PONTO DE TENSÃO NO MAR AZOV: RÚSSIA E UCRÂNIA À BEIRA DA GUERRA -->

domingo, 16 de setembro de 2018

PONTO DE TENSÃO NO MAR AZOV: RÚSSIA E UCRÂNIA À BEIRA DA GUERRA

PONTO DE TENSÃO NO MAR AZOV:  RÚSSIA E UCRÂNIA À BEIRA DA GUERRA


Por Peter Korzun, 16.09.2018

A Ucrânia aumentou sua presença militar na região do Mar de Azov. O Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia reuniu-se a 7 de Setembro e concordou em tomar uma série de medidas para aumentar a capacidade de combate do país, incluindo a criação de um grupo de infantaria naval equipado com mísseis para combater possíveis ataques anfíbios e bombardeamentos navais. Os barcos de artilharia blindados Gurza-M, da Ucrânia, foram trazidos para reforçar a componente naval das forças instaladas na região. 

A Rússia e a Ucrânia gozam da livre utilização do Mar de Azov no âmbito do acordo de 2003 entre a Federação da Rússia e a Ucrânia sobre a cooperação na utilização do mar de Azov e o estreito de Kerch. O documento está em vigor mas não especifica qualquer limite preciso. As partes concordam que o Mar de Azov e o Estreito de Kerch são as águas internas da Ucrânia e da Rússia.

As negociações arrastaram-se já há bastante tempo, mas não conseguiram produzir uma solução. A Ucrânia não quer reconhecer os direitos da Rússia, que são baseados no facto de que a Crimeia se juntou à Federação Russa. Além disso, as autoridades ucranianas insistem no seu direito de deter qualquer navio viajando para ou da Crimeia sem a permissão de Kiev. 

A Ucrânia pede a imposição de sanções internacionais contra os portos russos do Mar Negro, devido ao que chama de "bloqueio" do Mar de Azov. Já impôs medidas punitivas unilateralmente. As tensões têm aumentado desde Março, quando os navios foram detidos e revistados. A 24 de Março, guardas de fronteira ucranianos detiveram o navio de pesca Nord, de bandeira russa, com bandeira da Crimeia, no Mar de Azov. O navio foi sequestrado. Os membros da tripulação relataram ter sido interrogados e abusados ​​pelas autoridades ucranianas, que os responsabilizavam pelas leis domésticas, não reconhecendo a tripulação como cidadãos russos. Os marinheiros detidos foram finalmente libertados para regressar à Crimeia sem passaportes. A Ucrânia violou um número de acordos internacionais e isso marcou o início de uma campanha de acções provocadoras que têm sido travadas desde então. No mês passado, o petroleiro russo Mekhanik Pogodin foi detido no porto ucraniano de Kherson. A Rússia comparou o acção às actividades dos piratas somalis.

Os EUA estão a tomar um rumo para aumentar as tensões. O Departamento de Estado adoptou uma postura deliberadamente provocadora, instando a Ucrânia para o confronto. Sem se preocupar em estudar os detalhes, simplesmente coloca a culpa na Rússia como de costume por qualquer coisa que dê errado. Washington está incitando a Ucrânia a buscar uma solução militar, incluindo ideias irreais, porém perigosas, como usar os navios de guerra da OTAN para proteger as suas rotas de navegação, explorar o Mar de Azov ou usar embarcações de ataque velozes para cercar um grande activo naval russo. todas as direcções como uma matilha de lobos (Rudeltaktik). Essa tática foi inventado pelo Almirante Alemão Karl Dönitz durante a Segunda Guerra Mundial, quando "lobos" dos U-boats foram usados ​​para atacar navios de importância capital. O próprio facto de que tais ideias foram geradas e estão activas mostra como é insensato ajudar a Ucrânia, apoiando-a incondicionalmente. 

Stephen Blank, do Conselho de Política Externa Americana, um especialista norte-americano líder na Rússia, acredita que o governo dos EUA “deveria enviar mísseis anti-navios disponíveis a partir ou através do US-AGM-84 Harpoon Block II, AGM-158C LRASM A, e O Mississippi Naval norueguês” , bem como “uma plataforma de lançamento viável e um sistema de mira, particularmente um radar.” O autor acha que isso deve ser feito imediatamente, sem demora. O seu artigo foi publicado a 7 de Setembro pelo Atlantic Council, o prestigioso think tank que assessoria o Departamento de Estado e goza de grande influência entre os que moldam a política externa dos EUA. Num outro artigo, Blanc pede o fornecimento à Ucrânia de plataformas - navios mais antigos que foram desactivados ou estão prestes a serem substituidos. No mês passado, Mykola Bielieskov, vice-directora executiva do Instituto de Política Mundial, pediu o envio rápido para a Ucrânia do míssil anti-navio ER + do bloco II de Harpoon, permitindo que ele atacasse embarcações russas. A ideia de fornecer à Ucrânia navios de guarda costeira de classe Island está a ser considerada pelo governo dos EUA. No 1º de Setembro, Kurt Volker, Representante Especial dos EUA para as Negociações na Ucrânia, declarou que o governo dos EUA “está pronto para expandir o fornecimento de armas para a Ucrânia”. para construir as forças de defesa naval e aérea do país.”

Os poderes que não cumpriram as suas promessas de melhoraram as vidas das pessoas comuns na Ucrânia. As eleições presidenciais serão realizadas em Março de 2019. Um ameaçador bicho-papão russo é necessário para explicar os fracassos. A economia e as finanças do país estão em crise e a corrupção é impressionante. Nenhum dos problemas foi resolvido e o Ocidente está a ficar cansado da Ucrânia. O conto de fadas sobre a "política externa agressiva" de Moscovo vem a calhar quando os governantes ucranianos precisam de um bode expiatório. 

Ninguém precisa de um conflito armado na região do Mar de Azov. Vários países estão interessados ​​em proteger o direito de passagem livre, permitindo que as embarcações cheguem aos seus portos de destino sem risco ou atraso. A região não precisa de ser um ponto de tensão. Rússia e Ucrânia podem sentar-se numa mesa redonda para discutir questões polémicas, já que o acordo de 2003 estipula que as partes devem fazer algo no sentido de resolver as suas disputas, caso haja alguma, mas não é isso que o Departamento de Estado está a pedir. A única opção que o governo dos EUA está a considerar é o de fornecer armas à Ucrânia para combater a Rússia e depois incitar Kiev a intensificar as tensões. E essas já estão num ponto perigosamente alto. Uma faísca pode acender um grande incêndio a qualquer momento se o problema não for resolvido de forma positiva sem o barulho do sabre. É uma pena que os EUA estejam a desempenhar um papel tão destrutivo. É o momento certo para especialistas e funcionários russos e ucranianos deixarem de lado as suas diferenças e começarem a conversar para encontrar uma solução pacífica para esse problema urgente.

strategic-culture.org

1 comentário :

  1. A Russia devido ao sistema totalitario e violento que tem, constitui um factor de destabilisacao das democracias ocidentais. As correntes de oposicao ao poder expansinista sovietico sao insuficientes e mal organisadas.

    ResponderEliminar

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner