A EUROPA TEM DE SE ADAPTAR À REALIDADE QUE ESTAMOS A VIVER NUM MUNDO CADA VEZ MAIS DOMINADO PELA ÁSIA

domingo, 5 de janeiro de 2014

A EUROPA TEM DE SE ADAPTAR À REALIDADE QUE ESTAMOS A VIVER NUM MUNDO CADA VEZ MAIS DOMINADO PELA ÁSIA

A EUROPA TEM DE SE ADAPTAR À REALIDADE QUE ESTAMOS A VIVER NUM MUNDO CADA VEZ MAIS DOMINADO PELA ÁSIA


O desenvolvimento económico na China e outros países asiáticos tem um impacto sobre o papel dos Estados europeus em assuntos globais. Craig J. Willy argumenta que, com a ascensão das economias asiáticas, o mundo está cada vez mais a se afastar do modelo de livre comércio defendida pela Europa e outros estados no Ocidente. A menos que a Europa se torne um actor mais coeso, que seja capaz de convencer outros países a respeitar os princípios legais e comerciais ocidentais, vai encontrar-se forçado a adaptar-se ao modelo de desenvolvimento do Leste Asiático.

 

As relações económicas entre a União Europeia e a China são um exemplo clássico de que o sociólogo francês Emmanuel Todd chamou de "globalização assimétrica", caracterizada pela abertura desigual e crónica de deficits comerciais insustentáveis.

A UE é um não-Estado, complexo e uma "União" imperfeita de 28 países, que na maioria das questões é incapaz de uma acção decisiva por causa da necessidade de, pelo menos, um amplo consenso e implementação nacional. Grande parte da política económica é prescrita nos Tratados da UE, quase sempre a favor da abertura das fronteiras e livre comércio, e só é modificável com extrema dificuldade. Em contraste, a China é um Estado-nação coeso e autoritário com uma política económica de acordo com o modelo de desenvolvimento de capitalismo corporativista estatal do Leste Asiático.

Os europeus têm condenando repetidamente o modelo de desenvolvimento da China, mas isso geralmente não tem efeito. A Comissão Europeia cita regularmente a China nos seus relatórios sobre a ascensão do protecionismo no mundo inteiro e as empresas muitas vezes queixam-se da insegurança jurídica na China. Como o relatório China do estudo Ásia , lançado recentemente pela Fundação Bertelsmann Indicadores de Governação Sustentável project (SGI), afirma que "as administrações locais frequentemente tomam decisões arbitrárias que contradizem os regulamentos nacionais" e a corrupção continua a ser um problema. Nos relatórios SGI a pontuação da China é muito baixa nas questões de prevenção da corrupção (2 de 10 pontos possíveis) e segurança jurídica (3 de 10 pontos possíveis).

Como o relatório Bertelsmann acrescenta ainda, o crescimento económico da China tem sido realizado por meio de políticas e instituições não convencionais, muitas vezes desviando-se substancialmente do paradigma ocidental mercantilização-cum-privatização. De facto, a economia da China é caracterizado pela planificação estratégico do Estado, controle de capitais, manipulação cambial, mercados de contratos públicos fechados, desrespeito à propriedade intelectual ocidental (três quartos dos produtos falsificados apreendidos nas fronteiras da UE são chineses) e apoios para os exportadores e os "campeões nacionais. "

CHINA: "A MAIS AMBICIOSA POLÍTICA DE PLANIFICAÇÃO DOS NOSSOS TEMPOS"



O papel do Estado chinês como planeador estratégico da economia é difícil de observar. Tal como o relatório SGI conclui : "A China pode ser considerada como tendo a política de planificação mais ambicioso dos nossos tempos em relação à abrangência e impacto de politicas de programas nacionais e globais previstas a longo prazo. "

Em contraste, a UE e os seus Estados membros são uma estranha mistura de intervencionismo e laissez-faire : gastos sociais significativos e mercados de trabalho regulados coexistindo com fronteiras abertas e a hostilidade a qualquer acção de um Estado nação "que distorcem o comércio" ("campeões nacionais", os subsídios industriais ). Existe uma completa circulação do capital, um  mercados de aquisições públicas mais aberto do mundo, e nenhuma política de taxas de câmbio do euro.

Não é assim de estranhar que esta assimetria escalonada em sistema de abertura económica coincide com fluxos comerciais assimétricos. A UE é o parceiro económico mais  importante da China com trocas comerciais estimadas em 2012  de € 433.800.000.000. A UE tem um déficit comercial de € 146.000.000.000 com a China ou 1,13 por cento do PIB. Este montante é significativamente melhor do que o dos EUA ( 315.100 000.000 dólares americanos de déficit com a China ou 2 por cento do PIB), no entanto, esta questão esconde enormes divergências no seio da UE.

De facto, a Alemanha é o único país da UE com um superávit comercial de bens com a China, em € 4,3 biliões no primeiro semestre de 2012. Em contraste, a França teve um déficit comercial de bens em relação ao mesmo período de € 4,7 biliões, a Itália de € 8,3 biliões e a Grã-Bretanha de € 13,6 biliões. Esta situação não é sustentável, esses fluxos serão eventualmente ajustados, seja pela diminuição do consumo europeu ou pelo aumento das exportações.

PEQUIM-BRUXELAS: UMA LUTA DESIGUAL


No entanto, a UE parece ser incapaz de seduzir a China a adoptar o comércio “free and fair” ("livre e justo"), ou até mesmo de ter um comercio coerente e de auto-interesse ou com políticas monetárias em geral.

Isto foi particularmente evidente durante a disputa dos painéis solares. Depois de a Comissão Europeia ter imposto tarifas mais baixas do que o esperado sobre os subsidiados à exportações de painéis solares da China, a China aplicou tarifas sobre (muito bem sucedidas) as exportações de vinho franceses , enquanto a Alemanha, temendo a sua relação comercial "especial" com a China em que esta poderia vir a ser ameaçada, rompeu com a solidariedade europeia e condenou a posição da UE. A Comissão recuou logo em seguida, cancelando as suaves tarifas que tinha colocado em vigor. O think-tank britânico Open Europe argumentou : "a abordagem da China para dividir e conquistar parece estar a dar resultados no acordo em disputa sobre os painéis solares."
  
A Europa está presa numa perigosa terra de ninguém: os estados-nação têm sido largamente despojados dos seus poderes económicos, mas nenhuma acção forte a nível da UE é possível. Ao lado do poder do Estado estratégico central chinês, os formuladores de políticas em Bruxelas estão totalmente desarmados: com orçamentos inconsequentes, um processo de formulação de políticas incrivelmente lento e orientado para o consenso, o plano de longo prazo da UE ("Estratégia de Lisboa", "Agenda 2020") simplesmente não está na mesma liga.

A UE terá necessidade ou de voltar aos Estados-Nação ou de se transformar num actor muito mais coeso. Talvez a China volte ás normas ocidentais pela sua própria vontade. O país está a considerar a liberalização do capital e, talvez, a sua elite económica possa vir a entender os benefícios para si mesmo de pensar no global em vez de em termos nacionais.

É igualmente possível, no entanto, que o sistema globalista Euro-americano se torne cada vez mais marginal. Só a China é, a médio prazo, grande o suficiente para se tornar num mundo cultural e econômico maior do que a UE e os EUA juntos. Além disso, a China, sem qualquer dúvida, continuará não só a trabalhar em instituições ocidentais (FMI, Banco Mundial, OMC), mas também a desenvolver as suas próprias alternativas com aliados emergentes: o Banco Asiático de Desenvolvimento, um possível "banco BRICS", ou a Organização de Cooperação de Xangai. O mundo é cada vez mais um mundo não-ocidental, com potencias como a China, Rússia, Brasil, Japão ou a Coreia do Sul, que são claramente desinteressadas em fazer um "fetish" do livre comércio.

COMO SE IRÁ A EUROPA ADAPTAR À CHINA?


 É a paralisia da Europa inevitável? Somos tentados a ser pessimistas. Como eles são confrontados por crescentes encargos da dívida, taxas de juros e envelhecimento demográfico, muitas nações europeias parecem destinadas a se tornar em lares de reformados glorificados e museus para os viajantes globais. Mas a Europa tem muitas qualidades: um continente pacífico, uma demografia em grande parte mais saudável do que a Ásia Oriental, a eficiência energética, um nível muito elevado de desenvolvimento e capital humano, e um nível relativamente elevado de coesão social e de serviços públicos. No entanto, há também um sentido em que a Europa tem surgido como uma força, em que há uma "débâcle" económica, e que as nações europeias são congenitamente incapazes de agir em conjunto.

 A UE pode explodir, dando lugar ao ressurgimento dos Estados-Nação. A UE pode tornar-se mais eficaz, como novos mecanismos de tomada de decisões a entram em jogo: a partir de 2014 a maioria das leis da UE só necessitará de uma maioria de governos que representam 65 por cento da população e 55 por cento dos estados. O teste de "coligações de vontades" através do mecanismo de cooperação reforçada está já ocorrendo em coisas como a patente pan-europeia e um eventual imposto de transações financeiras.

A UE pode também tornar-se mais coesa, paradoxalmente, por força da sua fraqueza. À medida que os Estados periféricos da Europa são esmagados pelo peso da dívida, que podem vir a seguir as ordens de estados credores em troca de uma continua renovada solidariedade financeira (já vimos isso com o Six-Pack, Two-Pack,  Pacto de Competitividade e o Fiskalpakt ). Estados credores podem chegar a uma atitude mais pró-activa em que eles considerem que eles, também, são incapazes de defender os seus modelos sociais e classes médias na era da globalização.

Em qualquer caso, as relações UE-China mostram dois extremos na era da globalização: a passividade de abertura e lei vs. o activismo da gestão rígida das fronteiras e dirigismo . Nessa luta desigual uma reversão  poderá estar em breve em curso. No momento em que as nações ocidentais estão na sua maioria adoptando a globalização e terminando com o Estado-nação, as crescentes nações do Leste Asiático parecem mais do que nunca casadas com o papel das fronteiras e do Estado-nação na vida económica. O Ocidente pode acreditar que podem impor o livre comércio, mas o tamanho impressionante da China significa que não será possível coercivamente. Pró-globalizadores ocidentais devem reconhecer que tudo indica que este é realmente o século da Ásia, e que se a China acabar por respeitar os princípios legais e comerciais do Atlântico, isso será feito por sua opção.
  
De uma forma ou de outra, é a Europa que vai ter que mudar, ou alcançar a coesão para forçar a China a respeitar os princípios ocidentais ou adapta-se ela própria ao modelo de desenvolvimento do Leste Asiático.

Craig James Willy é um escritor em assuntos da UE e um jornalista junto da Agência de Imprensa Alemã (DPA). Ele tem nomeadamente escrito análises de política para a Fundação Bertelsmann e feito análises de media para a Comissão Europeia.

O artigo em questão reflecte unicamente a posição do autor e não necessariamente a do Republica Digital.

Relacionados:

 OS CEGOS DA AMÉRICA POR KISHORE MAHBUBANI
COREIA DO NORTE O QUE ESTÁ EM CAUSA, UMA ANÁLISE DE PAULO RAMIRES

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner