OPOSIÇÃO UCRANIANA E O OCIDENTE BRINCAM COM O FOGO AO COLAREM-SE JUNTO DE NACIONALISTAS EXTREMISTAS -->

sábado, 25 de janeiro de 2014

OPOSIÇÃO UCRANIANA E O OCIDENTE BRINCAM COM O FOGO AO COLAREM-SE JUNTO DE NACIONALISTAS EXTREMISTAS

OPOSIÇÃO UCRANIANA E O OCIDENTE BRINCAM COM O FOGO AO COLAREM-SE JUNTO DE NACIONALISTAS EXTREMISTAS

 



Existe o perigo de que a extrema-direita ucraniana esteja a servir o propósito politico dos lideres aparentemente moderados, que na verdade querem uma revolução, Mark Almond, professor de história na Universidade de Oxford, disse à RT.

Almond acredita que a chamada oposição moderada tem desejado uma ascensão do nacionalismo durante os motins. A Revolução Laranja correu mal em 2004-05, precisamente porque os protestos foram pacíficos, eles levaram a uma repetição das eleições, mas apesar de Yanukovich ter perdido, "ele perdeu por uma margem muito reduzida e permaneceu um candidato político viável com um grande apoio politico, e ganhou, claro, as eleições de 2010." Assim, os opositores de Yanukovich reconhecem agora que "se se forçar simplesmente novas eleições não se mudará radicalmente o sistema político. "

"Eles querem marginalizar Yanukovich e o seu Partido das Regiões, os seus apoiantes. Então será preciso uma revolução não-constitucional. Lembre-se de que uma das estações de televisão da oposição tem agora como principal atracção da estação, a estação da Revolução", acrescenta Almond à RT.


 

Como exemplo, ele mencionou a retórica de Klitchko.

"Vitaly Klitchko falá em língua bifurcada: quando ele fala em Inglês ou Alemão para a comunicação social ele fala sobre a necessidade de protestos pacíficos, a necessidade de novas eleições, mas no entanto aos seus partidários diz que Yanukovich é como Ceausescu e Kadafi. Se ele diz que o presidente da Ucrânia é como Kadafi, o que ele está a dizer é que ele é um ditador que deve ser linchado como Kadafi o foi no final de 2011 ", refere Almond.

"Portanto, há um risco de que a extrema-direita, que existe, os nacionalistas radicais e de facto perto dos elementos nazistas, estão na verdade a servir o propósito político dos líderes aparentemente moderadas. Isso quer dizer que eles querem derrubar o Estado existente, eles não confiam em eleições, porque temem que, mesmo que vençam as eleições, há sempre um suficientemente grande apoio a Yanukovich e que o seu movimento político iria sobreviver e voltar novamente, tal como aconteceu após o fracasso da Revolução Laranja ", acrescenta.

 

Assim, "os chamados liberais e moderados estão brincando com o fogo", Almond conclui, dizendo que a multidão extremista agora entrando em confronto com a polícia nas ruas pode se voltar contra eles, também. "É uma situação muito instável, e eu acho que Vitaly Klitchko, Yatsenyuk, Parshenko - esses líderes a quem o Ocidente cortesia - estão brincando com fogo, e assim também o Ocidente", acredita Almond.

"Eles querem um colapso do governo de Yanukovich, uma espécie de revolução. Eles, é claro, então querem deslizar com segurança para o escritório presidencial e nos assentos do poder, mas eles vão ter de ficar dependentes dessa multidão enfurecida, esses nacionalistas radicais da Ucrânia que cantam "slogans" anti-russos, "slogans anti-semitas", e é claro que têm um gosto pela violência, e, se vai-se a ver se eles serão capazes de derrubar Yanukovich, como as pessoas que levaram à revolução", disse à RT. "E é claro que já vimos no passado uma vez que se conduziu a eleições como a base do poder político a ir parar à multidão na rua, entrar de assalto os edifícios do governo, que pode sair fora de controle: as pessoas que se pensa que são os líderes de hoje podem-se ver marginalizadas, as pessoas que hoje estão a desejar usar incitações à violência, denunciando o actual governo como sendo tirano pode-se ver alvo amanhã das mesmas pessoas que estão atirando os coquetéis molotov. "

 

Mark Almond também aponta que a situação é "um sinistro, jogo cínico pelo poder político na Ucrânia, que tem implicações para o funcionamento das constituições da Europa Ocidental, para o funcionamento da nossa própria democracia."

"Eu acho que é um sinal de algo sinistro, não só para a Ucrânia como também para os países democráticos da UE e para os EUA, os seus governos e as instituições democráticas em Bruxelas, estão a seguir ao lado de uma multidão tumultuosa nas ruas", disse.

"O governo de Yanukovich recusou-se a assinar o acordo de associação com a UE - o que provocou o protesto. Por outras palavras, Yanukovich tem uma avaliação negativa para a UE e para a América, ele não fez o que queríamos. E se um governo dentro da UE começar a dizer que não concordo inteiramente com isto ou aquilo, irão também eles ver uma multidão patrocinado nas ruas, irão também eles ver dentro de um país dentro da UE uma ameaça para a ordem constitucional se você não seguir a linha que os burocratas de Bruxelas definiram", Almond disse à RT.

As autoridades ucranianas deveriam levar mais a sério o fascismo



Ambos os governos da Europa Ocidental e os EUA, bem como as autoridades ucranianas, deve estar mais conscientes dos perigos do fascismo, diz Nicolai N. Petro, professor de ciência política na Universidade de Rhode Island.

"Quaisquer que sejam as nobres intenções desses manifestantes, eles têm sido usados por forças muito sinistras e obscuras, e é triste ver os governos do outro lado da fronteira, na Europa Ocidental e nos EUA, não compreendem os perigos do fascismo para um governo que está dividido e incapaz de tomar medidas decisivas ", disse Petro à RT.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner