Agosto 2018

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

O ERRO DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 E O SILÊNCIO IMPOSTO

O ERRO DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 E O SILÊNCIO IMPOSTO



Paulo Ramires

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 foi assinado em Lisboa a 16 de Dezembro de 1990 com a pretensão de unificar a língua portuguesa nos vários países lusófonos. Quase 28 anos depois ninguém está satisfeito com o dito acordo de 1990, que afinal não unifica nada, mas promove em vez disso uma desunificação onde antes não havia problemas significativos a nível ortográfico, como por exemplo entre o português de África e o português europeu, ou aumentando o fosso das diferenças ortográficas com as grafias múltiplas que passaram a existir entre Portugal e o Brasil, mas mais, criou um caos tal e constante na língua portuguesa evidente por todo o lado onde erros ortográficos aparecem misturados com as duas ortografias, a de 1945 e a de 1990. Este é um acordo que não funciona e não é desejado por ninguém porque se baseia na fonia da língua para atingir esse almejado objectivo de unir as várias grafias no espaço lusófono, todavia tal objectivo é pouco exequível dado que existem muitas pronúncias e formas de falar no espaço da lusofonia, só em Portugal existem muitas pronúncias, como é possível a unificação nesses termos? Simplesmente não é possível nem desejável. Perante esta impossibilidade os defensores do acordo acharam por bem resolver esta impossibilidade aplicando a ortografia brasileira a toda a lusofonia, isso é, a todos os países lusófonos incluindo Portugal, como se isso fosse aceitável para os outros cidadãos dos outros países, não é pois não? Sobretudo quando se pensou voltar atrás com uma reforma ortográfica anterior à de 1945, isto porque a forma de grafar que os brasileiros usam é baseada na reforma de 1943, aprovado a 12 de Agosto desse mesmo ano e que apresenta um formulário ortográfico bastante simplista e adequado ao falar de Brasil mas não ao de Portugal ou ao dos outros países africanos ou ainda menos ao de Timor Leste. Por exemplo a superação das consoantes mudas não serve às restantes variações do português sobretudo no português de Portugal em que uma consoante antes de uma vogal átona tem a função de acento grave mas no português do Brasil isto não faz diferença alguma, seria mais aceitável incluir uma consoante que não faz falta no espaço lusófono do que eliminar uma consoante que faz falta no espaço lusófono, assim não se compreende como os restantes governantes cederam às exigências do Brasil. O resultado deste acordo é ter não só um impacto significativo na ortografia como na forma de falar dos restantes falantes do português. Estamos assim perante o maior erro histórico que já se cometeu contra a língua portuguesa e perante este facto o governo português opta pelo silêncio e impõe o silencio aos órgão de comunicação social como forma de encobrir este erro tremendo na língua portuguesa.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

JOHN MACCAIN NÃO FOI NENHUM HERÓI, ELE DESTRUIU PARTE DO MUNDO

JOHN MACCAIN NÃO FOI NENHUM HERÓI, ELE DESTRUIU PARTE DO MUNDO


O senador John McCain morreu a 25 de Agosto de 2018, aos 81 anos de idade. A imprensa internacional o recebe como um "herói do Vietname", um "homem de integridade" e "sem cedências" ao presidente Trump.

A acção desse "defensor da liberdade" no Vietname limitou-se a bombardear civis. Em 1967, o avião que ele tripulava voou descendo pela DCA soviética e destruiu uma central eléctrica. Filho de um almirante que se tornaria o comandante-chefe do PaCom, foi prisioneiro de guerra por cinco anos e foi torturado por muito tempo.

Ele foi eleito em 1982 para a Câmara dos Representantes e, em 1986, para o Senado. Este homem supostamente honesto é um dos cinco senadores corrompidos por Charles Keating (o "Keating Five") para cobrir os seus golpes para com os pequenos aforradores.

Nas primárias republicanas de 2000, ele enfrentou George Bush Jr., que não acreditou no seu heroísmo no Vietname e o acusou de trair o seu país (tinha assinado uma confissões sob tortura).

Foi um candidato do Partido Republicano contra Barack Obama em 2008, que enfrentou as revelações do New York Times de que as empresas financiaram a sua campanha de 2000 como pagamento pelas suas posições como presidente da Comissão de Comércio.

Não inclassificável na política interna, ele apoiou a condenação criminal de mulheres que abortam, bem como a rejeição da tortura.

Desde 1993, John McCain serviu tanto como senador como presidente do IRI, uma organização destinada a corromper partidos políticos de direita em todo o mundo. O IRI é um dos principais pseudopodes Nacional Endowment for Democracy (Serviço Secreto Comum "cinco olhos" que inclui a Austrália, Canadá, os EUA, Nova Zelândia e Reino Unido). Apesar do complexo arranjo legal deste sistema, esta é uma função executiva. McCain exerceu por 25 anos, violando o princípio da separação de poderes, até o início do mês, quando foi substituído pelo seu amigo senador Dan Sullivan.

Como presidente do IRI, participou na organização de numerosos golpes de estados e apoiou todos as guerras dos Estados Unidos e RU sem excepção. Por exemplo, ele preparou o golpe fracassado contra o constitucional presidente Hugo Chávez na Venezuela, o derrube do presidente constitucional Jean-Bertrand Aristide no Haiti, a tentativa de derrubar constitucionalmente o Presidente Mwai Kibaki do Quénia e mais recentemente, a do Presidente constitucional ucraniano, Viktor Yanukovych.

Real maestro da "Primavera Árabe", lançou as guerras da Líbia e da Síria numa reunião dos Serviços Secretos Aliados no Cairo, em Fevereiro de 2011. Foi para o Líbano para confiar o fornecimento militar de jihadistas na Síria para o harirista deputado Okab Sakr. Nessa ocasião, McCain visitou Ersal e decide instalar ali uma base de retaguarda que os jihadistas usariam mais tarde contra a Síria.

Em Maio de 2013, McCain foi ilegalmente para o norte da Síria sob protecção israelita. Ai ele encontrou-se com vários líderes jihadistas, incluindo Mohammad Nour, que tinha acabado de sequestrar 11 civis libaneses. E, em nossa opinião, McCain também conheceu Abu Bakr al-Baghdadi, o futuro califa do Daesh, mas que o seu secretariado nega.

No entanto, um ano depois, convidado do programa de Sean Hannity (Fox News), a 16 de Setembro, 2014, McCain criticou um artigo sobre a precariedade de um cessar-fogo entre jihadistas "moderados" e "extremistas". Em seguida, afirmou conhecer a situação na terra da Síria, referindo-se à sua experiência no Vietname, defendeu a ideia de confiar a todos os "rebeldes" para destruírem a República Árabe da Síria. Para isso, ele revelou ter se encontrado com os líderes de Daesh e manter contacto com eles.

Com determinação e sem escrúpulos, ele terá participado da destruição de uma parte do mundo.

voltairenet.org

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

RÚSSIA COLOCA A POLÍCIA MILITAR NA FRONTEIRA ISRAEL-SÍRIA, REFORÇANDO O PAPEL DE MODERADORA

RÚSSIA COLOCA A POLÍCIA MILITAR NA FRONTEIRA ISRAEL-SÍRIA, REFORÇANDO O PAPEL DE MODERADORA



O exército russo informou nesta quinta-feira que vai mobilizar a polícia militar ao longo da fronteira volátil entre a Síria e Israel, ressaltando o papel mediador que Moscovo está a desempenhar para reduzir as tensões entre os dois lados.

Forças sírias apoiadas pelo poder aéreo russo nesta semana assumiram o controle total de três províncias do sul ao longo da fronteira com a Jordânia e os Montes de Golã ocupadas por Israel após uma ofensiva de semanas contra grupos rebeldes e jihadistas.

O combate tem preocupado Israel, que acredita que as forças iranianas e aliadas da milícia xiita que apoiam o exército sírio vão se entrincheirar à sua porta. Os confronto ameaçaram atravessar a fronteira, quando Israel derrubou um jacto sírio que havia entrado em seu espaço aéreo. 

O general russo Sergei Rudskoy disse numa conferencia de imprensa em Moscovo na quinta-feira que, como resultado da restauração do controle do governo sírio, "foram criadas condições para retomar as actividades das forças de paz da ONU nos Montes Golã" pela primeira vez desde então. Retirou-se de uma zona de segurança em 2012 devido a ameaças à sua segurança.

Sergei Rudskoy disse que a polícia militar russa conduziu patrulhas com forças de paz da ONU na zona de separação e que as forças russas comandariam oito postos de observação ao longo do lado sírio. Ele acrescentou que a situação será temporária até que os postos de observação sejam entregues às forças do governo sírio quando a situação se estabilizar.

Rússia procura tranquilizar Israel 

Israel capturou parte dos Montes Golã da Síria na Guerra dos Seis Dias de 1967 e posteriormente anexou-a. Uma força de paz da ONU desde 1974 tem monitorizado uma zona de segurança que separa as forças sírias e israelitas, que tecnicamente permanecem em guerra.

Israel tem estado em intensas conversas diplomáticas com a Rússia nas últimas semanas, esperando que Moscovo possa usar sua influência na Síria para impedir o entrincheiramento das forças iranianas e o seu proxy libanês, o Hezbollah, que apoia o presidente sírio Bashar al-Assad na guerra civil há sete anos no país.

A presença da polícia militar russa é vista pelos analistas como uma forma de tranquilizar Israel sobre as suas preocupações de segurança em relação ao Irão e ao Hezbollah. Também pode servir para enviar uma mensagem a Israel para se abster de acções militares unilaterais ao longo da fronteira.

Israel reitera as exigências

Israel apareceu na quinta-feira para saudar o regime de Assad exercendo controle sobre o sudoeste da Síria.

"Do nosso ponto de vista, a situação está voltando a ser como era antes da guerra civil, significando que há um real interesse, alguém responsável e governo central", disse o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, durante uma visita a baterias de mísseis.

"Eu acho que isso também é do interesse de Assad" para evitar um surto de violência, disse ele.

Israel realizou dezenas de ataques aéreos na Síria contra as forças iranianas e o Hezbollah. Pelo menos duas acções principais de retaliação neste ano foram em resposta a um suspeito drone iraniano sobrevoando a fronteira dos Montes Golã e outro depois de Israel acusar forças do Irão de disparar contra as suas tropas da linha de frente.

Lieberman disse que, para manter a calma, a Síria deve respeitar o armistício monitorado pela ONU em 1974. Ele também repetiu a exigência de Israel de que o Irão não estabeleça bases militares na Síria e que o país não seja usado para remessas avançadas de mísseis para o Hezbollah.

Rússia joga nos dois lados

A Rússia ofereceu a Israel uma garantia de que as forças iranianas permaneceriam pelo menos a 100 quilómetros dos Montes Golã, mas Israel teria recusado a oferta e exigiu uma retirada completa do país.

O enviado especial do presidente Vladimir Putin à Síria, Alexander Lavrentiev, disse na quarta-feira que as forças apoiadas pelo Irão tinham destacado armas pesadas para uma distância de 85 quilómetros da fronteira dos Montes Golã.

"Não há unidades de equipamento pesado e armas que possam representar uma ameaça a Israel a uma distância de 85 quilómetros da linha de demarcação", afirmou Lavrentiev à agência de notícias Tass.

No entanto, ele disse que os "conselheiros" iranianos podem estar entre as forças sírias mais próximas da fronteira israelita. 

Sete anos depois da guerra civil, o exército sírio foi destruído e as forças iranianas e milícias aliadas criaram vastas esferas de influência.

Como Aymenn Jawad Al-Tamimi, um especialista em Síria escreveu numa análise recente , a natureza da presença do Irão na "Síria não é de dominar e assumir o controle do sistema, mas sim integrando de modo a tornar-se uma parte indivisível do sistema "

Na segunda-feira, o embaixador da Rússia em Israel disse que Moscovo vê "qualquer exigências para expulsar" o Irão ou outras tropas estrangeiras convidadas legitimamente pelo governo sírio como "não realistas".

Ao mesmo tempo, o embaixador Anatoly Viktorov disse que a Rússia desaprovava os ataques israelitas à presença do Irão na Síria, mas observou: "Não podemos ditar a Israel como proceder ... Não cabe à Rússia dar liberdade a Israel para fazer qualquer coisa, ou proibir Israel de fazer qualquer coisa ".


Fonte: dw.com








Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner