbia, conte-os, os EUA voltariam a ficar amarrados na situação confusa da região. Pode precisar ir além das fronteiras da Síria. Por exemplo, a coligação liderada pelos EUA teria que atacar o Hezbollah no Líbano. Há uma grande possibilidade de os EUA e os seus aliados se envolverem numa outra guerra sangrenta prolongada sem uma vitória final à vista. 

Suponha que a intervenção termine como uma operação rápida e vitoriosa em termos puramente militares, e sobre as perspectivas de ganhar a guerra para perder a paz, como no Iraque? Washington será responsável pelo resultado da construção da nação num país dividido por linhas religiosas e étnicas. Os EUA serão repreendidos pelo fracasso e acusados ​​de privar a Síria da oportunidade proporcionada pelo processo de paz de Astana. Invadir a Síria significa lutar contra os iranianos. O objectivo de Washington é incitá-los à rebelião. Uma invasão da Síria poderia fazer com que todos os iranianos se unissem por trás do regime dos aiatolas. 

Finalmente, invadir a Síria é um grande risco, pois a Rússia não ficaria de braços cruzados se as vidas de seus militares estiverem ameaçadas. A possibilidade de choque aumentará imensamente. Mas se a coligação dos EUA aplicar esforços de conflito, não haverá confinamento. Pelo contrário, o mundo verá que Moscovo não pode ser ignorada. Não é agora. Apesar de todas as tensões azedarem, o Chefe do Estado-Maior da Rússia vai encontrar-se com o Comandante Supremo da NATO dentro de alguns dias. Sem dúvida, eles discutirão a Síria. 

Se o Irão se unir e for mais forte, a Rússia continuar a ser um actor a ser enfrentado, a construção da nação fracassará e Assad continuará a lutar para fazer a coligação sofrer baixas, então haverá apenas contras sem prós. E isso acontecerá no contexto de fracassos no Iraque e no Afeganistão. 

Os riscos são grandes demais para fazer a pergunta - porque os EUA deveriam se envolver no conflito distante da Síria? A imaginação não poderia ser considerada uma medida para melhorar a segurança dos EUA e do Ocidente e atingir as metas da política “América Primeiro”. 






Arkady Savitsky é um analista militar baseado em São Petersburgo, na Rússia.
strategic-culture.org


Tradução Paulo Ramires

TRUMP PREPARA-SE PARA ATACAR A SÍRIA

TRUMP PREPARA-SE PARA ATACAR A SÍRIA 
Porta-aviões Harry S. Truman (HSTCSG)

Movimentos recentes indicam que Trump está a prepara-se para tomar uma acção militar contra Assad. 

Por Dave Majumdar* 


destroier de mísseis guiados da classe
 Arleigh Burke, USS Donald Cook (DDG-75)
Os Estados Unidos, juntamente com a França e a Grã-Bretanha, estão a considerar lançar um ataque militar contra o governo sírio por um suposto ataque de armas químicas contra a cidade de Douma. 

Os três governos prometeram retaliar o ataque químico contra os rebeldes sírios, apesar do facto de que é altamente improvável que o Conselho de Segurança da ONU sancione tal operação. É quase certo que a Rússia vete qualquer resolução que autorize a acção militar. Entretanto, os Estados Unidos e a Rússia votaram contra as resoluções do Conselho de Segurança de cada um sobre o estabelecimento de investigações sobre os ataques com armas químicas na Síria. A Rússia também propôs uma segunda resolução ao Conselho de Segurança pedindo que a Organização para a Proibição de Armas Químicas enviasse investigadores à Douma - que também foi vetada. 

Tensão no Conselho de Segurança da ONU 

“Independentemente do resultado da sessão de votação de hoje do CSNU queremos lembrar que ontem a Rússia e a Síria propuseram enviar imediatamente inspectores da OPAQ/OPCW ao suposto local do ataque com AQ em Ghouta oriental”, afirmou num tweet Dmitry Polyanskiy, primeiro representante permanente adjunto da Rússia na ONU. "EUA, Reino Unido e França podem provar que querem apurar a verdade apoiando este movimento." 

Ficou claro na conferência de imprensa que o Conselho de Segurança da ONU não adoptaria a resolução russa, e parece que a administração Trump está fortemente inclinada para aopção militar em conjunto com a França e a Grã-Bretanha em qualquer caso. De fato, o embaixador dos EUA na ONU, Nikki Haley, indicou que os Estados Unidos reagiriam aos ataques químicos na Síria - independentemente do que acontecesse no Conselho de Segurança. 

"A história registrará isso como o momento em que o Conselho de Segurança cumpriu o seu dever ou demonstrou a sua total e completa falha em proteger o povo da Síria", disse Haley ao Conselho de Segurança da ONU. "De qualquer forma, os Estados Unidos vão responder." 

Trump avança com acção militar 

Haley não especificou como os Estados Unidos responderiam exactamente, mas a retórica do presidente Trump indica que Washington está a considerar fortemente uma opção militar. Além disso, o presidente cancelou uma longa viagem planeada para a América do Sul para lidar com a situação na Síria. 

"Estamos a tomar uma decisão sobre o que faremos em relação ao horrível ataque que foi feito perto de Damasco", disse Trump durante uma reunião com altos líderes militares dos EUA a 9 de Abril. " E será aplicada, e será aplicada com força. E quando, eu não vou dizer, porque eu não gosto de falar sobre o timing. 

Trump reiterou que os Estados Unidos têm muitas opções militares para atacar o regime de Assad. Ele também sugeriu que o povo americano só descobriria o ataque contra a Síria depois que os Estados Unidos agirem. "Temos muitas opções, militarmente", disse Trump. "E nós vamos deixa-los saber muito em breve. Provavelmente depois do facto. 

Trump também disse que os Estados Unidos estão a chegar mais perto de aprender definitivamente qual grupo é o responsável pelo ataque de armas químicas. "Estamos a ficar claros sobre isso - quem foi responsável pelo ataque de armas", disse Trump. “Estamos a obter uma clareza muito boa, na verdade. Nós temos algumas boas respostas. 

França e Grã-Bretanha entram no combate 

Embora os Estados Unidos tenham a capacidade de agir sozinhos, os franceses e os britânicos provavelmente unir-se-ão a Washington na condução de um ataque à Síria. Se o ataque químico em Douma for confirmado, os ingleses e franceses prometeram tomar uma acção coordenada com os Estados Unidos. "Devemos nos posicionar contra o uso de armas químicas na Síria", disse a primeira-ministra britânica Theresa May numa conferência de imprensa colectiva na Suécia a 9 de Maio. 

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o seu país tomará a decisão de atacar a Síria em coordenação com a Grã-Bretanha e os Estados Unidos numa questão de dias. “O terceiro elemento são as linhas vermelhas definidas pela França. Essas linhas vermelhas, que são partilhadas por outras potências, não têm nada a ver com as discussões que ocorrem no Conselho de Segurança da ONU”, disse Macron ao lado do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, segundo a Reuters. “Neste contexto, continuaremos a troca de informações técnicas e estratégicas com os nossos parceiros, em particular a Grã-Bretanha e a América, e nos próximos dias anunciaremos a nossa decisão”. 

Rússia reitera os seus avisos 

A Rússia, que insiste que o suposto ataque de armas químicas é uma farsa, está a reiterar as suas advertências anteriores de que não vai ficar de braços cruzados se suas forças na Síria forem atacadas intencionalmente ou não. "A Rússia advertiu os representantes dos EUA, tanto publicamente como por canais correspondentes, inclusive militares, sobre sérias consequências que poderiam seguir possíveis ataques [na Síria], se os cidadãos russos forem feridos em tais ataques, acidentalmente ou não", afirmou o representante permanente da Rússia na União Europeia Vladimir Chizhov disse de acordo com a agência estatal de notícias TASS. 

Tensões Altas 

Entretanto, as tensões na região estão a aquecer. As forças russas têm interceptado sinais de aeronaves não tripuladas dos EUA nas últimas semanas. Além disso, a Reuters informou que um avião de guerra russo totalmente armado sobrevoou a fragata francesa Aquitaine. Há também rumores não confirmados de que algumas forças russas foram colocadas em alerta máximo em antecipação a um ataque dos EUA. 

Entrtanto, os Estados Unidos transferiram o destroier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, USS Donald Cook (DDG-75) - armado com mísseis de cruzeiro Tomahawk - para o Mediterrâneo Oriental, para o que poderia ser preparativos para um ataque. Além disso, o Grupo de Ataque do Porta-aviões Harry S. Truman (HSTCSG) partirá de Norfolk na manhã de 11 de Abril, para um desdobramento programado que levará esses navios ao Médio Oriente.




Dave Majumdar é o editor de defesa do The National Interest. 
http://nationalinterest.org/feature/heres-how-trump-could-strike-syria-25310?page=2 


Tradução Paulo Ramires

terça-feira, 10 de abril de 2018

O FIM DO DIREITO INTERNACIONAL?

O FIM DO DIREITO INTERNACIONAL?


Por Thierry Meyssan*

Desejam os Ocidentais acabar com as normas do Direito Internacional ? Foi a interrogação que colocou o Ministro russo dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br), Serguei Lavrov, na Conferência sobre a Segurança Internacional de Moscovo [1].

No decurso dos últimos anos, Washington promoveu o conceito de «unilateralismo». O Direito Internacional e as Nações Unidas deviam apagar-se perante a força dos Estados Unidos.

Esta concepção da vida política tem origem na própria história dos EUA : os colonizadores que vinham para as Américas entendiam viver aí como muito bem lhes parecia e desse modo prosperar. Cada comunidade elaborava as suas próprias leis e recusava a intervenção do governo central nos seus assuntos locais. O Presidente e o Congresso Federal estão encarregues da Defesa e dos Negócios Estrangeiros, mas, tal como os cidadãos, eles não aceitam uma autoridade acima da sua.

Bill Clinton atacou a Jugoslávia violando assim alegremente o Direito Internacional. George Bush Jr fez o mesmo contra o Iraque e Barack Obama contra a Líbia e a Síria. Donald Trump, quanto a ele, jamais escondeu a sua desconfiança “vis-à-vis” das regras supra-nacionais.

Fazendo alusão à doutrina Cebrowski-Barnett [2], Serguei Lavrov declarou : «Tem-se claramente a impressão que os Norte-americanos buscam manter um estado de caos controlado neste imenso espaço geopolítico [o Próximo-Oriente], esperando utilizá-lo para justificar a presença militar dos EUA na região sem limite de tempo, afim de promover a sua própria ordem do dia».

O Reino Unido tomou, ele também, as suas liberdades com o Direito. No mês passado, acusou Moscovo no «caso Skripal», sem a menor prova, e tentou reunir uma maioria na Assembleia Geral da ONU para excluir a Rússia do Conselho de Segurança. Seria, evidentemente, mais fácil para os Anglo-Saxónicos escrever unilateralmente o Direito sem ter que levar em conta a opinião dos seus contraditores.

Moscovo não crê que Londres tenha assumido, por si mesma, uma tal iniciativa. Considera que é sempre Washington quem dirige o baile.

A «globalização», isto é, a «mundialização dos valores anglo-saxónicos», criou uma sociedade de classes entre Estados. Mas não se deve confundir este novo problema com a existência do direito de veto. Claro, a ONU, embora afirmando a igualdade entre os Estados, independentemente do seu tamanho, distingue no seio do Conselho de Segurança cinco membros permanentes, os quais dispõem do direito de veto. Este directório, dos principais vencedores da Segunda Guerra Mundial, é uma necessidade para que eles aceitem o princípio de um Direito Supranacional. No entanto, quando este directório falha em ditar a Lei, a Assembleia Geral pode substituí-lo. Pelo menos em teoria, já que os Estados menores que votam contra um grande devem aguentar com medidas de retaliação.

A «mundialização dos valores anglo-saxónicos» esquece a honra e valoriza o lucro, de tal modo que o peso das propostas de um Estado mede-se agora unicamente ao nível do desenvolvimento económico do país. No entanto, três Estados conseguiram no decurso dos três últimos anos ser ouvidos com base nas suas propostas e não em função da sua economia: o Irão de Mahmoud Ahmadinejad (hoje em dia em prisão domiciliar no seu próprio país), a Venezuela de Hugo Chávez e a Santa Sé.

A confusão engendrada pelos valores anglo-saxónicos levou ao financiamento de organizações intergovernamentais com dinheiro privado. Com uma coisa levando a outra, os Estados-membros da União Internacional das Telecomunicações (UIT), por exemplo, abandonaram progressivamente o seu poder de promoção em benefício dos operadores privados de telecomunicações, reunidos no seio de um Comité «consultivo».

A «comunicação», novo nome da «propaganda», impõe-se nas relações internacionais. Do Secretário de Estado dos EUA brandindo um ampola de pseudo-antraz até ao Ministro britânico dos Negócios Estrangeiros mentindo sobre a origem do “Novitchok” de Salisbúria, a mentira substituiu-se ao respeito, dando lugar à desconfiança.

A seguir aos primeiros anos após a sua criação, a ONU tentou interditar a «propaganda de guerra», mas hoje em dia são os próprios membros permanentes do Conselho de Segurança quem a ela se dedicam.

O pior aconteceu em 2012, quando Washington conseguiu fazer nomear um dos seus piores falcões, Jeffrey Feltman, como numero 2 da ONU [3]. Desde essa data, as guerras são orquestradas em Nova Iorque a partir da instituição suposta de as prevenir.

A Rússia interroga-se hoje quanto à possível vontade dos Ocidentais em bloquear a ONU. Neste caso, ela criaria uma instituição alternativa, mas, claro, não restaria, assim, mais qualquer fórum para permitir aos dois blocos debater.

Da mesma maneira em que uma sociedade se transforma num caos, onde o homem se torna o lobo do outro homem, quando está privada do Direito, do mesmo modo o mundo irá tornar-se num campo de batalha se abandona o Direito Internacional.

Intelectual francês, presidente-fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace. As suas análises sobre política externa publicam-se na imprensa árabe, latino-americana e russa. Última obra em francês: Sous nos yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump. Outra obras : L’Effroyable imposture: Tome 2, Manipulations et désinformations (ed. JP Bertrand, 2007). Última obra publicada em Castelhano (espanhol): La gran impostura II. Manipulación y desinformación en los medios de comunicación(Monte Ávila Editores, 2008).

Tradução 
Alva

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner