RÚSSIA COLOCA A POLÍCIA MILITAR NA FRONTEIRA ISRAEL-SÍRIA, REFORÇANDO O PAPEL DE MODERADORA -->

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

RÚSSIA COLOCA A POLÍCIA MILITAR NA FRONTEIRA ISRAEL-SÍRIA, REFORÇANDO O PAPEL DE MODERADORA

RÚSSIA COLOCA A POLÍCIA MILITAR NA FRONTEIRA ISRAEL-SÍRIA, REFORÇANDO O PAPEL DE MODERADORA



O exército russo informou nesta quinta-feira que vai mobilizar a polícia militar ao longo da fronteira volátil entre a Síria e Israel, ressaltando o papel mediador que Moscovo está a desempenhar para reduzir as tensões entre os dois lados.

Forças sírias apoiadas pelo poder aéreo russo nesta semana assumiram o controle total de três províncias do sul ao longo da fronteira com a Jordânia e os Montes de Golã ocupadas por Israel após uma ofensiva de semanas contra grupos rebeldes e jihadistas.

O combate tem preocupado Israel, que acredita que as forças iranianas e aliadas da milícia xiita que apoiam o exército sírio vão se entrincheirar à sua porta. Os confronto ameaçaram atravessar a fronteira, quando Israel derrubou um jacto sírio que havia entrado em seu espaço aéreo. 

O general russo Sergei Rudskoy disse numa conferencia de imprensa em Moscovo na quinta-feira que, como resultado da restauração do controle do governo sírio, "foram criadas condições para retomar as actividades das forças de paz da ONU nos Montes Golã" pela primeira vez desde então. Retirou-se de uma zona de segurança em 2012 devido a ameaças à sua segurança.

Sergei Rudskoy disse que a polícia militar russa conduziu patrulhas com forças de paz da ONU na zona de separação e que as forças russas comandariam oito postos de observação ao longo do lado sírio. Ele acrescentou que a situação será temporária até que os postos de observação sejam entregues às forças do governo sírio quando a situação se estabilizar.

Rússia procura tranquilizar Israel 

Israel capturou parte dos Montes Golã da Síria na Guerra dos Seis Dias de 1967 e posteriormente anexou-a. Uma força de paz da ONU desde 1974 tem monitorizado uma zona de segurança que separa as forças sírias e israelitas, que tecnicamente permanecem em guerra.

Israel tem estado em intensas conversas diplomáticas com a Rússia nas últimas semanas, esperando que Moscovo possa usar sua influência na Síria para impedir o entrincheiramento das forças iranianas e o seu proxy libanês, o Hezbollah, que apoia o presidente sírio Bashar al-Assad na guerra civil há sete anos no país.

A presença da polícia militar russa é vista pelos analistas como uma forma de tranquilizar Israel sobre as suas preocupações de segurança em relação ao Irão e ao Hezbollah. Também pode servir para enviar uma mensagem a Israel para se abster de acções militares unilaterais ao longo da fronteira.

Israel reitera as exigências

Israel apareceu na quinta-feira para saudar o regime de Assad exercendo controle sobre o sudoeste da Síria.

"Do nosso ponto de vista, a situação está voltando a ser como era antes da guerra civil, significando que há um real interesse, alguém responsável e governo central", disse o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, durante uma visita a baterias de mísseis.

"Eu acho que isso também é do interesse de Assad" para evitar um surto de violência, disse ele.

Israel realizou dezenas de ataques aéreos na Síria contra as forças iranianas e o Hezbollah. Pelo menos duas acções principais de retaliação neste ano foram em resposta a um suspeito drone iraniano sobrevoando a fronteira dos Montes Golã e outro depois de Israel acusar forças do Irão de disparar contra as suas tropas da linha de frente.

Lieberman disse que, para manter a calma, a Síria deve respeitar o armistício monitorado pela ONU em 1974. Ele também repetiu a exigência de Israel de que o Irão não estabeleça bases militares na Síria e que o país não seja usado para remessas avançadas de mísseis para o Hezbollah.

Rússia joga nos dois lados

A Rússia ofereceu a Israel uma garantia de que as forças iranianas permaneceriam pelo menos a 100 quilómetros dos Montes Golã, mas Israel teria recusado a oferta e exigiu uma retirada completa do país.

O enviado especial do presidente Vladimir Putin à Síria, Alexander Lavrentiev, disse na quarta-feira que as forças apoiadas pelo Irão tinham destacado armas pesadas para uma distância de 85 quilómetros da fronteira dos Montes Golã.

"Não há unidades de equipamento pesado e armas que possam representar uma ameaça a Israel a uma distância de 85 quilómetros da linha de demarcação", afirmou Lavrentiev à agência de notícias Tass.

No entanto, ele disse que os "conselheiros" iranianos podem estar entre as forças sírias mais próximas da fronteira israelita. 

Sete anos depois da guerra civil, o exército sírio foi destruído e as forças iranianas e milícias aliadas criaram vastas esferas de influência.

Como Aymenn Jawad Al-Tamimi, um especialista em Síria escreveu numa análise recente , a natureza da presença do Irão na "Síria não é de dominar e assumir o controle do sistema, mas sim integrando de modo a tornar-se uma parte indivisível do sistema "

Na segunda-feira, o embaixador da Rússia em Israel disse que Moscovo vê "qualquer exigências para expulsar" o Irão ou outras tropas estrangeiras convidadas legitimamente pelo governo sírio como "não realistas".

Ao mesmo tempo, o embaixador Anatoly Viktorov disse que a Rússia desaprovava os ataques israelitas à presença do Irão na Síria, mas observou: "Não podemos ditar a Israel como proceder ... Não cabe à Rússia dar liberdade a Israel para fazer qualquer coisa, ou proibir Israel de fazer qualquer coisa ".


Fonte: dw.com








Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner