ASSALTO A GAZA DAS FORÇAS DE DEFESA DE ISRAEL É PARA CONTROLAR O GÁS PALESTINIANO E EVITAR UMA CRISE DE ENERGIA ISRAELITA -->

sábado, 19 de julho de 2014

ASSALTO A GAZA DAS FORÇAS DE DEFESA DE ISRAEL É PARA CONTROLAR O GÁS PALESTINIANO E EVITAR UMA CRISE DE ENERGIA ISRAELITA

ASSALTO A GAZA DAS FORÇAS DE DEFESA DE ISRAEL É PARA CONTROLAR O GÁS PALESTINIANO E EVITAR UMA CRISE DE ENERGIA ISRAELITA


O ministro da Defesa de Israel confirmou que os planos militares para 'desenraizar o Hamas' são para dominar as reservas de gás de Gaza

Por

Ontem, o ministro da Defesa israelita e antigo chefe do gabinete de Moshe Ya'alon das Forças de Defesa Israelitas (IDF)  anunciou que a Operação Borda de proteção marca o início de um ataque prolongado sobre o Hamas. A operação "não vai acabar em poucos dias", disse ele, acrescentando que "estamos nos preparando para ampliar a operação por todos os meios que estão à nossa disposição para continuarmos a atacar o Hamas".

Esta manhã, ele disse:

"Continuamos com ataques que impõem um preço muito pesado ao Hamas. Estamos a destruir armas, infra-estruturas de terror, sistemas de comando e controle, instituições do Hamas, edifícios regimentais, as casas de terroristas, e matando terroristas de várias fileiras de comando ... A campanha contra o Hamas vai se expandir nos próximos dias, e o preço que a organização irá pagar será muito pesado."

Mas em 2007, um ano antes da Operação Chumbo Fundido, as preocupações de Ya'alon concentraram-se nos 1,4 triliões de pés cúbicos de gás natural descobertos em 2000 na costa de Gaza, avaliados em 4 biliões de dólares (US $). Ya'alon rejeitou a noção de que "o gás de Gaza possa ser um factor-chave para um estado Palestino economicamente mais viável", e considerou-a como "equivocada". O problema, segundo ele, é este:

"Avançar com a venda de gás palestino a Israel provavelmente não contribuiriam para ajudar uma população palestiniana empobrecida. Pelo contrário, com base na experiência do passado de Israel, o produto provavelmente vai servir para financiar novos ataques terroristas contra Israel ...

Uma transacção de gás com a Autoridade Palestina [AP] irá, por definição, envolver o Hamas. O Hamas quer beneficiar dos royalties, ou irá sabotar o projecto e lançar ataques contra a Fatah, as instalações de gás, Israel - ou todos as três hipóteses ... É claro que, sem uma operação militar global para arrancar o controle de Gaza do Hamas, nenhum trabalho de perfuração pode ser levado a cabo sem o consentimento do movimento islâmico radical."

A Operação Chumbo Fundido não conseguiu desenraizar o Hamas, mas o conflito tirou a vida de 1.387 palestinianos (773 dos quais eram civis) e 9 israelitas (três dos quais eram civis).

Desde a descoberta de petróleo e gás nos territórios ocupados, a concorrência de recursos tem sido cada vez mais no coração do conflito, motivada em grande parte pelo aumento dos problemas de energia domésticos de Israel.

Mark Turner, fundador da Research Journalism Initiative, informou que o cerco a Gaza e consequente pressão militar foi projectada para "eliminar" o Hamas como "uma entidade política viável em Gaza" para gerar um "clima político" propício para um acordo de gás. Isto envolveu a reabilitação da Fatah derrotada como o player político dominante na Cisjordânia, e "aproveitando as tensões políticas entre as duas partes, armando forças leais a Abbas e o recomeço selectivo da ajuda financeira."

Os comentários de Ya'alon, em 2007, mostram que o gabinete israelita não está apenas preocupado com o Hamas - mas preocupado que, se os palestinianos desenvolverem os seus próprios recursos de gás, a transformação económica resultante poderia, por sua vez aumentar fundamentalmente a influência palestiniana.

Enquanto isso, Israel tem feito sucessivas e importantes descobertas nos últimos anos - como as do campo de Leviathan estimadas em 18 triliões de pés cúbicos de gás natural - que pode transformar o país de importador de energia para aspirante a exportador de energia com a ambição de fornecer à Europa, Jordânia e Egipto. Um potencial obstáculo é que grande parte dos 122 triliões de pés cúbicos de gás e 1,6 bilião de barris de petróleo na Bacia da Província do Levante encontra-se em águas territoriais onde as fronteiras são disputada entre Israel, Síria, Líbano, Gaza e Chipre.

No meio dessa disputa regional pelo gás, Israel enfrenta os seus próprios pequenos desafios energéticos. Poderia, por exemplo, levar até 2020, para a maior parte desses recursos internos serem devidamente mobilizados.

Mas isto é a ponta do iceberg. Uma carta de 2012 escrita por dois principais cientistas do governo israelita - que o governo de Israel decidiu não divulgar - advertia o governo de que Israel continuava a ter recursos de gás insuficientes para sustentar as exportações, apesar de todas as enormes descobertas. A carta, de acordo com o que o Ha'aretz referia, afirmava que os recursos internos de Israel eram 50% menos do que o necessário para apoiar exportações significativas, e poderiam ser esgotadas em décadas:

"Acreditamos que Israel deveria aumentar o seu uso [doméstica] de gás natural em 2020 e não deve exportar gás. Segundo estimativas da Autoridade Natural de Gás estão a faltar recursos. Há uma lacuna de 100 a 150 biliões de metros cúbicos entre as projecções da procura que foram apresentados ao comitê e as projeções mais recentes. As reservas de gás tendem a durar ainda menos que 40 anos! "

Como o Dr. Gary Luft - assessor do Conselho de Segurança da Energia dos EUA - escreveu no Journal of Energy Security, "com o esgotamento das fontes de gás doméstico de Israel em acelaração, e sem um aumento iminente na importação de gás do Egipto, Israel poderá enfrentar uma crise energética nos próximos anos ... Se Israel vai continuar a prosseguir com os seus planos de gás natural deve diversificar as suas fontes de abastecimento. "

As novas descobertas internas de Israel ainda não oferecem uma solução imediata enquanto os preços da electricidade atingem níveis recordes, aumentando o imperativo de diversificar o fornecimento. Isto é o que parece estar por trás do anúncio de primeiro-ministro Netanyahu em Fevereiro de 2011, que era já chegada a hora de fechar o negócio do gás de Gaza. Mas mesmo depois de uma nova ronda de negociações foi o pontapé de partida entre a Autoridade Palestiniana liderada pela Fatah e Israel em Setembro de 2012, em que o Hamas foi excluído dessas conversações e, assim, rejeitou a legitimidade de qualquer negócio.

No início deste ano, o Hamas condenou um acordo da AP para comprar 1,2 biliões de dólares (US $ ) de gás do campo de Leviathan de Israel ao longo de um período de 20 anos uma vez que o campo comesse a produzir. Simultaneamente, a AP tem realizado várias reuniões com o British Gas Group para desenvolver o campo de gás de Gaza, embora com o objectivo de excluir o Hamas - e, portanto, os habitantes de Gaza - de acesso ao produto. Esse plano tinha sido fruto da imaginação de enviado para o Quarteto do Médio Oriente Tony Blair.

Mas a AP também estava a seduzir a Gazprom da Rússia para desenvolver o campo de gás marítimo de Gaza, e as negociações foram acontecendo entre a Rússia, Israel e Chipre, embora até agora não se conheça qual o resultado destes. Também por esclarecer fica a questão de que forma a AP irá exercer o controle sobre Gaza, que é governada pelo Hamas.

Segundo Anais Antreasyan do Journal of Palestine Studies, da Universidade da Califórnia, o mais respeitado jornal de língua inglesa dedicado ao conflito Israel-árabe, o estrangulamento de Israel sobre Gaza foi concebido para fazer "o acesso palestiniano ao gás Marine-1 e Marine-2 poços impossíveis". A meta de longo prazo de Israel "além de prevenir que os palestinianos explorarem os seus próprios recursos, é integrar os campos de gás na costa de Gaza nas instalações offshore israelitas adjacentes." Isso faz parte de uma estratégia mais ampla de:

".... separar os palestinianos das suas terras e dos seus recursos naturais, a fim de explorá-los, e, como consequência, bloqueando o desenvolvimento económico palestiniano. Apesar de todos os acordos formais em contrário, Israel continua a gerir todos os recursos naturais nominalmente sob a jurisdição da AP, a partir de terra e água os recursos marítimos e de hidrocarbonetos. "

Para o governo israelita, o Hamas continua a ser o principal obstáculo para a conclusão do negócio de gás. Nas palavras do ministro da Defesa em exercício: "A experiência de Israel durante os anos de Oslo indica que os lucros de gás palestinianos provavelmente acabem por financiar o terrorismo contra Israel. A ameaça não se limita ao Hamas ... É impossível evitar que pelo menos alguns dos lucros do gás cheguem a grupos terroristas palestinianos".

A única opção, portanto, é mais uma "operação militar para erradicar o Hamas".

Infelizmente, para o IDF erradicar o Hamas significa destruir as bases de apoio civil do grupo - que é por isso que as vítimas civis palestinianas maciçamente superam a dos israelitas. Ambos são obviamente repreensíveis, mas a capacidade de Israel de infligir destruição é simplesmente muito maior.

Na esteira da Operação Chumbo Fundido, o Comité Público contra a Tortura em Israel (PCATI) com sede em Jerusalém constatou que a IDF tinha adoptado uma doutrina de combate mais agressivo com base em dois princípios - "zero baixas" para os soldados das FDI com o custo de implantação de cada vez maior poder de fogo indiscriminado em áreas densamente povoadas, e a "doutrina Dahiya" promovendo os disparos sobre infra-estruturas civis para criar um sofrimento generalizado entre a população, com vista a fomentar a oposição aos adversários de Israel.

Isto foi confirmado na prática pela missão de investigação da ONU em Gaza, que concluiu que o IDF tinha seguido uma "política deliberada de força desproporcional", visando a "infra-estrutura de apoio" do inimigo - "isto parece ter implicado a população civil ", refere o relatório da ONU.

O conflito Israel-Palestiniano não é claramente tudo sobre recursos. Mas numa época de energia cara, a concorrência para dominar combustíveis fósseis regionais está cada vez mais a influenciar as decisões críticas que podem inflamar a guerra.


Dr. Nafeez Ahmed é um jornalista da segurança internacional e académico. Ele é o autor do Guia do Utilizador para a Crise de Civilização: E como salvá-la.



DIRECTAMENTE RELACIONADOS-------------------------------------------------------------------------------------------------------






Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner