Setembro 2018

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

É HORA DE ACORDAR: A ORDEM NEOLIBERAL ESTÁ A MORRER

É HORA DE ACORDAR: A ORDEM NEOLIBERAL ESTÁ A MORRER
Enquanto, devemos prosseguir com a tarefa urgente de libertar as nossas mentes, desfazer a formação mental e emocional tóxica a que fomos submetidos, criticar e ridicularizar aqueles cujo trabalho é impor a ortodoxia corrupta e recolocar um rumo em direcção à ortodoxia corrupta, devemos retraçar um curso rumo a um futuro que salva a espécie humana da extinção iminente.

Por Jonathan Cook*

No meu ensaio recente, argumentei que o poder na nossas sociedades reside na estrutura, na ideologia e nas narrativas - apoiadas no que poderíamos chamar vagamente de a nossa actual "ordem neoliberal" - e não em indivíduos. Significativamente, as nossas classes políticas e mediáticas, que estão profundamente enraizadas nessa estrutura neoliberal, são promotoras-chave da ideia completamente oposta: esses indivíduos ou grupos de pessoas de mentalidade semelhante têm poder; que deveriam, pelo menos em teoria, ser responsabilizados pelo uso e mau uso desse poder; e essa mudança significativa envolve a substituição desses indivíduos, em vez de alterar fundamentalmente a estrutura de poder em que operam.

Por outras palavras, os nossos debates políticos e mediáticos são resumidos aqueles a quem detêm responsabilidades pelos problemas na economia, nos sistemas de saúde e educação ou na condução de guerras. O que nunca é discutido é se políticas erradas estão isentas de responsabilidades para indivíduos e partidos políticos ou se se trata de um sintoma do actual mal-estar neoliberal - manifestações de uma ideologia que necessariamente tem objectivos, como a busca do lucro maximizado e o crescimento económico infinito, que são indiferentes a outras considerações como os danos causados ​​à vida no nosso planeta.

O foco sobre os indivíduos acontece por um motivo. Ele é projectado para garantir que a estrutura e os fundamentos ideológicos das nossas sociedades permaneçam invisíveis para nós, o público. A ordem neoliberal não é questionada - presumindo-se, contra a evidência da história, ser permanente, fixa, incontestável.

Tão profunda é essa má orientação que mesmo os esforços para se falar sobre o poder real se tornam traiçoeiros. As minhas palavras acima e abaixo podem sugerir que o poder é um pouco como uma pessoa, que tem intenção e vontade, que talvez goste de enganar ou fazer partidas. Mas nada disso é também verdade .

O poder grande e o poder pequeno

A minha dificuldade em transmitir precisamente o que quero dizer, a minha necessidade em recorrer à metáfora, revela as limitações da linguagem e os horizontes ideológicos necessariamente estreitos que ela impõe a quem a utiliza. A linguagem inteligível não é projectada adequadamente para descrever a estrutura ou o poder. Ela prefere particularizar, humanizar, especificar, individualizar de maneira que torna o pensamento de formas maiores e mais críticas quase impossíveis.

A linguagem está ao lado deles, como políticos e jornalistas corporativos, que ocultam a estrutura, que lidam com as narrativas do pequeno poder dos indivíduos e não do grande poder da estrutura e da ideologia. Do que passa para as notícias, os media oferecem um grande palco para os indivíduos poderosos disputarem as eleições, aprovarem leis, assumirem negócios, iniciarem guerras e um pequeno palco para que esses mesmos indivíduos consigam as retribuições, sejam apanhados a cometer crimes, mentindo, ter casos, embriagando-se e, em geral, a passarem eles próprios vergonhas.

Essas narrativas menores escondem o facto de que tais indivíduos são preparados antes mesmo de terem acesso ao poder. Líderes empresariais, políticos seniores e jornalistas que definem uma agenda, alcançam as suas posições depois de se mostrarem repetidas vezes - não conscientemente, mas por meio da sua conformidade irreflectida com a estrutura do poder das nossas sociedades. Eles são seleccionados através das suas actuações em exames na escola e universidades, através de programas de treino e testes escritos. Eles sobem ao topo porque são os exemplos mais talentosos daqueles que são os cegos ou os submissos do poder, aqueles que podem pensar de maneira mais inteligente sem pensar criticamente. Aqueles que mostram de forma confiável as suas habilidades onde são direccionados a fazê-lo.

Os seus grandes e pequenos dramas constituem o que chamamos de vida pública, seja ela a política, politica internacional ou entretenimento. Para se sugerir que há processos mais profundos no trabalho, que a maior parte desses dramas não são suficientemente grandes para nós entendermos o modo como o poder opera, é sermos descartados instantaneamente como paranóicos, fantasistas e - o que é mais prejudicial de todos - um Teórico da Conspiração.

Esses termos também servem para enganar. Eles pretendem impedir todo o pensamento sobre o poder real. São palavras assustadoras usadas para nos impedir, numa metáfora usada no meu artigo anterior, de afastarmos do ecrã. Eles estão lá para nos forçar a ficar tão perto que vemos apenas os pixels e não o quadro maior.

Reforma dos media

A história do Partido Trabalhista britânico é um exemplo e foi ilustrada mesmo antes de Jeremy Corbyn se tornar líder. Nos anos 90, Tony Blair reinventou o partido como o New Labour, descartando ideias de socialismo e guerra de classes e inventando, em vez disso, uma “Terceira Via”.

A ideia que lhe deu acesso ao poder - personificada na narrativa mediática da época como o seu encontro com Rupert Murdoch na Ilha Hayman, do magnata - foi que o New Labour iria triangular, encontrar um meio termo entre os 1% e os 99% . O facto de a reunião ter ocorrido com Murdoch, em vez de qualquer outra pessoa, sinalizou algo significativo: que a estrutura de poder precisava de uma reforma da media. Ele precisava estar vestido com novas roupas.

Na realidade, Blair tornou o Trabalhismo útil ao poder, redesenhando o neoliberalismo turbulento que os conservadores do Partido Conservador dos ricos da Margaret Thatcher haviam desencadeado. Ele fez com que se parecesse compatível com a social-democracia. Blair colocou uma máscara mais gentil e gentil na busca agressiva do neoliberalismo pelo poder destruidor do planeta - como Barack Obama faria nos Estados Unidos uma década depois, após os horrores da invasão do Iraque. Nem Blair nem Obama mudaram a substância dos nossos sistemas económicos e políticos, mas fizeram com que parecessem enganosamente atraentes, mexendo com a política social.

Se a ordem neoliberal fosse desnudada - se o imperador se permitisse despojar-se das suas roupas - ninguém, além de uma pequena elite psicopata, votaria pela manutenção do neoliberalismo. Assim, o poder é forçado a se reinventar repetidamente. É como a Mística dos filmes dos X-Men, mudando constantemente de aparência para nos levar a uma falsa sensação de segurança. O objectivo do Poder é continuar a parecer que se tornou em algo novo, algo inovador. Como a estrutura de poder não quer mudanças, tem que encontrar homens e mulheres de fachada que possam personificar uma transformação que é, na verdade, inteiramente vazia.

O poder pode realizar essa façanha, como fez Blair, ao reembalar o mesmo produto - o neoliberalismo - num embrulho ideológico mais bonito. Ou pode, como aconteceu nos EUA nos últimos tempos, tentar uma abordagem mais básica adicionando uma pitada de política de identidade. Um candidato presidencial negro (Obama) pode oferecer esperança, e uma candidata (Hillary Clinton) pode se tornar a mãe-salvadora.

Com esse modelo em vigor, as eleições tornam-se uma disputa ilusória entre interacções mais transparentes e mais opacas do poder neoliberal. Ao fracassar nos 99%, Obama lamentavelmente anulou essa estratégia e como resultado, grandes sectores do eleitorado voltaram as costas à sua sucessora, Hillary Clinton. Eles perceberam a encenação. Eles preferiam, mesmo que com relutância, a vulgaridade da honestidade do poder nu representado por Trump sobre as falsas pretensões de  políticas de compaixão de Clinton.

Políticas instáveis

Apesar dos seus melhores esforços, o neoliberalismo está cada vez mais desacreditado aos olhos dos grandes sectores do eleitorado nos EUA e no Reino Unido. As suas tentativas de ocultação ficaram gastas, a sua estratégia está esgotada. Chegou-se ao fim do jogo, e é por isso que a política parece tão instável. Os candidatos da “insurgência” de diferentes tendenciais estão a prosperar.

O poder neoliberal é distintivo porque busca poder absoluto e só pode alcançar esse objectivo por meio da dominação global. A globalização, o mundo como um brinquedo para uma minúscula elite transforma-lo em activos, é tanto o seu meio quanto o seu fim. Insurgentes são, portanto, aqueles que buscam reverter a tendência para a globalização - ou, pelo menos a reivindicam. Existem insurgentes tanto à esquerda como à direita.

Se for o neoliberalismo a escolher, ele geralmente prefere um insurgente da direita a um de esquerda. Uma figura de Trump pode ser útil também ao poder, porque ele veste as roupas de um insurgente enquanto faz pouco para realmente mudar a estrutura.

No entanto, Trump é um potencial problema para a ordem neoliberal por dois motivos.

Primeiro, ao contrário de Obama ou Clinton, ele também esclarece claramente o que está realmente em jogo para o poder - maximização da riqueza a qualquer custo - e, portanto, corre o risco de desmascarar o engano. E segundo, ele é um passo retrógrado para a estrutura de poder global.

O neoliberalismo arrastou o capitalismo da sua dependência no século XIX dos Estados-nação para uma ideologia do século XXI que exige um alcance global. Trump e outros líderes nativistas buscam um retorno a uma suposta era de ouro do capitalismo baseado no Estado que prefere mandar as nossas crianças para as cima das chaminés ao impedir que crianças de terras distantes cheguem às nossas costas para fazerem o mesmo.

A ordem neoliberal prefere um Trump a um Bernie Sanders porque os insurgentes nativistas são muito mais fáceis de domar. Um Trump pode mostrar-se no seu palco do Twitter enquanto a estrutura de poder global restringe e mina quaisquer acções prometidas que possam ameaçá-lo. Trump, o candidato, era indiferente a Israel e queria que os EUA saíssem da Síria. Trump, o presidente, tornou-se o líder que mais apoia Israel e lançou mísseis americanos na Síria.

Pactos faustianos

A actual estrutura de poder tem muito mais medo de uma insurgência de esquerda do tipo da representada por Corbyn no Reino Unido. Ele e os seus partidários estão a tentar reverter as acomodações com o poder de Blair. E é por isso que ele se encontra implacavelmente atacado de todas as direcções - dos seus adversários políticos; dos seus supostos aliados políticos, incluindo a maioria de seu próprio partido parlamentar; e mais especificamente dos media estatais corporativos, incluindo os seus falsos órgãos liberais de esquerda, como o Guardian e a BBC.

Os últimos três anos de ataques a Corbyn são exemplo de como o poder se manifesta, mostra a sua mão quando está a perder. É uma estratégia de último recurso. Um Blair ou um Obama chegam ao poder, já tendo feito tantos compromissos nos bastidores que as suas políticas originais são em grande parte descaracterizadas. Eles fizeram pactos faustianos como a condição para ter acesso ao poder. Isso é descrito de várias maneiras como pragmatismo, moderação e realismo. Mais precisamente, deve ser caracterizado como uma traição.

Não pára quando alcançam um alto cargo. Obama cometeu uma série de erros iniciais, pensando que teria espaço para manobrar no Médio Oriente. Ele fez um discurso no Cairo sobre um "novo começo" para a região. Pouco tempo depois, ele ajudaria a extinguir a Primavera Árabe Egípcia que surgiu junto da Praça Tahrir. As forças armadas do Egipto, há muito subsidiadas por Washington, foram autorizadas a retomar ao poder.

Obama ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2009, antes de ter tempo de fazer qualquer coisa pela diplomacia internacional. No entanto, ele intensificou a guerra ao terror, supervisionou a rápida expansão de uma política de assassinatos extra-judiciais por drones e presidiu à expansão da operação de mudança de regime do Iraque para a Líbia e para a Síria.

Ele ameaçou também aplicar sanções contra Israel por causa da sua política de colonatos ilegais - um crime de guerra de cinco décadas que ficou completamente impune pela comunidade internacional. Mas, na prática, sua inacção permitiu que Israel consolidasse os seus colonatos até o ponto em que a anexação de partes da Cisjordânia é agora iminente.

Dominar ou destruir

O neoliberalismo está agora tão arraigado, tão voraz que até um socialista moderado como Corbyn é visto como uma grande ameaça. E ao contrário de Blair, Obama ou Trump, Corbyn é muito mais difícil de dominar porque ele tem um movimento de base que o apoia e ao qual ele é responsável.

Nos Estados Unidos, a ala neoliberal do Partido Democrata impediu o candidato insurgente de esquerda, Bernie Sanders, de disputar a presidência, defraudando o sistema para mantê-lo fora do boletim de voto. No Reino Unido, Corbyn passou por essas defesas estruturais por acidente. Ele assumiu a liderança como candidato simbólico à esquerda, favorecido pela burocracia trabalhista como forma de demonstrar que a eleição era inclusiva e justa. Não era ele o esperado para ganhar.

Uma vez que ele foi instituído como líder, a estrutura de poder tinha duas escolhas: dominá-lo como Blair, ou destruí-lo antes que ele tivesse uma oportunidade de alcançar um alto cargo. Para aqueles com memória curta, vale a pena lembrar como essas alternativas pesaram nos primeiros meses de Corbyn.

Por um lado, ele foi ridicularizado através dos media por se vestir mal, por ser antipatriótico, por ameaçar a segurança nacional, por ser sexista. Esta foi a campanha para o dominar. Por outro lado, o jornal Times, propriedade de Murdoch, o diário da elite neoliberal, deu uma plataforma a um general anónimo do exército para avisar que as forças armadas britânicas nunca permitiriam que Corbyn chegasse ao poder. Houve mesmo um golpe liderado pelo exército antes que ele chegasse perto da 10 Downing Street.

No sinal de quão ineficazes são essas estruturas de poder, nada disso fez muita diferença para a sorte de Corbyn com o público. Um candidato verdadeiramente insurgente não pode ser prejudicado por ataques da elite do poder. É por isso que ele está onde está, afinal.

Assim, aqueles com ligações à estrutura do poder entre os quais os próprios parlamentares tentaram travar uma segunda disputa à liderança para derrubá-lo. Quando uma onda de novos membros se inscreveram para reforçar as suas fileiras de partidários, assim se transformou o partido no maior da Europa, os burocratas do Partido Trabalhista retiraram o máximo de seu direito de voto na esperança de que Corbyn pudesse perder. Eles falharam novamente. Ele ganhou com uma maioria ainda maior.

Redefinindo palavras

Foi nesse contexto que a ordem neoliberal teve que jogar a sua aposta mais alta de todos. Acusou Corbyn, activista anti-racista em toda a sua vida, de ser um anti-semita por apoiar a causa palestiniana, por preferir os direitos palestinianos sobre a brutal ocupação israelita. Para tornar esta acusação plausível, as palavras tiveram que ser redefinidas: “anti-semitismo” já não significa simplesmente um ódio aos judeus, mas inclui críticas a Israel; "Sionista" não se refere mais a um movimento político que prioriza os direitos dos judeus sobre a população nativa da Palestina, mas supostamente se destaca como um código sinistro para todos os judeus. O próprio partido de Corbyn foi forçado sob uma pressão implacável para adoptar essas reformulações maliciosas de significados.

Como o anti-semitismo está a ser armado, não para proteger os judeus, mas para proteger a ordem neoliberal, ficou bem claro nesta semana quando Corbyn criticou a elite financeira que levou o Ocidente à beira da sua ruína económica há uma década, e logo o fará. novamente, a menos que novos regulamentos rigorosos sejam introduzidos. Idiotas úteis como Stephen Pollard, editor da Cronica Judaica de direita, viram uma oportunidade para reavivar o já esbatido anti-semitismo mais uma vez, acusando Corbyn de secretamente falar de “judeus” quando ele realmente fala de banqueiros. É uma lógica que pretende tornar a elite neoliberal intocável, disfarçando-a num cobertor de segurança que depende do tabu do anti-semitismo.

Quase toda a classe política de Westminster e toda a classe dos media corporativos, incluindo os mais proeminentes jornalistas dos media liberais de esquerda, chegaram à mesma conclusão absurda sobre Corbyn. Qualquer que seja a evidência na frente de seus olhos, ele agora é declarado um anti-semita . Para cima é agora para baixo, e o dia é a noite.

Estratégia de alto risco

Essa estratégia é alta e perigosa por dois motivos.

Primeiro, corre o risco de criar o próprio problema que alega estar a defender. Ao dar falsos alarmes continuamente sobre o suposto anti-semitismo de Corbyn sem qualquer evidência tangível para isso, e fazendo uma acusação infundada de anti-semitismo, o critério para julgar a competência de Corbyn para o cargo em vez de qualquer de suas políticas declaradas, o verdadeiro argumento anti-semita começa a soar mais plausível.

No que poderia se tornar numa profecia auto-realizável, as antigas ideias da direita anti-semítica sobre as cabalas judaicas a controlarem os media e mexendo os cordelinhos nos bastidores poderiam começar a ressoar com um público cada vez mais desiludido e frustrado. O armamento do anti-semitismo pela ordem neoliberal para proteger o seu poder corre o risco de transformar os judeus em danos colaterais. Isso coloca-os num outro drama pequeno ou maior na tentativa cada vez mais desesperada de criar uma narrativa que desvie a atenção da verdadeira estrutura de poder.

E segundo, o esforço para costurar uma narrativa do anti-semitismo de Corbyn a partir de tecido inexistente provavelmente encorajará mais e mais pessoas a darem um passo para trás do ecrã, para que esses pixels ininteligíveis possam ser mais facilmente discernidos como uma prova concreta. O absurdo das alegações, e o fato de serem levadas tão a sério por uma classe política e mediática seleccionada pela sua submissão à ordem neoliberal, acelera o processo pelo qual esses formadores de opinião se desacreditam. A sua autoridade diminui a cada dia que passa e, como resultado, a sua utilidade para a estrutura de poder diminui rapidamente.

Esta é situação em que estamos agora: nos estágios finais de um sistema falido que se está a apegar em credibilidade por meio das suas próprias unhas. Mais cedo ou mais tarde, a sua garra será perdida e ela mergulhará no abismo. E nós vamos nos perguntar como podemos nós ter caído na sua fraude.

Enquanto, devemos prosseguir com a tarefa urgente de libertar as nossas mentes, desfazer a formação mental e emocional tóxica a que fomos submetidos, criticar e ridicularizar aqueles cujo trabalho é impor a ortodoxia corrupta e recolocar um rumo em direcção à ortodoxia corrupta, devemos retraçar um curso rumo a um futuro que salva a espécie humana da extinção iminente.

*Jonathan Cook ganhou o prêmio especial Martha Gellhorn para o jornalismo. Os seus últimos livros são "Israel e o confronto das civilizações: Iraque, Irão e o plano para refazer o Médio Oriente" (Plutão Press) e "desaparecendo Palestina: experiências de Israel em desespero humano" (Zed Books). O seu site é http://www.Jonathan-Cook.net/
Nota aos leitores: por favor encaminhe este artigo para as suas listas de e-mail. Crosspost no seu site de blog, fóruns na Internet. Etc.

Este artigo foi originalmente publicado em contrapunch.
________________________



quinta-feira, 27 de setembro de 2018

BANNON DECLARA 'SALAS DE GUERRA' PARA GANHAR ELEIÇÕES EUROPEIAS - E ISSO NÃO É INTROMISSÃO?

BANNON DECLARA 'SALAS DE GUERRA' PARA GANHAR ELEIÇÕES EUROPEIAS - E ISSO NÃO É INTROMISSÃO?


Por Finian Cunningham*

Um traço da decadência imperial é a arrogância desimpedida. Dada a crescente arrogância exibida pelos funcionários dos Estados Unidos, figuras públicas e meios de comunicação, podemos concluir com segurança que esse império acelera a sua decadência.

Um exemplo espectacular recente vem com visitas separadas à Europa pelo secretário de defesa dos EUA James Mattis e Steve Bannon, o ex-assessor do presidente Trump.

Bannon discursou num fórum de direita em Itália no fim-de-semana em que declarou que dedicaria “80%” do seu tempo para ajudar partidos anti-europeus a conseguirem assentos nas próximas eleições parlamentares europeias, que devem acontecer em Maio de 2019.

Bannon disse que estava a organizar um comité de coordenação, chamado "O Movimento", em Bruxelas, onde o seu projecto político direccionaria "salas de guerra" por toda a Europa para garantir que os partidos anti-UE e anti-imigrantes consigam chegar a um terço do total de lugares nas eleições parlamentares do bloco de 27 nações. Em suma, uma declaração de guerra política. Sem remorso. Descarada. Arrogante.

O ideólogo norte-americano e ex-banqueiro do Goldman Sachs, acusado de incitar ao racismo e ao neo-fascismo nos EUA, apoiou abertamente políticos nacionalistas na Europa, do britânico Nigel Farage ao francês Marine Le Pen, do húngaro Victor Orban e do italiano Matteo Salvini.

Bannon ameaça explicitamente desmembrar a União Europeia, que vê com desprezo e que chama de "marxismo cultural".

Entretanto, no início da semana passada, o chefe do Pentágono, James Mattis, estava na Macedónia, onde deu o seu apoio total ao voto Sim no referendo do país. O plebiscito a decorrer neste fim-de-semana decidirá se o pequeno país dos Balcãs poderá tornar-se membro da aliança militar da OTAN e da União Europeia. É um voto crucial para o país.

A ironia dessa hipocrisia americana combinada é realmente surpreendente. Nos últimos dois anos, os políticos dos EUA e os media noticiosos acusaram a Rússia de "interferir" na democracia de seu país. Primeiro, na eleição presidencial de 2016, e agora no período que antecede o arranque do Congresso em Novembro.

Nenhuma evidência credível é apresentada para substanciar essas sensacionais acusações americanas contra a Rússia, que alguns chefes de guerra como o falecido senador John McCain chegaram a denunciar como "um acto de guerra".

As mesmas alegações baseadas em insinuações “altamente prováveis” foram apresentadas contra a Rússia por “intromissão” nos referendos europeus, como o referendo ao Brexit em Junho de 2016, as eleições presidenciais francesas em Maio de 2017 e agora o referendo na Macedónia.

Enquanto na capital Skopje, na semana passada, disseram aos macedónios que votassem para se juntar à OTAN, Mattis teve o descaramento para acusar a Rússia de interferir no referendo. Como de costume, Mattis não forneceu nenhuma evidência. Ele até admitiu que não sabia o quão efectivo a suposta influência russa foi em influenciar as intenções de voto - o que significa que os EUA não fazem ideia se a Rússia está realmente a tentar interferir ou não.

Mas o que sabemos, como relatado pelos media dos EUA, é que Washington tem clamado por um voto Sim no referendo macedónio, incluindo um telefonema pessoal do presidente Donald Trump. Além disso, como os media norte-americanos também reportam, Washington despejou milhões de dólares no país dos Balcãs para “combater campanhas dos media sociais” pedindo um voto “não”. Os Estados Unidos dizem que a enxurrada de dinheiro é para combater a suposta "influência russa", mas uma explicação mais directa é que Washington é, na verdade, a potência estrangeira que está a influenciar e impondo à força o voto "sim".

Moscovo negou veementemente qualquer interferência no voto macedónio, bem como todas as outras chamadas campanhas de influência, dos EUA ao Brexit, entre outros.

O referendo da Macedónia é uma questão bastante contestada entre os seus 2,1 milhões de habitantes. Uma pesquisa feita pelos EUA descobriu em Julho que o voto Sim foi apoiado por apenas 57% do eleitorado. Muitos os macedónios opõem-se à proposta do referendo de mudar o nome do país para a República da Macedónia do Norte, o que abriria o caminho para a adesão à OTAN e à UE.

Existe uma campanha ardorosa do Não-voto, com plataformas dos media sociais a serem usadas para argumentar contra o novo nome a ser adoptado e, em segundo lugar, unindo-se à aliança da OTAN liderada pelos EUA. Para muitos cidadãos, o nome histórico “Macedónia” deve ser independente e não deve ser alterado com o qualificador “Norte”. Eles dizem que tal decisão é uma deferência inaceitável para a Grécia, que também tem uma província com o mesmo nome.

De qualquer forma, é uma grande diferença atribuir a campanha do Não na Macedónia à interferência russa. O primeiro-ministro pró-OTAN, Zoran Zaev, acusou repetidamente a Rússia de se intrometer no referendo. A Macedónia expulsou dois diplomatas russos por reclamações de "intromissão".

O governo grego também se juntou às acusações dos media contra Moscovo.

Há um interesse em empurrar essa narrativa anti-Rússia. Se o referendo for para o campo Sim, Atenas vence a longa disputa pelo nome da Macedónia. E os políticos pró-OTAN em Skopje terão conquistado o desejado objectivo de se unir a Washington. Ao falar de alegações de "actividades malignas russas", calcula-se que os macedónios podem ser solicitados a votar no Sim fora do dever patriótico.

A Rússia, é claro, opõe-se à adesão da Macedónia à OTAN, tornando-se assim o 30º membro da aliança e sinalizando mais uma vez a expansão implacável da força militar multinacional em direcção às fronteiras ocidentais da Rússia. Mas extrapolar a legítima oposição de Moscovo à adesão da Macedónia à OTAN às alegações de “interferir” no referendo é injustificável. Não há provas, apenas o excesso costumeiro de insinuações e russo-fobia.

Da declaração aberta de Steve Bannon de "guerra política" contra a União Europeia e a imposição de James Mattis' aos macedónios para votar pela adesão à OTAN, o nível de intromissão americana na política da Europa sai fora da escala quando comparado com qualquer coisa que a Rússia é acusada, mesmo se este último tivesse alguma base, o que não é o caso.

Para a interferência americana em outras democracias, também não há nada de novo. Lembre-se de como um dos primeiros projectos estrangeiros da CIA americana foi comprar as eleições em Itália do pós-guerra para derrotar os comunistas emergentes. Avancemos para como Washington realmente se divertiu na sua interferência na eleição da Rússia de Boris Yeltsin em 1996.

A América implacavelmente intrometeu-se em vários países para determinar os resultados das eleições. Bannon e Mattis são apenas a mais recente expressão descarada da actividade maligna dos EUA.

Contra o pano de fundo de alegações infundadas contra a Rússia, essa hipocrisia e arrogância americana é algo de pasmar.

*Ex-editor e escritor de grandes organizações de media. Escreve extensivamente sobre assuntos internacionais, com artigos publicados em várias línguas.

strategic-culture.org

terça-feira, 25 de setembro de 2018

O OCIDENTE CONTRA O RESTO OU O OCIDENTE CONTRA SI MESMO

O OCIDENTE CONTRA O RESTO OU O OCIDENTE CONTRA SI MESMO
Para ter o seu crédito, Bannon visceralmente compreendeu como a UE é um vasto espaço de “não-soberania” de facto refém da austeridade económica. A burocracia da UE pode ser facilmente interpretada como a central do Illiberalismo: nunca foi uma democracia. Não haja dúvida de que Bannon impressionou Salvini com a necessidade de continuar martelando repetidamente como a liderança alemã-francesa da UE é antidemocrática. Mas há um enorme problema: o Movimento e a galáxia do populismo de Direita centram-se quase exclusivamente no papel dos migrantes ilegais - levando os cínicos não-ideológicos a suspeitar que isso poderia ser pouco mais do que a xenofobia estatal que se apresenta como uma revolta das massas.


O frenesim anti-liberal do Ocidente reduziu o que deveria ser um debate crucial sobre o temível Ocidente Contra o Resto, com a questão mais tensa do Ocidente Contra Si Mesmo.


Por Pepe Escobar* | Paris | Especial para o Consortium News

Qual é a maior história? O ocidente contra o resto ou o ocidente contra si mesmo?

O Quarteto Iliberal de Xi, Putin, Rouhani e Erdogan está na linha de fogo das arrogantes homilias sobre os "valores" ocidentais.

O Illiberalismo é arrogante e provocadoramente representado no Ocidente repetidamente como uma invasão tártara 2.0. Mas mais perto de casa, o Illiberalismo é responsável pela guerra civil e social nos EUA, à medida que a América de Trump há muito tempo esqueceu o que era o Iluminismo europeu.

A visão ocidental é um redemoinho de uma pseudo-filosofia judaico-greco-romana mergulhada em Hegel, Toynbee, Spengler e obscuras referências bíblicas condenando um ataque asiático à missão civilista do Ocidente "esclarecido" .

O turbilhão impede o pensamento crítico de avaliar o confucionismo de Xi, o eurasianismo de Putin, a realpolitik de Rouhani e o islamismo xiita " não-Westoxified " , bem como a busca de Erdogan para guiar a Irmandade Muçulmana global.

Em vez disso, o Ocidente dá-nos “análises” falsas de como a OTAN deveria ser enaltecida por não permitir que a Líbia se torne uma Síria, o que de facto ela é.

Enquanto isso, uma regra de ouro prevalece sobre uma potência asiática: nunca critique a Casa de Saud, que é a manifestação suprema do Illiberalismo. Eles recebem um livre transito porque afinal de contas eles são os "nossos bastardos".

O que o frenesim anti-liberal realmente faz é reduzir o que deveria ser um debate crucial sobre o temível Ocidente Contra o Resto, para o assunto mais premente do Ocidente Contra Si Mesmo. Esta luta interna do Ocidente está a ser manifestada de várias maneiras: Viktor Orban na Hungria, coligações euro-cépticas na Áustria e na Itália, o avanço da ultra-direita Alternative für Deutschland (AfD) e dos Democratas da Suécia. Em suma, é a vingança dos indesejáveis ​​europeus.

"Paraíso" de Bannon recuperado

Nesta disputa europeia, Steve Bannon, o mestre estratega que elegeu Donald Trump e agora está a tomar o continente pela força(tempestade). Está prestes a lançar o seu próprio think tank em Bruxelas, The Movement, para forçar não menos do que uma revolução populista de direita.

Ele vem impregnado de Bannon assustando vários países da UE, parafraseando Satanás no Paraíso Perdido de Milton : "Eu prefiro reinar no inferno a servir no céu".

A crescente influência de Bannon na Europa chegou à Bienal de Veneza, onde o director Errol Morris apresentou um documentário sobre Bannon, American Dharma , baseado em 18 horas de entrevistas com o próprio Svengali de Trump.

Bannon organizou uma corte há duas semanas em Roma, apoiado por Mischaël Modrikamen, o presidente do Partido Popular na Bélgica, que está proposto para liderar o Movimento. Em Roma, Bannon encontrou-se novamente com o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini - que havia aconselhado “durante horas” para romper uma coligação política com o desvanecido astro Silvio “Bunga Bunga” Berlusconi. Salvini e Berlusconi, porém, agora estão a negociar de novo.

Bannon em Roma (CNBC)
Bannon identificou correctamente a Itália como o vértice da pós-política, liderando a cruzada para derrotar a UE. O que irá mudar o jogo deverá ser as eleições do Parlamento Europeu de Maio de 2019, que Bannon lê como uma vitória certificada do populismo de direita e dos movimentos nacionalistas.

Nesta batalha de fazer ou morrer entre o populismo e o Partido de Davos, Bannon quer jogar o The Undertaker contra um insignificante George Soros.

Bannon está até mesmo a seduzir os cínicos em França ao designar o auto-nomeado "Júpiter" Emmanuel Macron, agora em queda livre na opinião pública, como inimigo público número um. Um velho semanário dos EUA declarou que Macron será o último homem entre os "valores europeus" e, bem, o fascismo. Bannon é mais realista: Macron é "um banqueiro de Rothschild que nunca ganhou dinheiro - a definição de um perdedor ... Ele imagina-se um novo Napoleão".

Bannon está a conectar-se a toda a Europa porque identificou como o Ocidente vende o “socialismo para os muito ricos e os muito pobres” e “uma forma brutal do capitalismo darwinista para todos os outros”. Poucos europeus entendem facilmente o seu conceito simplista de populismo de direita. de acordo com a qual os cidadãos devem conseguir empregos, algo impossível quando a imigração ilegal é usada como golpe para deprimir os salários dos trabalhadores.

A estratégia política que destaca o Movimento é unir todos os vectores nacionalistas europeus - uma desordem actualmente fragmentada em soberanos, neoliberais, nacionalistas radicalizados, racistas, conservadores e extremistas em busca de respeitabilidade.

Para ter o seu crédito, Bannon visceralmente compreendeu como a UE é um vasto espaço de “não-soberania” de facto refém da austeridade económica. A burocracia da UE pode ser facilmente interpretada como a central do Illiberalismo: nunca foi uma democracia.

Não haja dúvida de que Bannon impressionou Salvini com a necessidade de continuar martelando repetidamente como a liderança alemã-francesa da UE é antidemocrática. Mas há um enorme problema: o Movimento e a galáxia do populismo de Direita centram-se quase exclusivamente no papel dos migrantes ilegais - levando os cínicos não-ideológicos a suspeitar que isso poderia ser pouco mais do que a xenofobia estatal que se apresenta como uma revolta das massas.

Enquanto isso, na caverna de Platão ...

A teórica política belga Chantal Mouffe, que lecciona na Universidade de Westminster e é uma queridinha da multicultural sociedade de cafés, poderia facilmente ser descrita como a anti-Bannon. Ela identifica a “crise da hegemonia neoliberal” e é capaz de delinear como a pós-política é toda sobre Direito e Esquerda chafurdando juntos em um pântano conceitual.

O impasse político de todo o Ocidente mais uma vez, girar em torno do TINA: não há alternativa, neste caso, à globalização neoliberal. A Deusa do Mercado é Atena e Vênus reunidas numa só. A questão é como organizar uma reacção politicamente forte contra a mercantilização total da vida.

Mouffe: A anti-Bannon. (Stephan Röhl-Wikimedia Commons.)
Mouffe, pelo menos, entende que apenas demonizar o populismo de Direita como irracional - apesar de desprezar os "deploráveis" - não é bom o suficiente. No entanto, ela deposita muita esperança na difusa estratégia política do Podemos na Espanha, La France Insoumise na França, ou Bernie Sanders nos Estados Unidos. Indiscutivelmente o único político progressista na Europa que tem uma visão clara de governo é Jeremy Corbyn - que está a consumir toda a sua energia lutando contra uma campanha de demonização desagradável.

Sanders acaba de lançar um manifesto pedindo uma Progressive International - capaz de delinear um New Deal 2.0 e um novo Bretton Woods.

De sua parte, Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças da Grécia e co-fundador do movimento democrata DiEM25 , lamenta o triunfo de uma Internacional Nacionalista - pelo menos enfatizando que eles “saíram do escoadouro do capitalismo financeiro”.

No entanto, ele recorre aos mesmos antigos jogadores quando se trata de pressionar por uma Internacional Progressiva: Sanders, Corbyn e o seu próprio DiEM25.

A solução conceitual de Mouffe é apostar no que ela descreve como populismo de esquerda, que pode ser interpretado como qualquer coisa, desde "socialismo democrático" até "democracia participativa", dependendo "do diferente contexto nacional ".

Isso implica que o populismo - implacavelmente demonizado pelas elites neoliberais - está longe de ser uma perversão tóxica da democracia e pode ser autenticamente progressivo.

Slavoj Zizek, em A Coragem do Desespero , não poderia concordar mais, quando ele enfatiza que quando as massas "não convencidas pelo discurso capitalista" racional "preferem uma" postura populista anti-elitista ", isso não tem nada a ver com primitivismo de primeira classe ”.

Na verdade, Noam Chomsky, em 1991, em Ilusões Necessárias: Controle do Pensamento em Sociedades Democráticas, mostrou brilhantemente como a “democracia” ocidental realmente funciona: “Somente quando a ameaça da participação popular é superada é que as formas democráticas podem ser seguramente contempladas. .

“Então, o que a Europa quer?”, Pergunta Zizek. Ele tem o mérito de identificar a “contradição principal” daquilo que ele qualifica como “A Nova Ordem Mundial” (na verdade ainda estamos sob a queima lenta da Velha Desordem da Palavra). Zizek descreve sucintamente a contradição como "a impossibilidade estrutural de encontrar uma ordem política global que possa corresponder à economia capitalista global".

E é por isso que o espectro da "mudança" é tão limitado e, no momento, totalmente capturado pelo populismo da direita. Nada substancial pode acontecer sem uma verdadeira transformação socioeconómico, um novo sistema mundial que substitui o capitalismo dos casinos.

Tomando o shadowplay na sua caverna platónica - russo-fóbica - pela realidade, enquanto lamentam "o fim do atlantismo", os defensores dos "valores ocidentais" preferem adoptar uma tácita diversionista.

Eles continuam a invocar o medo do “liberal” Putin e o seu “comportamento maligno” minando a UE, acoplada com o neocolonialismo da “armadilha da dívida” infligido a clientes desavisados ​​por aqueles chineses desonestos.

Essas elites não poderam entender que enfrentam uma situação difícil feita por eles próprios, cortesiando o populismo de livre mercado, que é o ápice do Illiberalismo Ocidental.

*Pepe Escobar é o correspondente geral do Asia Times, de Hong Kong

consortiumnews.com .

domingo, 23 de setembro de 2018

DEMOCRACIA: TRANSFORMAÇÃO DEMOCRÁTICA NECESSÁRIA

DEMOCRACIA: TRANSFORMAÇÃO DEMOCRÁTICA NECESSÁRIA

Paulo Ramires | Opinião

Os regimes também ficam desactualizados e inadequados com o passar do tempo, o devir das sociedades é cada vez mais dimensional acabando por ter o respectivo impacto nas pessoas, é por esta razão que os regimes devem ser sempre transformados ou alterados – sem qualquer encenação ou cosmética ‒ ao longo do tempo, evoluindo como evolui a sociedade. O actual regime que foi instalado no pós 25 da Abril, não só não permanece igual como perdeu consistência e se tornou obsoleto, ultrapassado, e acabou também por apodrecer por acção dos que estão nos lugares cimeiros, é necessário altera-lo ‒ e não falo em ciclos eleitorais, isso são alterações de pormenor que são cosmética para quem não quer mudar nada quando é necessário uma transformação profunda, repare-se que já ocorreram diversas transformações na sociedade, tecnológicas, de informação entre outras, e que deram uma outra dinâmica à sociedade, a forma de comunicação alterou-se, o comercio simplificou-se e tornou-se global, apareceram espaços económicos e financeiros como a UE, que tendem naturalmente a surgir como projectos políticos que integram vários países, todavia com imensas imperfeições e não para todos, apareceram as criptomoedas como as bitcoins totalmente não reguladas, a imprensa tornou-se digital, a vigilância ao cidadão sofisticou-se e todos passaram a ser controlados, apareceu a internet das coisas, muitas coisas surgiram e outras transformaram-se e modernizaram-se, todavia a forma de fazer politica entrou em decadência, ficou restrita às elites partidárias e retrocedeu no tempo, as pessoas desinteressaram-se por medo ou por outras razões, os abusos de poder sucederam-se, o medo instalou-se e a imprensa agora digitalizada tornou-se num instrumento do poder(talvez a culpa não seja da imprensa mas do regime), é o poder que agora a controla e a mantém dependente, sim é o poder que manda, e isso é uma enorme contradição com a democracia, curiosamente outros instrumentos tornados mediáticos foram usados para desacreditar, enxovalhar, isolar e punir pessoas incomodas para o poder politico, aqueles que pensam diferente por exemplo. 

O poder instituído, seja ele de esquerda ou de direita, tornou-se numa coisa perigosa, afastou-se dos cidadãos, deixou de os escutar e criou uma classe superior em que só os que integram essa classe podem controlar o poder politico, económico e financeiro, a corrupção alastrou-se como seria de esperar, a exclusão social aumentou, a desigualdade é um cancro de que ninguém fala e como resultado a suposta democracia representativa, ideal do 25 de Abril de 1974, praticamente acabou, o regime é hoje mais parecido com uma ditadura do que com uma democracia representativa, quando a sua transformação deveria ir num sentido inverso, no sentido de uma democracia directa e participativa. 

A justiça parece que também não está muito bem, não há justiça para todos se não houver consequências para todos, na verdade ela parece ter sido cuidadosamente configurada e calibrada para lidar com a classe política dominante de uma forma muito particular e de uma outra forma também muito particular com o resto dos cidadãos. Parece-me a mim no mínimo estranho uma pessoa representando uma entidade superior relacionada com a justiça ser nomeada pelo poder político, questiona-se com legitimamente que independência pode ter essa pessoa para averiguar casos de abuso de poder, manipulação, corrupção, etc. 

O regime tem vícios e já são muitos. Deveria haver outras alternativas. A democracia é algo muito diferente do actual regime, onde o estado de direito não tem excepções. Não há estado de direito quando o estado não protege os seus cidadãos de abusos de poder e não verifica a observação pelos Direitos Humanos. Numa partidocracia classista não há espaço para quem pensa diferente, está restrito à mecânica ideológica da hierarquia dos partidos políticos, não há espaço para os outsiders, aqueles que defendem um modelo de democracia diferente, uma democracia mais abrangente, a democracia directa e participativa. Mas será ela possível? É claro que sim, que não haja dúvidas sobre isso. Uma Democracia Plena implica a participação de todos os cidadãos na democracia e nos assuntos do país sem exclusões, sem nuances e constrangimentos partidários. 

São ideais progressistas, mas eles são necessários para que a transformação seja possível, são princípios democráticos normais para um democrata, mas não para os antidemocratas que se afirmam ser democratas sem o ser, vestem a pele de democratas apenas para se manter no poder e tratarem dos seus próprios interesses, um verdadeiro democrata em caso algum diz não à democracia directa e participativa

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

O FALHANÇO DE ISRAEL TENTAR PROVOCAR A III GUERRA MUNDIAL SERÁ O INÍCIO DO FIM DA SÍRIA

O FALHANÇO DE ISRAEL TENTAR PROVOCAR A III GUERRA MUNDIAL SERÁ O INÍCIO DO FIM DA SÍRIA
A operação é bem clara. Israel e a França coordenaram um ataque a múltiplos alvos dentro da Síria sem o envolvimento dos EUA, mas com o conhecimento absoluto dos EUA sobre a operação para provocar a Rússia e a fazê-la atacar a inconsequente fragata francesa que ajudou no ataque aéreo de Israel.


Por Tom Luongo* | 19.09.2018 |


Há uma coisa que Israel teme mais do que qualquer outra coisa na Síria. A perda de sua capacidade de fazer voar os seus F-16 com impunidade e atingir quaisquer alvos que queira, reivindicando medidas defensivas para deter o Irão, o seu inimigo existencial.

Israel finalmente admitiu ter realizado mais de 200 missões desse tipo nos últimos 18 meses, das
quais apenas algumas poucas, fizeram recentemente algum tipo de manchete na media internacional.

E com o ataque furtivo a Latakia, que envolveu o uso de um avião de guerra russo EL-IL-ELINT como cobertura de radar, Israel agora não só elevou as tensões a um nível inaceitável, como também assegurou que este poderia ser o último assalto aéreo a poder ser capaz de executar.

A operação é bem clara. Israel e a França coordenaram um ataque a múltiplos alvos dentro da Síria sem o envolvimento dos EUA, mas com o conhecimento absoluto dos EUA sobre a operação para provocar a Rússia e a fazê-la atacar a inconsequente fragata francesa que ajudou no ataque aéreo de Israel.


Isso constituiria um ataque a um estado membro da OTAN e exigiria uma resposta da OTAN, obtendo assim a escalada exacta necessária para continuar indefinidamente a guerra na Síria e iniciar a Terceira Guerra Mundial.

Isso evitaria qualquer objecção a um conflito mais amplo do presidente Trump, que teria que responder militarmente a um ataque russo a um aliado da OTAN. Também reafirmaria a necessidade da a OTAN fazer um diálogo público, marginalizando ainda mais os ataques de Trump à Síria e qualquer acção tencionada por ele para a paz

Que isso tenha ocorrido dentro de um intervalo de 60 dias antes das eleições intercalares também não deve ser desvalorizado.

Este ataque ocorreu a poucas horas depois de os presidentes Erdogan e Putin negociaram um acordo "pacífico" para a província de Idlib declarando uma zona desmilitarizada (DMZ) de 15 a 20 quilómetros de largura para todos, incluindo os animais da Jabhat al-Nusra de Erdogan, que teriam de a cumprir. 

A paz começava a surgir na Síria mas Israel e os falcões de guerra em D.C. não tinham esse objectivo em mente.

Ao conduzir um ataque como este, Israel e o pessoal da OTAN perceberam que seria uma vitória para eles.

Se a Rússia atacasse a França, então a OTAN invocaria o Artigo 5 e eles teriam uma guerra mais ampla.

Se a Rússia não atacar, Putin perderá a face dentro da Rússia, a sua popularidade cairá 5 pontos e John Bolton começa a salivar perante a perspectiva de mudança de regime na Rússia. Sim, eles são tão insanos.

Foi uma manobra nitidamente de geopolítica, quase ao estilo judoca. A Rússia e a Síria pareciam estar à beira da vitória, estendendo-se eles próprios a um grande conflito que poderia resultar em meses de má imprensa. Estávamos já à espera de um possível ataque de armas químicas perfeitamente encenado, gritos de crise humanitária e tudo o mais da já cansada sinalização de virtude que podemos esperar dos funcionários diplomáticos dos EUA, que têm sido demasiado ordinários mesmo sob a administração de Trump.

O que obtivemos foi o oposto, um ataque cuidadosamente planeado contra as forças militares russas, onde os sistemas de defesa aérea da Rússia seriam culpados pela morte do próprio pessoal e um contra-ataque equivocado que justificaria a narrativa de Putin como um mau guerreiro. Para justificar uma invasão norte-americana da Síria, suspensa desde 2013, e a habilidade de Putin de neutralizar essa situação por meios diplomáticos.
Pela primeira vez, o sucedido quase parecia um plano bem pensado. Não houve as crueldades habituais de punhos presos nos quais fomos assistindo nos últimos anos. Mas aqui está o problema.

Não funcionou.

Ao nomear nomes e imediatamente não responder militarmente durante o "nevoeiro de guerra", a Rússia e Putin voltam a ser mais habilidosos do que os seus adversários.

Porque nada do que acabei de descrever acontecerá. E a França, Israel e os EUA foram os únicos a perder a face nesta situação. E com Israel traindo a paciência de Putin após os ataques aéreos de Abril em Damasco, ele não terá escolha a não ser actualizar os sistemas de defesa aérea da Síria dos S-200 para os S-300 e possivelmente para os S-400.

Este é o pior pesadelo para Israel. Uma situação em que qualquer ataque aéreo a alvos dentro da Síria seria uma missão suicida, perfurando o mito da superioridade das força aérea israelitas e mudando decididamente o delicado equilíbrio de poder na Síria.

É por isso que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu trabalhou tanto com Putin nos últimos dois anos. Mas este incidente pôs tudo em causa. Isto foi uma traição cínica da confiança e paciência de Putin. E Israel pagará agora o preço pelo seu erro de cálculo.

Dar à Síria os S-300 não vingará os quinze soldados russos mortos. Putin terá que responder a isso de uma maneira mais concreta para apaziguar os radicais no seu governo e na sua casa. A sua paciência e aparente passividade está a ser levada ao limite politicamente. Afinal de contas, esse é um benefício colateral para todos os falcões neo-conservadores e globalistas na DC, na Europa e em Tel Aviv.

Mas, a perda real aqui para Israel será a Rússia instituir uma zona de exclusão aérea sobre o oeste da Síria. Qualquer menor resposta de Putin será aproveitada e a situação se intensificará aqui. Assim, Putin terá que fornecer os S-300 à Síria. E quando isso acontecer, a solução real para a Síria começará a sério.

Porque nesse momento será a altura dos EUA invadirem a todo o vapor a Síria sem provocação, agora que uma solução está em vigor na Síria entre a Rússia e um membro da OTAN, a Turquia.

A única boa notícia em tudo isto é que as forças dos EUA não estavam envolvidas. Isso ainda me diz que Trump e Mattis ainda estão no comando da sua cadeia de comando e que outras forças estão conspirando para arrastá-los para um conflito que ninguém em suas mentes certas quer.

*Tom Luongo é analista político e económico independente baseado no Norte da Florida, EUA.
strategic-culture.org

AS REIVINDICAÇÕES OCIDENTAIS SOBRE A SÍRIA

AS REIVINDICAÇÕES OCIDENTAIS SOBRE A SÍRIA
 Omar Haj Kadour/Agence France-Presse/Getty Images
Enquanto no terreno, a guerra vai a caminho do fim e apenas resta Idlib para libertar dos terroristas, os Ocidentais retomam a campanha. Eles acabam de apresentar as suas reivindicações ao enviado especial da ONU, Staffan de Mistura. Sem surpresa, os Estados Unidos recusam o processo conduzido pela Rússia pela simples razão de que não tem participado nele, enquanto o Reino Unido e a França entendem impor instituições que lhes permitissem controlar o país por trás da cortina.

Por Thierry Meyssan

Staffan de Mistura
O enviado especial do Secretário-geral da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, recebeu em Genebra uma delegação do Grupo de Astana (Irão, Rússia, Turquia), depois, a 14 de Setembro, um outro do “Pequeno Grupo” (Arábia Saudita, Egipto, Estados Unidos, França, Jordânia e o Reino Unido).

Do lado ocidental, o Embaixador James Jeffrey e o Coronel Joel Rayburn chefiavam a delegação dos EUA, enquanto o Embaixador e antigo Director da Inteligência Externa (DGSE 2012-16), François Sénémaud, presidia à delegação francesa.

Cada delegação remeteu às Nações Unidas um documento secreto sobre as suas reivindicações, tendo em vista influenciar as negociações inter-sírias em curso. O Russia Today conseguiu filtrar o documento ocidental [1], tal como o Kommersant tinha revelado há duas semanas as directivas internas da ONU [2].

Primeira observação, o ponto 3 do documento do “Pequeno Grupo”(perceber “ petit groupe” no sentido de Grupo Restrito -ndT) repete a directiva interna da ONU: «Não haverá assistência internacional para a reconstrução nas zonas controladas pelo governo sírio sem um processo político credível conduzindo inelutavelmente à reforma constitucional e a eleições supervisionadas pela ONU, para agrado dos potenciais países doadores» [3].

A Alemanha, que participou em reuniões do “Pequeno Grupo”, não parece ter estado representada nesta reunião. Na véspera, o seu Ministro dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores-br), Heiko Maas, dessolidarizou-se desse ponto. Pouco antes de se encontrar com o seu colega russo, Serguei Lavrov, ele twittou que o seu país estava pronto a participar na reconstrução «se houver uma solução política que leve a eleições livres» [4] [5]. Para o “Pequeno Grupo” e para a ONU, a reconstrução não começará enquanto os países potenciais doadores não tiverem atingido os seus objectivos de guerra, quanto à Alemanha ela poderá acompanhar o processo de reconciliação política.

Segunda observação: os diferentes interlocutores internacionais fazem referência à resolução 2254 de 18 de Dezembro de 2015 [6]. No entanto, o “Pequeno Grupo” extrapola o sentido do texto. Enquanto a Resolução do Conselho de Segurança destaca que a redacção da Constituição é assunto exclusivo dos Sírios, entre si, o “Pequeno Grupo” afirma que ela deverá ser redigida unicamente por um Comité colocado sob os auspícios e controlado pela ONU.

Trata-se, evidentemente, de quebrar as decisões de Sochi, quer dizer destruir, ao mesmo tempo, o que foi feito nos últimos meses e opor-se ao papel da Rússia na solução da crise [7]. Os Estados Unidos querem manter o seu estatuto de potência indispensável, enquanto o Reino Unido e a França pretendem prosseguir o seu projecto colonial.

Terceira observação: O “Pequeno Grupo” não pretende apenas transferir a responsabilidade pela redacção da Constituição de Sochi em Genebra, ele tem já a ideia sobre o que ela deverá ser. Tratar-se-ia de reproduzir o modelo que Washington impôs ao Iraque e que lá mantém uma crise permanente para enorme benefício dos Ocidentais. Os poderes do Presidente seriam exclusivamente protocolares; os do Primeiro-ministro seriam nulos a nível regional; e os do Exército deveriam ser limitados.

As potências coloniais mantêm no Próximo-Oriente o seu poder por trás da aparência das democracias. Elas conseguem sempre constituir governos não-representativos dos povos. Desde 1926 no Líbano e depois de 2005 no Iraque, as instituições foram concebidas sobretudo para impedir que esses países se tornem novamente em Estados-nações. O Líbano está dividido em comunidades religiosas e o Iraque em regiões distintas com predominância de uma comunidade religiosa. Israel, por seu lado, já não tem governo representativo, não por causa da sua Constituição ---que não tem---, mas por causa do seu sistema eleitoral.

Quarta observação: enquanto a Resolução 2254 afirma que as eleições deverão ser realizadas sob a supervisão da ONU, o “Pequeno Grupo” considera que o órgão sírio encarregue da organização das eleições deverá trabalhar quotidianamente sob as ordens da ONU, nomeadamente no que diz respeito a possíveis queixas de fraude.

Assim, os Ocidentais guardam a possibilidade de anular resultados que não correspondam às suas expectativas: bastará apresentar uma queixa por fraude e declará-la justificada. O Povo sírio teria o direito de votar desde que caísse na armadilha que lhe será estendida e, ainda, na condição de que votasse naqueles que fossem escolhidos para si.

Na Europa, os cidadãos buscam a sua soberania, na Síria eles batem-se pela sua independência.

voltairenet.org
Tradução 
Alva
__________________________________

[1] “Declaração de Princípios para o Pequeno Grupo da Síria”, Tradução Maria Luísa de Vasconcellos, Rede Voltaire, 16 de Setembro de 2018.
[2] “Parâmetros e Princípios da Assistência das Nações Unidas na Síria”, Jeffrey D. Feltman, Tradução Maria Luísa de Vasconcellos, Rede Voltaire, 5 de Setembro de 2018.
[3] “There will be no international reconstruction assistance in Syrian-governement-held areas absent a credible political process that leads unalterably to constitutional reform and UN-supervised elections, to the satisfaction of potential donor countries”.
[4] “Wenn es eine politische Lösung in #Syrien gibt, die zu freien Wahlen führt, sind wir bereit Verantwortung beim Wiederaufbau zu übernehmen”
[5] “A Alemanha posiciona-se contra a directiva Feltman”, Tradução Maria Luísa de Vasconcellos, Rede Voltaire, 15 de Setembro de 2018.
[6] « Résolution 2254 (Plan de paix pour la Syrie) », Réseau Voltaire, 18 décembre 2015.
[7] “Consenso entre Sírios em Sochi”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 6 de Fevereiro de 2018.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

A UE NÃO FAZ NADA PARA IMPEDIR QUE OS EUA SE INTROMETAM NAS SUAS ELEIÇÕES

A UE NÃO FAZ NADA PARA IMPEDIR QUE OS EUA SE INTROMETAM NAS SUAS ELEIÇÕES
No ano passado, a “lista Soros” tornou-se pública. Continha os nomes de 226 eurodeputados de todas as partes do espectro político que estão ansiosos por promover as ideias de Soros, como a integração da Ucrânia na UE e, naturalmente, tomando uma posição contra a Rússia. Os legisladores da lista detêm aproximadamente um terço dos assentos no Parlamento Europeu! Eles votam de acordo com as instruções do magnata dos EUA. Mas não, este facto foi varrido para as sombras ocultas.


Por Alex Gorka | 17.09.201

As antigas histórias banais sobre a ameaça da “intromissão” russa nas eleições de outros países tornaram-se obsoletas. Como nenhuma evidência real foi apresentada, elas já não atraem mais a atenção do público. Acredita-se geralmente que a Europa pobre não está pronta para parar a Rússia, mas deveria estar, no momento em que as eleições parlamentares europeias prevista para Maio de 2019, se aproximam. Os avisos foram emitidos, o alarme soou, e recomendações foram apresentadas por grupos de reflexão. O ex-presidente da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, alertou para a "ameaça da Rússia" que já vem desde Março passado. Como não havia nada para substanciar na sua declaração, pode-se apenas supor que o ex-funcionário foi dotado com o dom da clarividência.

Actualmente a Europa está sob a ameaça de “formações populistas e neo-NAZIS” e a única maneira de combater isso é ficar unida. Em outras palavras, não deve haver reformas na UE, nenhuma mudança de política, os inocentes em Bruxelas continuarão a desfrutar das suas vidas tranquilas, tímidas sobre os planos nefastos daqueles que se opõem a eles, e os refugiados estarão livres para entrar até a UE explodir.

A Rússia fez algo especificamente para provocar as acusações de que planeia em se intrometer na corrida eleitoral europeia? Nada, mas há alguém que fez.

Não, a liderança da UE não está desanimada o suficiente para levantar o tom e chorar sobre as observações escandalosas feitas pelo embaixador dos EUA na Alemanha, Richard Grenell. Não vê necessidade de fazer nada sobre isso. Em Junho, o embaixador não se esquivou de prometer abertamente usar seu escritório para ajudar os nacionalistas de extrema direita inspirados por Donald Trump a tomar o poder em toda a Europa! Em entrevista à Breitbart News, Richard Grenell disse que estava "empolgado" com a ascensão de partidos de extrema direita no continente e queria "potenciar outros conservadores em toda a Europa, outros líderes". Essas foram as suas palavras literais!

Se isso não é interferência, então é o quê? Mas não, nenhum aviso foi emitido sobre o perigo da intromissão dos EUA nas eleições de Maio na Europa. Imagine o que aconteceria se um embaixador russo num país da UE dissesse isso publicamente! Grenell não vê nada de errado em elogiar a coligação do governo austríaco, que inclui o Partido da Liberdade que foi formado na década de 1950 por um ex-oficial nazista. Na verdade, ele deu uma palestra aos alemães sobre como o governo deles deveria ser. Parece que os tempos mudaram e intervir na política europeia em nome dos líderes de extrema-direita tornou-se a norma, pelo menos para os embaixadores dos Estados Unidos.

George Soros, um bilionário americano que se tornou uma das pessoas mais ricas do mundo administrando fundos de investimento especulativos e apostando em flutuações cambiais, intrometeu-se nas eleições europeias muitas vezes. A última eleição italiana é um exemplo. A sua Fundação Open Society gasta US $ 940 milhões por ano em 100 países em busca de objectivos políticos. Ele foi convidado a deixar a Rússia e a Hungria, o seu país natal, por interferir na política. A “rede Soros” tem grande influência no Parlamento Europeu e em outras instituições da União Europeia. Não é nenhum segredo que o bilionário é um veículo usado pelo Departamento de Estado dos EUA para interferir nos assuntos internos de outros países. A USAID e a rede Soros geralmente unem-se. No ano passado, seis senadores dos EUA assinaram uma carta pedindo ao Departamento de Estado que investigue o financiamento governamental de organizações apoiadas por Soros, mas sem sucesso. O Departamento de Estado sempre protege o financeiro.

No ano passado, a “lista Soros” tornou-se pública. Continha os nomes de 226 eurodeputados de todas as partes do espectro político que estão ansiosos por promover as ideias de Soros, como a integração da Ucrânia na UE e, naturalmente, tomando uma posição contra a Rússia. Os legisladores da lista detêm aproximadamente um terço dos assentos no Parlamento Europeu! Eles votam de acordo com as instruções do magnata dos EUA. Mas não, este facto foi varrido para as sombras ocultas. Não há ameaça à democracia, nenhum impacto negativo em qualquer eleição - nada para se preocuparem. Alguém pode imaginar o que aconteceria se fosse revelado que um oligarca russo com laços estreitos ao governo estivesse a manter uma lista de políticos europeus "aliados"? A Europa é inflexível quanto a combater a influência estrangeira e a “ameaça” vinda da Rússia. O facto de um terço dos eurodeputados serem "aliados" a George Soros não é uma grande coisa. É a suposta “intromissão” de Moscovo que impede os líderes da UE e os magnatas da média de adormecerem.

Steve Bannon, ex-conselheiro do presidente Trump, está bastante ocupado de momento. Ele está num processo de criar uma fundação sem fins lucrativos em Bruxelas chamada The Movement, para apoiar partidos anti-UE de direita durante as eleições ao Parlamento Europeu. O partido britânico UKIP já se comprometeu a trabalhar com ele. O objectivo a curto prazo é formar um Parlamento Europeu em que cada terceiro legislador pertença a um “super-grupo” de direita, de modo a que seja possível desarticular o processo parlamentar. “Nacionalismo populista de direita é o que vai acontecer. Estes são os que irão governar “, disse Steve Bannon ao Daily Beast. "Vocês vão ter estados-nação individuais com as suas próprias identidades, as suas próprias fronteiras." De acordo com a fonte, "A operação também deve servir como um elo entre os movimentos de direita da Europa e o Grupo de Liberdade pró-Trump nos EUA.” Ele quer uma operação centralizada e bem financiada, a fim de unir os direitistas. The Daily Beast cita Raheem Kassam, um ex-editor do Breitbart, que disse: "Esqueça os seus Merkels". Segundo ele, "Soros e Bannon serão os dois maiores actores da política europeia nos próximos anos". O que diriam os europeus se uma autoridade russa, anteriormente colocada no poder, com laços estreitos com o presidente, criasse um movimento político para influenciar abertamente a vida política do Velho Mundo?

O Movimento desafiaria o trabalho do filantropo George Soros e a sua fundação de esquerda, Open Society Foundations (OSF). Se eles tiverem sucesso, os americanos intimamente ligados ao governo dos EUA controlarão a política dominante da Europa. Um terço (Bannon) mais um terço (Soros) é igual a dois terços - uma maioria esmagadora composta de direitistas e esquerdistas.

O envolvimento dos EUA na política europeia é tão evidente e extenso que falar sobre “intromissão” russa soa a ridículo. Os americanos são livres para fazerem o que quiserem. Nunca ocorre aos líderes europeus soar o alarme e colocar a questão na agenda de segurança da UE. Eles estão ocupados demais a olhar para o outro lado enquanto fecham os olhos para o facto de que a intromissão que eles tanto temem já está a ocorrer sem impedimentos já há bastante tempo.

strategic-culture.org

domingo, 16 de setembro de 2018

PONTO DE TENSÃO NO MAR AZOV: RÚSSIA E UCRÂNIA À BEIRA DA GUERRA

PONTO DE TENSÃO NO MAR AZOV:  RÚSSIA E UCRÂNIA À BEIRA DA GUERRA


Por Peter Korzun, 16.09.2018

A Ucrânia aumentou sua presença militar na região do Mar de Azov. O Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia reuniu-se a 7 de Setembro e concordou em tomar uma série de medidas para aumentar a capacidade de combate do país, incluindo a criação de um grupo de infantaria naval equipado com mísseis para combater possíveis ataques anfíbios e bombardeamentos navais. Os barcos de artilharia blindados Gurza-M, da Ucrânia, foram trazidos para reforçar a componente naval das forças instaladas na região. 

A Rússia e a Ucrânia gozam da livre utilização do Mar de Azov no âmbito do acordo de 2003 entre a Federação da Rússia e a Ucrânia sobre a cooperação na utilização do mar de Azov e o estreito de Kerch. O documento está em vigor mas não especifica qualquer limite preciso. As partes concordam que o Mar de Azov e o Estreito de Kerch são as águas internas da Ucrânia e da Rússia.

As negociações arrastaram-se já há bastante tempo, mas não conseguiram produzir uma solução. A Ucrânia não quer reconhecer os direitos da Rússia, que são baseados no facto de que a Crimeia se juntou à Federação Russa. Além disso, as autoridades ucranianas insistem no seu direito de deter qualquer navio viajando para ou da Crimeia sem a permissão de Kiev. 

A Ucrânia pede a imposição de sanções internacionais contra os portos russos do Mar Negro, devido ao que chama de "bloqueio" do Mar de Azov. Já impôs medidas punitivas unilateralmente. As tensões têm aumentado desde Março, quando os navios foram detidos e revistados. A 24 de Março, guardas de fronteira ucranianos detiveram o navio de pesca Nord, de bandeira russa, com bandeira da Crimeia, no Mar de Azov. O navio foi sequestrado. Os membros da tripulação relataram ter sido interrogados e abusados ​​pelas autoridades ucranianas, que os responsabilizavam pelas leis domésticas, não reconhecendo a tripulação como cidadãos russos. Os marinheiros detidos foram finalmente libertados para regressar à Crimeia sem passaportes. A Ucrânia violou um número de acordos internacionais e isso marcou o início de uma campanha de acções provocadoras que têm sido travadas desde então. No mês passado, o petroleiro russo Mekhanik Pogodin foi detido no porto ucraniano de Kherson. A Rússia comparou o acção às actividades dos piratas somalis.

Os EUA estão a tomar um rumo para aumentar as tensões. O Departamento de Estado adoptou uma postura deliberadamente provocadora, instando a Ucrânia para o confronto. Sem se preocupar em estudar os detalhes, simplesmente coloca a culpa na Rússia como de costume por qualquer coisa que dê errado. Washington está incitando a Ucrânia a buscar uma solução militar, incluindo ideias irreais, porém perigosas, como usar os navios de guerra da OTAN para proteger as suas rotas de navegação, explorar o Mar de Azov ou usar embarcações de ataque velozes para cercar um grande activo naval russo. todas as direcções como uma matilha de lobos (Rudeltaktik). Essa tática foi inventado pelo Almirante Alemão Karl Dönitz durante a Segunda Guerra Mundial, quando "lobos" dos U-boats foram usados ​​para atacar navios de importância capital. O próprio facto de que tais ideias foram geradas e estão activas mostra como é insensato ajudar a Ucrânia, apoiando-a incondicionalmente. 

Stephen Blank, do Conselho de Política Externa Americana, um especialista norte-americano líder na Rússia, acredita que o governo dos EUA “deveria enviar mísseis anti-navios disponíveis a partir ou através do US-AGM-84 Harpoon Block II, AGM-158C LRASM A, e O Mississippi Naval norueguês” , bem como “uma plataforma de lançamento viável e um sistema de mira, particularmente um radar.” O autor acha que isso deve ser feito imediatamente, sem demora. O seu artigo foi publicado a 7 de Setembro pelo Atlantic Council, o prestigioso think tank que assessoria o Departamento de Estado e goza de grande influência entre os que moldam a política externa dos EUA. Num outro artigo, Blanc pede o fornecimento à Ucrânia de plataformas - navios mais antigos que foram desactivados ou estão prestes a serem substituidos. No mês passado, Mykola Bielieskov, vice-directora executiva do Instituto de Política Mundial, pediu o envio rápido para a Ucrânia do míssil anti-navio ER + do bloco II de Harpoon, permitindo que ele atacasse embarcações russas. A ideia de fornecer à Ucrânia navios de guarda costeira de classe Island está a ser considerada pelo governo dos EUA. No 1º de Setembro, Kurt Volker, Representante Especial dos EUA para as Negociações na Ucrânia, declarou que o governo dos EUA “está pronto para expandir o fornecimento de armas para a Ucrânia”. para construir as forças de defesa naval e aérea do país.”

Os poderes que não cumpriram as suas promessas de melhoraram as vidas das pessoas comuns na Ucrânia. As eleições presidenciais serão realizadas em Março de 2019. Um ameaçador bicho-papão russo é necessário para explicar os fracassos. A economia e as finanças do país estão em crise e a corrupção é impressionante. Nenhum dos problemas foi resolvido e o Ocidente está a ficar cansado da Ucrânia. O conto de fadas sobre a "política externa agressiva" de Moscovo vem a calhar quando os governantes ucranianos precisam de um bode expiatório. 

Ninguém precisa de um conflito armado na região do Mar de Azov. Vários países estão interessados ​​em proteger o direito de passagem livre, permitindo que as embarcações cheguem aos seus portos de destino sem risco ou atraso. A região não precisa de ser um ponto de tensão. Rússia e Ucrânia podem sentar-se numa mesa redonda para discutir questões polémicas, já que o acordo de 2003 estipula que as partes devem fazer algo no sentido de resolver as suas disputas, caso haja alguma, mas não é isso que o Departamento de Estado está a pedir. A única opção que o governo dos EUA está a considerar é o de fornecer armas à Ucrânia para combater a Rússia e depois incitar Kiev a intensificar as tensões. E essas já estão num ponto perigosamente alto. Uma faísca pode acender um grande incêndio a qualquer momento se o problema não for resolvido de forma positiva sem o barulho do sabre. É uma pena que os EUA estejam a desempenhar um papel tão destrutivo. É o momento certo para especialistas e funcionários russos e ucranianos deixarem de lado as suas diferenças e começarem a conversar para encontrar uma solução pacífica para esse problema urgente.

strategic-culture.org

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner