Janeiro 2014 -->

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A GUERRA SECRETA NA LÍBIA: O LEVANTAMENTO DA RESISTÊNCIA VERDE POR ERIC DRAITSER

A GUERRA SECRETA NA LÍBIA: O LEVANTAMENTO DA RESISTÊNCIA VERDE POR ERIC DRAITSER

 



Por Eric Draitser

As violentas batalhas que actualmente se registam no sul da Líbia não são meros conflitos tribais. Pelo contrário, elas representam uma possível tendência crescente para a aliança entre os grupos étnicos líbios negros e pró-Kaddafi, forças decididas a libertar o seu país de um governo da NATO-instalado e neocolonial.

No Sábado, 18 de Janeiro, um grupo de combatentes fortemente armados invadiram uma base da força aérea fora da cidade de Sabha, no sul da Líbia, expulsando as forças leais ao "governo" do primeiro-ministro Ali Zeidan, e ocupando a base. Ao mesmo tempo, relatos de dentro do país começaram a surgir, na qual a bandeira verde do Grande Povo Socialista da Líbia, Jamahiriya Árabe estava a esvoaçar sobre um certo número de cidades em todo o país. Apesar da escassez de informação verificável - o governo em Trípoli forneceu apenas vagos detalhes e confirmações - uma coisa é certa: a guerra na Líbia continua.

No terreno

Primeiro Ministro Ali Zeidan

O primeiro-ministro da Líbia Ali Zeidan convocou uma sessão de emergência do Congresso Nacional Geral para declarar o estado de emergência para o país após a notícia da tomada da base aérea. O primeiro-ministro anunciou que ordenou tropas para o sul para conter a rebelião, dizendo a jornalistas que, "Este confronto continua, mas em poucas horas ele será resolvido." Um porta-voz do Ministério da Defesa mais tarde afirmou que o governo central tinha recuperado o controle da base aérea, afirmando que "A força[aérea] foi preparada, e em seguida, as aeronaves levantaram voo e concentraram-se nos alvos ... A situação no sul abriu uma oportunidade para alguns criminosos ... leais ao regime de Kaddafi para explorar esta [base] e para atacar a base de Tamahind da força aérea ... Vamos proteger a revolução e o povo líbio ".

Além do ataque à base aérea, houve outros ataques a membros individuais do governo em Trípoli. O incidente mais grave foi o recente assassinato do vice-ministro da Indústria, Hassan al-Droui na cidade de Sirte. Embora ainda não esteja claro se ele foi morto por forças islâmicas ou combatentes da resistência Verde, o facto inegável é que o governo central está sob ataque e não é capaz de exercer a real autoridade ou garantir a segurança no país. Muitos começaram a especular que a morte do vice-ministro, mais que um acto isolado, um assassinato planeado, é parte de uma tendência crescente da resistência de figuras proeminentes da guerrilha pró-Kaddafi e Verdes.

 

O crescimento das forças de resistência Verdes em Sabha e por todos os outros lugares é apenas uma parte dum maior e complexo cálculo político e militar no Sul, onde uma série de tribos e vários grupos étnicos têm-se levantado contra o que eles consideram ser correctamente a sua marginalização política, económica e social. Grupos como as minorias étnicas Tawergha Tobou, sendo que ambos são grupos negros africanos, têm sofrido ataques brutais nas mãos de milícias árabes, sem qualquer apoio do governo central. Não só têm sido estes e outros grupos vitimas de limpeza étnica, como também são sistematicamente impedidos na participação da vida política e económica da Líbia.

As tensões vieram à tona no início deste mês, quando um chefe rebelde da tribo árabe Awled Sleiman foi morto. Ao invés de uma investigação oficial ou processo legal, os homens da tribo Awled atacaram os seus vizinhos negros Toubou, acusando-os de envolvimento no assassinato. Os confrontos resultantes, desde então, fizeram dezenas de mortos, demonstrando mais uma vez que os grupos árabes dominantes, continuam ainda a ver os seus vizinhos de pele escura como qualquer outra coisa, menos do que seus conterrâneos. Sem dúvida, isso tem levado a uma reorganização das alianças na região, com os Toubou, Tuareg e outros grupos minoritários negros que vivem no sul da Líbia, no norte do Chade e no norte do Níger aproximando-se das forças pró-Kaddafi. Se essas alianças são formais ou não continua a ser pouco claro, no entanto, é evidente que muitos grupos na Líbia têm chegado à conclusão de que o governo instalado pela NATO não cumpriu as suas promessas, e que algo deve ser feito.

A Política Racial na Líbia

Apesar da retórica bem pensante de intervencionistas ocidentais sobre a "democracia" e "liberdade" na Líbia, a realidade está longe disso, especialmente para os líbios de pele escura que viram o seu estatuto sócio-económico e político diminuir com o fim do governo da Jamahiriya de Muammar Kaddafi. Enquanto esses povos desfrutaram em boa medida de políticas de igualdade e protecção estabelecidas na lei de uma Líbia de Kaddafi, a era pós-Kaddafi veio a despoja-los de todos os seus direitos, em vez de serem integrados num novo estado democrático, os grupos líbios negros têm sido sistematicamente excluídos.






O Preto, o Verde, e a luta pela Líbia


Seria presunção assumir que as vitórias militares feitas pela resistência Verde pró-Kaddafi nos últimos dias serão de longa duração, ou que elas representam uma mudança irreversível na paisagem política e militar do país. Embora decididamente instável, o governo fantoche neocolonial em Trípoli é apoiada economicamente e militarmente por alguns dos interesses mais poderosos do mundo, o que torna difícil simplesmente derrubá-lo com pequenas vitórias. No entanto, estes desenvolvimentos fazem assinalar uma alteração interessante do cálculo inicial. Sem dúvida, há uma confluência entre as minorias étnicas negras e os guerrilheiros verdes tal como reconhecer o seu inimigo, como sendo as milícias tribais que participaram no derrube de Kaddafi, assim como o governo central em Trípoli. Se uma aliança formal emergir entre eles ficará depois para ser confirmada.

No seu relatório de 2011, a Amnistia Internacional documentou uma série de crimes de guerra flagrantes realizados pelos chamados "combatentes da liberdade" da Líbia, que, apesar de ter sido aclamado nos media ocidentais como "libertadores", aproveitaram a oportunidade da guerra para realizar massivas execuções de líbios negros, bem como dos clãs rivais e grupos étnicos. Isto é claramente o contraste grosseiro da forma como os líbios negros eram tratados sob o governo da Jamahiriya de Kaddafi  que foi mesmo elogiado em todos aspectos pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas no seu relatório de 2011, que observou que Kaddafi tinha tomado grandes medidas para garantir o desenvolvimento económico e social, bem como especificamente criando oportunidades económicas e protecções políticos dos líbios negros e dos trabalhadores migrantes de países africanos vizinhos. Com isto em mente, não é de admirar que a Al Jazeera tenha citado os guerrilheiros Tuareg pró-Gaddafi  em Setembero 2011 como, "lutar por Kaddafi é como um filho a lutar pelo seu pai ... [Estaremos] prontos para lutar por ele até à última gota de sangue ".

O quadro de confrontos dos Toubou e outros grupos étnicos negros com as milícias árabes, essa guerra, deve ser compreendida no contexto de uma luta contínua pela paz e igualdade. Além do mais, o facto de eles terem de se comprometer nesta forma de luta armada novamente, ilustra o ponto a que muitos observadores internacionais chegaram logo desde o início da guerra: A agressão da NATO nunca foi sobre a protecção de civis ou de direitos humanos, mas sim de uma mudança de regime por razões de interesses económicos e de geopolítica. Que a maioria da população, incluindo as minorias étnicas negras, estão hoje bastante pior do que jamais estiveram com Kaddafi, é um facto que está activamente reprimido.


Eric Draitser  é fundador do StopImperialism,com. É analista independente em Geopolítica em Nova York.

Tradução do original: Paulo Ramires


Acções de milícias pró-NATO na Líbia

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

LÍDER DA AL-QAEDA QUER O FIM DOS ATAQUES ENTRE TERRORISTAS NA SÍRIA

LÍDER DA AL-QAEDA QUER O FIM DOS ATAQUES ENTRE TERRORISTAS NA SÍRIA

O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, pediu o fim dos confrontos entre os jihadistas da Al-Qaeda e os guerrilheiros islâmicos que lutam para derrubar o regime da Síria,  numa mensagem de áudio divulgada na Internet.

Zawahiri pediu a todos os grupos jihadistas e "todas as pessoas livres na Síria que querem destituir [o presidente Bashar] al-Assad ... devem procurar um fim na luta entre irmãos na jihad e do Islão imediatamente ", na gravação carregado no Youtube, na noite de quarta-feira.

A nova frente do conflito iniciado à quase três anos, na Síria formou-se no início de janeiro, quando grupos de terroristas poderosos combinaram-se para atacar bases do Estado Islâmico do Iraque e Síria, ou EIIS [ISIS].

Em alguns casos, al-Nusra Front, associada da Al-Qaeda oficialmente reconhecida na Síria, participou em combates contra o ISIS cujo líder Abu Bakr al-Baghdadi pediu reconciliação no domingo.

No entanto o porta voz do ISIS Abu Mohammed al-Adnani usou um tom desafiante na sua mensagem áudio no princípio de Janeiro, pedindo às forças da ISIS para “esmaga-los (os rebeldes[terroristas]) todos eles e matar a conspiração à nascença".




O número de combatentes com ligações à al-Qaeda no activo na Síria cresceu rapidamente de 2000 para mais de 30.000 em apenas dois anos, afirma  um alto funcionário de inteligência israelita citado pelo Telegraph.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

UE-NATO: JOGANDO À DEFESA

UE-NATO: JOGANDO À DEFESA


Julian Lindley-French, Bruxelas, Bélgica.

A UE e a NATO estão numa crise profunda. A UE, porque é a) organizada em torno da Alemanha, que por razões históricas compreensíveis desvaloriza o poder militar, ao mesmo tempo que valoriza a influência económica e política; b) A Grã-Bretanha, uma das duas grandes potências militares, está agora tão marginalizada que está a considerar sair; e c) A zona euro não pode olhar para além do Euro. A NATO está em crise porque o seu principal ipulsionador está aos poucos a  estendendo-se por todo o mundo. Goste-se ou não, a cada vez maior extensão pelo mundo de uma América incerta que em breve será incapaz de ter uma credibilidade eficaz na Ásia e no Médio Oriente ao mesmo tempo. China e Rússia estão a certificar-se de que assim o é. Ambos estão em crise, porque é frequente os políticos europeus confundir estratégia com política.

Esta manhã, tive a honra de dirigir a conferência da Associação do Tratado do Atlântico sobre o pós-2014 NATO. Na conferência pediram-me para abordar quatro questões relativas ao papel da UE no Conceito Estratégico da NATO, as acções da UE e da NATO devem levar ao aumentar da cooperação e as preocupações que tal cooperação criam para ambas as instituições. Isto foi esclarecedor porque era o mais próximo que a conferência veio a abordar na questão real que a Europa enfrenta - como podem os europeus encerrar a falta de estratégia de "hard power" que cresce de dia para dia e que está a destruir a capacidade dos europeus para influenciar, assegurar e, se for necessário defender até mesmo os seus interesses vitais?

A necessidade é premente. Primeiro, de acordo com a Autoridade Internacional de Energia, os Estados Unidos vão ser auto-suficiente em petróleo e gás a partir de 2025. Em segundo lugar, de acordo com um relatório de 2010 do Citigroup, enquanto a Europa Ocidental representaram 48% do comércio mundial em 1990, em 2013 foi de 34%, e está previsto cair para 19% em 2030 e 15% até 2050. A Rússia pretende injectar cerca de 775.000 milhões dólares americanos em 2022 para novos armamentos e para um exercito mais profissional. Pequim aumentou o orçamento da defesa chinesa para 11,2% em 2012, o mais recente aumento de dois dígitos cresce desde 1989.

http://euobserver.com/media/src/d85088de68d2a605fa0eda0062fdf48c.jpg

Por outras palavras, (1) os europeus terão de fazer muito mais e terão de ser muito mais credível, no futuro, como promotores de segurança 'dentro e na vizinhança da Europa, (2) se a Europa como um todo fornecer as ferramentas de influência - a diplomacia, a ajuda e desenvolvimento e o "hard military power" sobre o qual é construída a influência, ela vai precisar de investir colectivamente em recursos e capacidades e em seguida, re-organizar-se radicalmente. Infelizmente, a 19-20 Dezembro [2013] a cimeira de SCPD (Segurança comum e Politica de Defesa) da UE será mais uma oportunidade perdida, em que muito pouco será apresentado como muito.

A Parceria Estratégica UE-NATO deve ser estabelecido num princípio estratégico euro-atlântico simples: manter a América forte na Ásia, preenchendo a lacuna estratégia emergente dentro e na vizinhança da Europa. Isso resultará numa melhor informação na gestão de crises, capacidades de desenvolvimento e consultas políticas. O abandono deste princípio tem permitido Moscovo sentir uma oportunidade de interferir nas grandes implicações estratégicas e Euro-estratégicas das quais são por demais evidente na Ucrânia.

O que está a acontecer em vez disso é a paralisia do grande poder político e institucional que vai ficando de fora das decisões institucionais. Por outras palavras, tanto a UE como a NATO precisam de um "grande poder" para funcionar e uma "grande potência" para funcionar correctamente em conjunto.

As minhas receitas para a cooperação UE-NATO são, portanto, radicais. A estrutura deve se submeter ao poder. Primeiro, o Serviço Europeu para a Acção Externa da UE deve ser devidamente configurado para que ele se posicione para além da gestão da crise diária entre o Conselho Europeu e a Comissão Europeia (para não mencionar os Estados-membros).

Em segundo lugar, tanto a UE como a NATO devem ser vistos pelo aquilo que são; meios para um objectivo estratégico para os estados envolvidos. A cooperação deve, portanto, ser estabelecida numa base pragmática de agregação eficiente e eficaz de poder e influência. Isso significa olhar para bem mais do que a moribunda Parceria Estratégica UE-NATO  (que não é nem estratégica nem parceria) para concentrar-se num plano de cooperação para o desenvolvimento entre agora e 2020, estabelecido em vários programas.

Os programas devem incluir (inter alia [entre outros]) exercícios conjuntos e treino com base nas lições de mais de uma década de operações; a promoção de clusters de aquisição; ensaio civil-militar (Abordagem Integral), procurando maneiras de repartição do custo de modernização militar, o investimento em capital humano através educação na defesa e segurança harmonizada, e para os países europeus mais pequenos o início da integração na defesa pela repartição dos gastos de administração de funções para a investigação. Para essa integração ocorrer seria necessário preencher a lacuna da estratégia da Europa, independentemente de qualquer uma outra da UE ou da NATO. Na verdade, todo o debate sem sentido sobre um super-estado europeu está realmente impedindo a integração da defesa e não a promovê-la.

Em Novembro o secretário-geral da NATO Otan, Rasmussen disse: "Precisamos desenvolver capacidades, não burocracias ..." Na Europa de hoje, ninguém fala mais em poder, agora só se fala em instituições.


Mas aqui está a esfregona, na próxima semana, a "Cimeira Europeia de Defesa" muito anunciada na UE está agendada para se realizar. Parte de sua missão era preparar o caminho para as relações UE-NATO mais construtivas na Cimeira da NATO em Setembro de 2014. Fontes bem colocadas agora dizem-me que a defesa não será discutida pelos líderes europeus até ao almoço no segundo dia, assim apenas 90 minutos e mais 45 serão dedicados a assuntos de defesa-industrial.

[Dezembro 2013]

sábado, 25 de janeiro de 2014

OPOSIÇÃO UCRANIANA E O OCIDENTE BRINCAM COM O FOGO AO COLAREM-SE JUNTO DE NACIONALISTAS EXTREMISTAS

OPOSIÇÃO UCRANIANA E O OCIDENTE BRINCAM COM O FOGO AO COLAREM-SE JUNTO DE NACIONALISTAS EXTREMISTAS

 



Existe o perigo de que a extrema-direita ucraniana esteja a servir o propósito politico dos lideres aparentemente moderados, que na verdade querem uma revolução, Mark Almond, professor de história na Universidade de Oxford, disse à RT.

Almond acredita que a chamada oposição moderada tem desejado uma ascensão do nacionalismo durante os motins. A Revolução Laranja correu mal em 2004-05, precisamente porque os protestos foram pacíficos, eles levaram a uma repetição das eleições, mas apesar de Yanukovich ter perdido, "ele perdeu por uma margem muito reduzida e permaneceu um candidato político viável com um grande apoio politico, e ganhou, claro, as eleições de 2010." Assim, os opositores de Yanukovich reconhecem agora que "se se forçar simplesmente novas eleições não se mudará radicalmente o sistema político. "

"Eles querem marginalizar Yanukovich e o seu Partido das Regiões, os seus apoiantes. Então será preciso uma revolução não-constitucional. Lembre-se de que uma das estações de televisão da oposição tem agora como principal atracção da estação, a estação da Revolução", acrescenta Almond à RT.


 

Como exemplo, ele mencionou a retórica de Klitchko.

"Vitaly Klitchko falá em língua bifurcada: quando ele fala em Inglês ou Alemão para a comunicação social ele fala sobre a necessidade de protestos pacíficos, a necessidade de novas eleições, mas no entanto aos seus partidários diz que Yanukovich é como Ceausescu e Kadafi. Se ele diz que o presidente da Ucrânia é como Kadafi, o que ele está a dizer é que ele é um ditador que deve ser linchado como Kadafi o foi no final de 2011 ", refere Almond.

"Portanto, há um risco de que a extrema-direita, que existe, os nacionalistas radicais e de facto perto dos elementos nazistas, estão na verdade a servir o propósito político dos líderes aparentemente moderadas. Isso quer dizer que eles querem derrubar o Estado existente, eles não confiam em eleições, porque temem que, mesmo que vençam as eleições, há sempre um suficientemente grande apoio a Yanukovich e que o seu movimento político iria sobreviver e voltar novamente, tal como aconteceu após o fracasso da Revolução Laranja ", acrescenta.

 

Assim, "os chamados liberais e moderados estão brincando com o fogo", Almond conclui, dizendo que a multidão extremista agora entrando em confronto com a polícia nas ruas pode se voltar contra eles, também. "É uma situação muito instável, e eu acho que Vitaly Klitchko, Yatsenyuk, Parshenko - esses líderes a quem o Ocidente cortesia - estão brincando com fogo, e assim também o Ocidente", acredita Almond.

"Eles querem um colapso do governo de Yanukovich, uma espécie de revolução. Eles, é claro, então querem deslizar com segurança para o escritório presidencial e nos assentos do poder, mas eles vão ter de ficar dependentes dessa multidão enfurecida, esses nacionalistas radicais da Ucrânia que cantam "slogans" anti-russos, "slogans anti-semitas", e é claro que têm um gosto pela violência, e, se vai-se a ver se eles serão capazes de derrubar Yanukovich, como as pessoas que levaram à revolução", disse à RT. "E é claro que já vimos no passado uma vez que se conduziu a eleições como a base do poder político a ir parar à multidão na rua, entrar de assalto os edifícios do governo, que pode sair fora de controle: as pessoas que se pensa que são os líderes de hoje podem-se ver marginalizadas, as pessoas que hoje estão a desejar usar incitações à violência, denunciando o actual governo como sendo tirano pode-se ver alvo amanhã das mesmas pessoas que estão atirando os coquetéis molotov. "

 

Mark Almond também aponta que a situação é "um sinistro, jogo cínico pelo poder político na Ucrânia, que tem implicações para o funcionamento das constituições da Europa Ocidental, para o funcionamento da nossa própria democracia."

"Eu acho que é um sinal de algo sinistro, não só para a Ucrânia como também para os países democráticos da UE e para os EUA, os seus governos e as instituições democráticas em Bruxelas, estão a seguir ao lado de uma multidão tumultuosa nas ruas", disse.

"O governo de Yanukovich recusou-se a assinar o acordo de associação com a UE - o que provocou o protesto. Por outras palavras, Yanukovich tem uma avaliação negativa para a UE e para a América, ele não fez o que queríamos. E se um governo dentro da UE começar a dizer que não concordo inteiramente com isto ou aquilo, irão também eles ver uma multidão patrocinado nas ruas, irão também eles ver dentro de um país dentro da UE uma ameaça para a ordem constitucional se você não seguir a linha que os burocratas de Bruxelas definiram", Almond disse à RT.

As autoridades ucranianas deveriam levar mais a sério o fascismo



Ambos os governos da Europa Ocidental e os EUA, bem como as autoridades ucranianas, deve estar mais conscientes dos perigos do fascismo, diz Nicolai N. Petro, professor de ciência política na Universidade de Rhode Island.

"Quaisquer que sejam as nobres intenções desses manifestantes, eles têm sido usados por forças muito sinistras e obscuras, e é triste ver os governos do outro lado da fronteira, na Europa Ocidental e nos EUA, não compreendem os perigos do fascismo para um governo que está dividido e incapaz de tomar medidas decisivas ", disse Petro à RT.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

CIMEIRA DE GENEBRA 2 SOBRE A SÍRIA EM MONTREUX NA SUÍÇA - CONFERENCIAS DE IMPRENSA REALIZADAS HOJE




CIMEIRA DE GENEBRA 2 SOBRE A SÍRIA EM MONTREUX NA SUÍÇA - CONFERENCIAS DE IMPRENSA REALIZADAS HOJE




















CONFRONTOS VIOLENTOS NO CENTRO DE KIEV NA UCRÂNIA ENTRE PROTESTANTES E FORÇAS POLICIAIS - DIRECTO

CONFRONTOS VIOLENTOS NO CENTRO DE KIEV NA UCRÂNIA ENTRE PROTESTANTES E FORÇAS POLICIAIS - DIRECTO





A polícia de choque dispersou violentamente os manifestantes do centro de Kiev, na maior operação desde o último surto de violência. Quase 200 policiais foram feridos nos últimos quatro dias de confrontos. Duas pessoas foram mortas e 40 ficaram feridas nesta crise. Também os jornalistas são vitimas neste braço de ferro entre governo e manifestantes, são já mais de 20 de vários órgãos de comunicação social locais e estrangeiros atingidos. Veja as imagens em directo.

 

Foto: FT

CIMEIRA DE GENEBRA 2 EM MONTREUX NA SUÍÇA INICIA-SE COM POSIÇÕES MUITO EXTREMADAS E MUITAS DIVISÕES ENTRE AS DELEGAÇÕES

CIMEIRA DE GENEBRA 2 EM MONTREUX NA SUÍÇA INICIA-SE COM POSIÇÕES MUITO EXTREMADAS E MUITAS DIVISÕES ENTRE AS DELEGAÇÕES

Cidade de Montreux na Suíça onde será realizada a cimeira de Geneve 2

Realiza-se hoje a cimeira para a resolução do conflito sírio o Geneve 2 em Montreux na Suíça, a reunião irá decorrer num clima bastante tenso entre as partes envolvias no conflito, tendo as Nações Unidas retirado o convite já enviado ao Irão, aliado do presidente sírio Bashar al-Assad em resultado de a oposição síria - principalmente o Concelho Nacional Sírio que é o maior grupo de oposição a Assad - com base em Londres ameaçar não participar na cimeira, e pela acção dos EUA, Arábia Saudita, Reino Unido e outros países que apoiam a aposição síria. São 39 os países que vão participar nas negociações em Montreux, na Suíça. Ban Ki-moon, secretário geral das NU também convidou outros nove países que têm interesse no conflito sírio, referindo que a sua presença seria um indicador importante de solidariedade. Estes incluem representantes da Austrália, Bahrein, Bélgica, Grécia, a Santa Sé, Luxemburgo, México, Holanda e República da Coreia.


Marcha de membros do grupo armados extremista do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) na cidade Síria de Ragga. (Fonte: AP / AP)

O conflito sírio já provocou mais de 130.000  mortos e fez a 9,5 milhões de deslocados, tendo o seu numero não parado de aumentar, havendo ainda previsões de os números aumentarem ainda mais. O conflito teve origem em 2011 com o surgimento de grupos terroristas vindo principalmente de fora do país e que se concentraram por todo o território da Síria em particular no ocidente e na capital de Damasco, desenvolvendo uma guerrilha ou Jihad contra as forças do regime sírio como a Al-Qaeda, al-Nusra Front, Estados Islâmicos do Iraque e do Levante (ISIL) [que luta contra a Síria e o Iraque] ou a Frente Islâmica criada segundo os analistas pelos EUA e ainda outros grupos não federados. Segundo um relatório na ONU serão 83 os países a fornecerem guerrilheiros a estes grupos terroristas. O caos é enorme chegando mesmo ao ponto de estes grupos se confrontarem entre eles e as suas próprias familiares.


O QUE SERÁ TRATADO NA CIMEIRA


O presidente sírio, Bashar al-Assad

O futuro papel do presidente sírio, Bashar al-Assad foi afirmada como uma "linha vermelha" para a delegação do governo nas negociações de paz, referiu o ministro das Negócios Estrangeiros ontem, na véspera de sua abertura. "As questões do presidente e do regime são a linhas vermelhas para nós e para o povo sírio", informou a agência de notícias oficial SANA citando Walid Muallem, pouco antes da sua delegação ter chegado na bela cidade suíça de Montreux para as negociações. Numa entrevista à agência de notícias, Agence France-Presse, Assad deixou claro que não tem intenção de abandonar o poder e disse que pretende candidatar-se à reeleição este ano. "Eu não vou hesitar nem um segundo para concorrer às eleições", "Em suma, podemos dizer que as possibilidades da minha candidatura são significativos."


 
Oposição ao presidente sírio do Concelho Nacional Sírio, principal força de oposição

Walid Muallem criticou a organização da cimeira pela sua incapacidade em conseguir convidar uma delegação separada da oposição armada tolerada pelo governo em Damasco que se opõe à rebelião armada. "A ONU cedeu à pressão do Ocidente, recusando-se a convidar a oposição nacional", acusou ele.



Ministro dos Negócios estrangeiros da Rússia Sergei Lavrov

Para a Rússia os grupos terroristas ligados à Al-Qaeda são actualmente a principal ameaça para a Síria, e sugere que Genebra 2 deve elaborar formas para a sua neutralização, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, refere que "um grande problema, que se agravou durante a crise da Síria, é uma onda de extremismo e terrorismo. Políticos mais sérios admitem que as operações de grupos terroristas ligados à Al-Qaeda representam a principal ameaça para a Síria nos dias de hoje", "a elaboração de formas para a sua neutralização deve tornar-se uma prioridade da conferência de Genebra 2", frisou.numa conferência de imprensa em Moscovo na terça-feira.




John Kerry, Secretário de Estado dos EUA

Para os EUA a principal preocupação é afastar
Bashar al-Assad do poder, segundo Kerry, as conversas, tidas informalmente como "Genebra 2", realizada em Montreux, foram sobre a realização de um plano para uma solução política sob a qual os dois lados juntos possam chegar a acordo sobre um governo de transição.


"Para quem quer reescrever essa história ou para quiser sujar as águas, deixem-me dizer mais uma vez sobre o que é o "Genebra 2", afirmou Kerry. "Trata-se de estabelecer um processo essencial para a formação de uma transição ... um governante com plenos poderes executivos estabelecidos por mútuo consentimento."

Os Estados Unidos assumiram a posição de que "por consentimento mútuo" significa que o presidente sírio Bashar al-Assad não pode tomar parte em qualquer governo de transição, porque a sua participação seria rejeitado pela oposição.





ENTREVISTA A MICHEL CHOSSUDOVSKY, DIRECTOR DO CENTRO DE INSTIGAÇÃO PARA A GLOBALIZAÇÃO SOBRE A SITUAÇÃO NA SÍRIA E GENEVE 2







-----------------
COMUNICADO DE GENEVE
O comunicado foi emitido em 30 de Junho de 2012 depois de uma reunião na cidade suíça de Genebra do Grupo de Ação da ONU para a Síria.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A UNIÃO EUROPEIA NECESSITA DA ENERGIA RUSSA MAS REJEITA OS ESFORÇOS DE MOSCOVO NA INTEGRAÇÃO DA EUROÁSIA

A UNIÃO EUROPEIA NECESSITA DA ENERGIA RUSSA MAS REJEITA OS ESFORÇOS DE MOSCOVO NA INTEGRAÇÃO DA EUROÁSIA

 

A União Europeia e a futura União Económica da Euroásia que será criada em 2015 

Parece que os europeus foram seriamente ofendido com a ajuda de Moscovo à Ucrânia, que tinha congelado a assinatura do acordo sobre a adesão de associação com UE na qual tinha feito uma escolha a favor do desenvolvimento das relações com o seu vizinho oriental. A próxima cimeira UE-Rússia, a 32º, em Bruxelas, a 28 de Janeiro será realizada num formato restrito e sem um jantar tradicional. Diplomatas explicam isso com a necessidade de se concentrar em coisas mais importantes e o mais rapidamente possível.

Nem dois dias, mas apenas duas horas foram atribuídas agora para os parceiros para discutir as questões fundamentais das relações entre a Rússia e a União Europeia. Moscovo e Bruxelas concordaram que a consideração dos detalhes de vários projetos conjuntos podem esperar, e eles precisavam de se concentrar nas questões de parceria estratégica .

A questão, é claro, a preocupação com a economia e, mais especificamente - a energia, o comércio, as obrigações internacionais e a política de vizinhança. É improvável que o Presidente da Rússia e seus colegas europeus sejam capazes de evitar falar sobre a situação na Ucrânia, à luz dos acontecimentos dos últimos meses". A questão é que a União Europeia rejeita categoricamente a integração de Moscovo nos esforços na região da Euroásia, assim refere o especialista do Instituto da Europa Vladislav Belov.



"Estamos a falar sobre a União Aduaneira da Rússia, Bielorrússia e Cazaquistão e a criação em 2015 da União Económica da Euroásia. No âmbito do novo e incipiente acordo ainda congelado entre a Rússia e a UE, Bruxelas não concorda com tal desenvolvimento de eventos, assegurando a Moscovo que o vector da Euroásia contradiz os interesses da União Europeia e está fora do âmbito das relações bilaterais. O lado russo, por sua vez, insiste que os processos de integração no espaço pós-soviético servem os interesses de ambos os lados".

A maioria das actuais contradições entre os parceiros são derivados desta discordância fundamental. Aparentemente, não é por acaso que após a derrota dos defensores do "EuroMaidan's" na Ucrânia e no exterior, que tentam por todos os meios arrastar este país para um "Paraíso Europeu" contrária à lógica mais elementar e dos interesses económicos dos ucranianos, o diálogo sobre um regime de isenção de vistos entre a Rússia e a UE está suspenso mais uma vez. Aqui está o que o analista político Alexei Kuznetsov disse à Voz da Rússia sobre esta matéria.

"Nós vemos a relutância da UE para avançar nesta direcção por motivos políticos. E esta é a questão fundamental, ela [a integração da Euroásia] abre o caminho para a criação do espaço comum entre a Rússia e a UE, que foi anunciada há muitos anos. Sob a barreira actual na forma do regime de vistos, é difícil esperar por um maior desenvolvimento de contactos humanitários, pesquisas científicas intensivas, e verdadeiros laços de pequenas e médias empresas. A UE quer-nos dar a volta mais uma vez."

As questões relacionadas com as tentativas de descriminação das empresas russas no âmbito do terceiro pacote energético não estão resolvidos ainda. Nem tudo está a funcionar perfeitamente entre a Rússia e a UE, após a recente entrada na ex-OMC[Organização Mundial do Comercio]. Assim, os países europeus vão continuar com as suas políticas protecionistas em relação aos seus próprios produtores e oporem-se a medidas semelhantes por parte de Moscovo.  

Os parceiros não têm também chegado a mútuo acordo sobre a questão relacionada com a exigência da Comissão Europeia para rever a base legal da construção do gasoduto South Stream. Os técnicos  europeus acreditam que os acordos bilaterais da Rússia com a Alemanha, Áustria, Bulgária, Hungria, Grécia, Eslovénia, Croácia e Sérvia violam a legislação da UE. Ao mesmo tempo eles esquecem que os acordos intergovernamentais sobre o direito internacional prevalecem sobre toda a legislação europeia. No presente contexto político, parece ser mesmo indevidamente lembrar a criação do sistema de defesa anti-mísseis na Europa. Neste sentido, o progresso não está nem mesmo a uma distância de saudação.

No entanto, é a economia real que está por de trás dessas tendências não muito optimistas. E as coisas não estão assim tão más neste campo. O volume de comércio entre a Rússia e a UE é estimado em centenas de biliões de dólares e não há razões objectivas para oscilações acentuadas, especialmente para o lado negativo. Dezenas de milhões de habitantes do Velho Mundo têm uma necessidade diária em recursos energéticos russos, e esse facto não pode ser facilmente metido na gaveta. Assim, nem Moscovo nem Bruxelas irão beneficiar de agir em detrimento do equilíbrio estabelecido mutuamente e de beneficiar de projectos de longo prazo conjuntos para o bem das actuais diferenças políticas, ainda que de natureza fundamental.

Ilya Kharlamov

As the Eurasian customs union’s influence on the world stage and in Europe’s neighborhood is likely to increase, the EU should attempt to understand the project and find ways to protect its own interests.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

CHINA CONFIRMA TESTE DE ARMA ESTRATÉGICA HIPERSÓNICA (HGV)

CHINA CONFIRMA TESTE DE ARMA ESTRATÉGICA HIPERSÓNICA (HGV)

The Long March 2F rocket taking off from the Jiuquan Satellite Launch Center in northwest China. Beijing has been ramping up its investments in space technology, especially with the recent test of a hypersonic vehicle


A China confirmou a realização de um voo de teste de um novo veículo de entrega de mísseis hipersónicos capaz de transportar ogivas nucleares com uma velocidades recorde. O teste é puramente científico e não dirigido a qualquer país, disse o Ministério da Defesa chinês.

Segundo o jornal Washington Free Beacon na segunda-feira citando funcionários do Pentágono dos EUA diz que um veículo hipersónico glide (HGV) foi detectado voando a dez vezes a velocidade do som sobre a China a 9 de Janeiro. As autoridades acrescentaram que o veículo-míssil de ultra-alta velocidade visa "transportar ogivas através do sistema de defesas anti-mísseis dos Estados Unidos." O HGV chinês apelidado de WU-14 terá sido projectado para ser lançado na fase final do sistema de mísseis balísticos intercontinental da China. O seu alcance em termos de velocidade hipersónica será supostamente entre Mach 5 e Mach 10, ou 3.840 a ​​7.680 milhas por hora.

Segundo explica Mark Stokes, um antigo oficial da US Air Force que disse ao Washington Free Beacon que a China está a desenvolver dois programas de veículo do tipo voo hipersónico - um que se acredita ser de um veículo "pós-boost" projectado para ser implantado a partir de um míssil que persegue o alvo a partir do espaço próximo, ou a cerca de 62 quilómetros da terra. Baseando a sua hipótese em relatórios com origem na China, Stokes acredita que os veículos hipersónicos de deslize (Glide) podem chegar à velocidade Mach 12 ou de até 9.127 milhas por hora, podendo comprometer o sistema de defesa de mísseis dos EUA.

Nos EUA o programa de desenvolvimento hipersónico é actualmente realizado por intermédio do programa FALCON em associação com o Pentágono e a Força Aérea. Os EUA procedem ao aperfeiçoamento do Lockheed HTV-2, uma aeronave não tripulada, lança-mísseis capaz de ganhar velocidade de até Mach 20, ou 13 mil milhas por hora. A Força Aérea dos EUA também desenvolve o X-37B Space Plane, que órbita sobre a terra desde Dezembro de 2012.


Imagem da empresa americana DARPA da tecnologia Falcon Hypersonic, Veículo 2 (HTV-2)

A Rússia também confirmou o desenvolvimento da tecnologia hipersónica similar. A Força Aérea Nacional e o Centro de Inteligência Espacial, referiu no seu relatório anual que a Rússia está a construir "uma nova classe de veículos hipersónicos", que irá permitir que mísseis estratégicos russos possam penetrar em sistemas de defesa com com mísseis". Moscovo refere que este tipo de armas hipersónicas poderão viajar à velocidade de Mach 5 ou ainda mais rápido por volta de 2018 e 2025.

"Estamos a passar por uma revolução na ciência militar", refere o vice-primeiro ministro russo, Dmitry Rogozin, que em Junho passado, após o quarto teste de um míssil avançado road-mobile ICBM, um "assassino de defesa de mísseis" chamado RS-26 Rubezh ('frontier') . " Nem os actuais nem os futuros sistemas de defesa anti-mísseis americano serão capazes de impedir que um míssil alcance o seu alvo". Moscovo desenvolve também um sistema de defesa aérea e espacial o S-500, com interceptadores capazes de abater mísseis hipersónicos.


Falcon Hypersonic, Veículo 2 (HTV-2 - AFP/ Defense Advanced Research Projects Agency DARPA)

Além da China, EUA e da Rússia também a Índia tem um programa de desenvolvimento deste tipo de armas que são desenvolvidas para a orientação de alvos precisos, e a nível da defesa espacial.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

EUA, RÚSSIA E O ENVIADO ESPECIAL DAS AS NAÇÕES UNIDAS-LIGA ÁRABE PARA A SÍRIA LAKHDAR BRAHIMI REUNIRAM-SE ESTA SEGUNDA-FEIRA NA EMBAIXADA DOS EUA EM PARIS PARA PREPARAR A CONFERENCIA DE PAZ PARA A SÍRIA

EUA, RÚSSIA E O ENVIADO ESPECIAL DAS AS NAÇÕES UNIDAS-LIGA ÁRABE PARA A SÍRIA LAKHDAR BRAHIMI REUNIRAM-SE ESTA SEGUNDA-FEIRA NA EMBAIXADA DOS EUA EM PARIS PARA PREPARAR A CONFERENCIA DE PAZ PARA A SÍRIA

Edifícios destruídos em Salah al-Din arredores na cidade de Aleppo no norte da Síria.


O Secretário de Estado John Kerry, o seu homologo Sergey Lavrov e o enviado especial das nações Unidas-Liga Árabe, Lakhdar Brahimi, reuniram-se hoje em Paris na embaixada dos Estados Unidos a fim de tentarem um cessar fogo pelo menos na região de Aleppo, e preparar um possível ajuda humanitária que deverá ser discutida na conferencia na Suíça a ser realizada ainda este mês.

Segundo informou John Kerry uma troca de prisioneiros está a ser preparada com uma lista de nomes de soldados e oficiais do exercito Sírio detidos, enquanto uma lista idêntica está a ser preparada em Damasco. Todavia um possível cessar fogo é irrealista em todo o território sírio, o que se pretende é um cessar fogo localizado, de forma a poder servir de inicio para estancar a violência e o caos humanitário que se vem agravando na Síria.

No entanto o acesso humanitário será bastante difícil de ser levado a cabo, referiu Lavrov, os guerrilheiros na Síria estão a executar estrangeiros, incluindo funcionários humanitários, são 32 os membros mortos de várias organizações de ajuda aos sírios.




Outro importante assunto em discussão foi a participação do Irão na conferencia, de acordo com Brahimi a reunião que será realizada na cidade de Montrux na Suíça contará com a presença do Irão, onde um convite foi já enviado para Teerão.

Embora os EUA tenham concordado e apoiada a participação do Irão na conferencia de Montrux na Suíça, a oposição politica Síria baseada em Londres e apoiantes da guerrilha na síria como a Arábia Saudita manifestaram forte oposição.


Fontes diversas

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O FUTURO DA ÁSIA: TURBULENTO MAS GERALMENTE FAVORÁVEL

O FUTURO DA ÁSIA: TURBULENTO MAS GERALMENTE FAVORÁVEL

Os analistas prevêem grandes mudanças na Ásia em 2014. Os EUA perdem a sua liderança incontestável na região, se tornando em apenas "primus inter pares" (primeiro entre iguais). Uma consequência directa da saída das forças aliadas do Afeganistão será a ameaça do surgimento de confrontos armados localizados. A região da Ásia-Pacífico e o Sudeste Asiático estão-se transformando num grande centro de negócios a nível mundial.


O ano que terminou quase se tornou num ponto de partida para novas operações militares de grande envergadura na região do Médio Oriente. A manobra diplomática atempada da Rússia para a destruição do arsenal de armas químicas da Síria neutralizou a base ideológica dos adeptos de uma intervenção militar nesse país. Os passos moderados da nova direcção do Irão resultaram numa redução da tensão existente nas relações entre Teerão e o Ocidente. Contudo, a situação na Ásia continua extremamente explosiva e os centros dessa instabilidade não se encontram apenas no Médio Oriente, refere o perito orientalista do Instituto de Análise Estratégica Serguei Demidenko:


“Sem dúvida que a Ásia está à beira de grandes mudanças. A situação no Afeganistão está-se agravando e, se considerarmos a retirada das tropas norte-americanas desse país, eu penso que a situação irá ficar ainda mais complicada. O mais certo é o país ficar de novo no limiar da guerra civil e toda essa região ver agravada a sua situação política. A situação também é muito difícil no Iraque, o qual continua a balançar à beira de uma guerra civil. Ainda não foi retirada da agenda a questão da possível divisão desse país em três parcelas: uma parte curda, outra xiita e mais uma sunita. A Líbia deixou de existir como Estado. Na Síria a situação é muito difícil… Este é o ponto crucial, nele converge toda a região do Médio Oriente. Também o futuro político e económico do Egipto se apresenta complicado: é muito difícil apresentar um modelo sócio-económico para um país com uma população tão numerosa e um potencial económico tão insignificante”.

A situação política na região mudou muito ao longo do último ano. No Oriente surgiram novas forças e os EUA, que até há bem pouco tempo eram o líder incontestável dos jogos geopolíticos asiáticos, são obrigados a actuar tendo em conta as novas realidades. Nos últimos tempos muitos países do Golfo Pérsico e a Turquia atingiram um determinado grau de autonomia económico-financeira, as suas elites se associaram de uma forma directa à elite financeira ocidental. O comportamento desses países mudou de uma forma correspondente na cena internacional: se antes eles alteravam as suas políticas conforme as ordens de Washington, agora os norte-americanos têm de recorrer a complexas manipulações para convencer os seus parceiros a seguirem o rumo determinado pela Casa Branca. Isso não significa, porém, que os EUA tenham perdido a sua influência na Ásia, considera o perito do Centro de Segurança Internacional (do IMEMO) Piotr Topychkanov:


“Eu penso que, por comparação com 2013, os EUA não irão perder a sua influência. A sua estratégia para o ano de 2014 define uma transferência das suas atenções para a Ásia – tanto no plano económico, como no plano militar. Isso abrange a localização dos grupos de porta-aviões e o desenvolvimento das relações militares com os países asiáticos. Os EUA planeiam proceder a tudo isso e é completamente evidente que eles não tencionam abandonar essa área. Os EUA continuarão a representar um dos factores fundamentais na política, no comércio e na segurança dos países asiáticos”.


Os interesses dos Estados Unidos estão se deslocando cada vez mais do Médio Oriente para a Região da Ásia-Pacífico (RAP). Já a Rússia, pelo contrário, participa cada vez mais activamente nos assuntos da “reserva de petróleo” do planeta, aproveitando as circunstâncias de a situação na Ásia Central, esse eterno ponto vulnerável para Moscovo, ser por enquanto relativamente estável. Também o terceiro protagonista global, que é a China, não desdenha se aproveitar do comportamento de “um elefante em loja de porcelana”, que foi longamente o papel desempenhado por Washington no Médio Oriente. Os EUA, ocupados com a chamada revolução de xisto no seu próprio país, já não sentem a antiga forte necessidade de manter parceiros tão problemáticos como a Arábia Saudita e o Qatar. Estes, por seu turno, começam a procurar garantias para a sua segurança nas capitais de outros países.

O interveniente regional menos previsível, a Coreia do Norte, está em certa medida sob controle do seu “grande irmão” que é a China. Assim, por enquanto não devemos esperar um agravamento sério da situação. Pequim irá paulatinamente reforçar o seu potencial económico e militar para manter a sua liderança na RAP. Já os Estados Unidos, se aliando aos seus adversários, irão tentar conter esse processo. A Rússia, na opinião dos analistas, deverá seguir uma política mais flexível. Por um lado, na maior parte das questões geopolíticas Pequim alinha como aliado de Moscovo. Por outro lado, um reforço exagerado das posições da China na Região da Ásia-Pacífico poderia, hipoteticamente, representar uma ameaça para o Extremo Oriente da Rússia.


Em geral, de acordo com a opinião de uma série de politólogos, neste momento está-se processando a primeira grande reformatação do mapa asiático desde o desmembramento da URSS. Nas actuais condições, os EUA terão cada vez mais dificuldade em marcar pontos. Isso mesmo foi comprovado por todo o mundo com o exemplo das últimas rondas diplomáticas em que os norte-americanos participaram sobre a Síria, o Irão e o Afeganistão.

Igor Siletsky

In Voz da Rússia

domingo, 5 de janeiro de 2014

A EUROPA TEM DE SE ADAPTAR À REALIDADE QUE ESTAMOS A VIVER NUM MUNDO CADA VEZ MAIS DOMINADO PELA ÁSIA

A EUROPA TEM DE SE ADAPTAR À REALIDADE QUE ESTAMOS A VIVER NUM MUNDO CADA VEZ MAIS DOMINADO PELA ÁSIA


O desenvolvimento económico na China e outros países asiáticos tem um impacto sobre o papel dos Estados europeus em assuntos globais. Craig J. Willy argumenta que, com a ascensão das economias asiáticas, o mundo está cada vez mais a se afastar do modelo de livre comércio defendida pela Europa e outros estados no Ocidente. A menos que a Europa se torne um actor mais coeso, que seja capaz de convencer outros países a respeitar os princípios legais e comerciais ocidentais, vai encontrar-se forçado a adaptar-se ao modelo de desenvolvimento do Leste Asiático.

 

As relações económicas entre a União Europeia e a China são um exemplo clássico de que o sociólogo francês Emmanuel Todd chamou de "globalização assimétrica", caracterizada pela abertura desigual e crónica de deficits comerciais insustentáveis.

A UE é um não-Estado, complexo e uma "União" imperfeita de 28 países, que na maioria das questões é incapaz de uma acção decisiva por causa da necessidade de, pelo menos, um amplo consenso e implementação nacional. Grande parte da política económica é prescrita nos Tratados da UE, quase sempre a favor da abertura das fronteiras e livre comércio, e só é modificável com extrema dificuldade. Em contraste, a China é um Estado-nação coeso e autoritário com uma política económica de acordo com o modelo de desenvolvimento de capitalismo corporativista estatal do Leste Asiático.

Os europeus têm condenando repetidamente o modelo de desenvolvimento da China, mas isso geralmente não tem efeito. A Comissão Europeia cita regularmente a China nos seus relatórios sobre a ascensão do protecionismo no mundo inteiro e as empresas muitas vezes queixam-se da insegurança jurídica na China. Como o relatório China do estudo Ásia , lançado recentemente pela Fundação Bertelsmann Indicadores de Governação Sustentável project (SGI), afirma que "as administrações locais frequentemente tomam decisões arbitrárias que contradizem os regulamentos nacionais" e a corrupção continua a ser um problema. Nos relatórios SGI a pontuação da China é muito baixa nas questões de prevenção da corrupção (2 de 10 pontos possíveis) e segurança jurídica (3 de 10 pontos possíveis).

Como o relatório Bertelsmann acrescenta ainda, o crescimento económico da China tem sido realizado por meio de políticas e instituições não convencionais, muitas vezes desviando-se substancialmente do paradigma ocidental mercantilização-cum-privatização. De facto, a economia da China é caracterizado pela planificação estratégico do Estado, controle de capitais, manipulação cambial, mercados de contratos públicos fechados, desrespeito à propriedade intelectual ocidental (três quartos dos produtos falsificados apreendidos nas fronteiras da UE são chineses) e apoios para os exportadores e os "campeões nacionais. "

CHINA: "A MAIS AMBICIOSA POLÍTICA DE PLANIFICAÇÃO DOS NOSSOS TEMPOS"



O papel do Estado chinês como planeador estratégico da economia é difícil de observar. Tal como o relatório SGI conclui : "A China pode ser considerada como tendo a política de planificação mais ambicioso dos nossos tempos em relação à abrangência e impacto de politicas de programas nacionais e globais previstas a longo prazo. "

Em contraste, a UE e os seus Estados membros são uma estranha mistura de intervencionismo e laissez-faire : gastos sociais significativos e mercados de trabalho regulados coexistindo com fronteiras abertas e a hostilidade a qualquer acção de um Estado nação "que distorcem o comércio" ("campeões nacionais", os subsídios industriais ). Existe uma completa circulação do capital, um  mercados de aquisições públicas mais aberto do mundo, e nenhuma política de taxas de câmbio do euro.

Não é assim de estranhar que esta assimetria escalonada em sistema de abertura económica coincide com fluxos comerciais assimétricos. A UE é o parceiro económico mais  importante da China com trocas comerciais estimadas em 2012  de € 433.800.000.000. A UE tem um déficit comercial de € 146.000.000.000 com a China ou 1,13 por cento do PIB. Este montante é significativamente melhor do que o dos EUA ( 315.100 000.000 dólares americanos de déficit com a China ou 2 por cento do PIB), no entanto, esta questão esconde enormes divergências no seio da UE.

De facto, a Alemanha é o único país da UE com um superávit comercial de bens com a China, em € 4,3 biliões no primeiro semestre de 2012. Em contraste, a França teve um déficit comercial de bens em relação ao mesmo período de € 4,7 biliões, a Itália de € 8,3 biliões e a Grã-Bretanha de € 13,6 biliões. Esta situação não é sustentável, esses fluxos serão eventualmente ajustados, seja pela diminuição do consumo europeu ou pelo aumento das exportações.

PEQUIM-BRUXELAS: UMA LUTA DESIGUAL


No entanto, a UE parece ser incapaz de seduzir a China a adoptar o comércio “free and fair” ("livre e justo"), ou até mesmo de ter um comercio coerente e de auto-interesse ou com políticas monetárias em geral.

Isto foi particularmente evidente durante a disputa dos painéis solares. Depois de a Comissão Europeia ter imposto tarifas mais baixas do que o esperado sobre os subsidiados à exportações de painéis solares da China, a China aplicou tarifas sobre (muito bem sucedidas) as exportações de vinho franceses , enquanto a Alemanha, temendo a sua relação comercial "especial" com a China em que esta poderia vir a ser ameaçada, rompeu com a solidariedade europeia e condenou a posição da UE. A Comissão recuou logo em seguida, cancelando as suaves tarifas que tinha colocado em vigor. O think-tank britânico Open Europe argumentou : "a abordagem da China para dividir e conquistar parece estar a dar resultados no acordo em disputa sobre os painéis solares."
  
A Europa está presa numa perigosa terra de ninguém: os estados-nação têm sido largamente despojados dos seus poderes económicos, mas nenhuma acção forte a nível da UE é possível. Ao lado do poder do Estado estratégico central chinês, os formuladores de políticas em Bruxelas estão totalmente desarmados: com orçamentos inconsequentes, um processo de formulação de políticas incrivelmente lento e orientado para o consenso, o plano de longo prazo da UE ("Estratégia de Lisboa", "Agenda 2020") simplesmente não está na mesma liga.

A UE terá necessidade ou de voltar aos Estados-Nação ou de se transformar num actor muito mais coeso. Talvez a China volte ás normas ocidentais pela sua própria vontade. O país está a considerar a liberalização do capital e, talvez, a sua elite económica possa vir a entender os benefícios para si mesmo de pensar no global em vez de em termos nacionais.

É igualmente possível, no entanto, que o sistema globalista Euro-americano se torne cada vez mais marginal. Só a China é, a médio prazo, grande o suficiente para se tornar num mundo cultural e econômico maior do que a UE e os EUA juntos. Além disso, a China, sem qualquer dúvida, continuará não só a trabalhar em instituições ocidentais (FMI, Banco Mundial, OMC), mas também a desenvolver as suas próprias alternativas com aliados emergentes: o Banco Asiático de Desenvolvimento, um possível "banco BRICS", ou a Organização de Cooperação de Xangai. O mundo é cada vez mais um mundo não-ocidental, com potencias como a China, Rússia, Brasil, Japão ou a Coreia do Sul, que são claramente desinteressadas em fazer um "fetish" do livre comércio.

COMO SE IRÁ A EUROPA ADAPTAR À CHINA?


 É a paralisia da Europa inevitável? Somos tentados a ser pessimistas. Como eles são confrontados por crescentes encargos da dívida, taxas de juros e envelhecimento demográfico, muitas nações europeias parecem destinadas a se tornar em lares de reformados glorificados e museus para os viajantes globais. Mas a Europa tem muitas qualidades: um continente pacífico, uma demografia em grande parte mais saudável do que a Ásia Oriental, a eficiência energética, um nível muito elevado de desenvolvimento e capital humano, e um nível relativamente elevado de coesão social e de serviços públicos. No entanto, há também um sentido em que a Europa tem surgido como uma força, em que há uma "débâcle" económica, e que as nações europeias são congenitamente incapazes de agir em conjunto.

 A UE pode explodir, dando lugar ao ressurgimento dos Estados-Nação. A UE pode tornar-se mais eficaz, como novos mecanismos de tomada de decisões a entram em jogo: a partir de 2014 a maioria das leis da UE só necessitará de uma maioria de governos que representam 65 por cento da população e 55 por cento dos estados. O teste de "coligações de vontades" através do mecanismo de cooperação reforçada está já ocorrendo em coisas como a patente pan-europeia e um eventual imposto de transações financeiras.

A UE pode também tornar-se mais coesa, paradoxalmente, por força da sua fraqueza. À medida que os Estados periféricos da Europa são esmagados pelo peso da dívida, que podem vir a seguir as ordens de estados credores em troca de uma continua renovada solidariedade financeira (já vimos isso com o Six-Pack, Two-Pack,  Pacto de Competitividade e o Fiskalpakt ). Estados credores podem chegar a uma atitude mais pró-activa em que eles considerem que eles, também, são incapazes de defender os seus modelos sociais e classes médias na era da globalização.

Em qualquer caso, as relações UE-China mostram dois extremos na era da globalização: a passividade de abertura e lei vs. o activismo da gestão rígida das fronteiras e dirigismo . Nessa luta desigual uma reversão  poderá estar em breve em curso. No momento em que as nações ocidentais estão na sua maioria adoptando a globalização e terminando com o Estado-nação, as crescentes nações do Leste Asiático parecem mais do que nunca casadas com o papel das fronteiras e do Estado-nação na vida económica. O Ocidente pode acreditar que podem impor o livre comércio, mas o tamanho impressionante da China significa que não será possível coercivamente. Pró-globalizadores ocidentais devem reconhecer que tudo indica que este é realmente o século da Ásia, e que se a China acabar por respeitar os princípios legais e comerciais do Atlântico, isso será feito por sua opção.
  
De uma forma ou de outra, é a Europa que vai ter que mudar, ou alcançar a coesão para forçar a China a respeitar os princípios ocidentais ou adapta-se ela própria ao modelo de desenvolvimento do Leste Asiático.

Craig James Willy é um escritor em assuntos da UE e um jornalista junto da Agência de Imprensa Alemã (DPA). Ele tem nomeadamente escrito análises de política para a Fundação Bertelsmann e feito análises de media para a Comissão Europeia.

O artigo em questão reflecte unicamente a posição do autor e não necessariamente a do Republica Digital.

Relacionados:

 OS CEGOS DA AMÉRICA POR KISHORE MAHBUBANI
COREIA DO NORTE O QUE ESTÁ EM CAUSA, UMA ANÁLISE DE PAULO RAMIRES

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner