EMMANUEL MACRON PEDE PARA A FORMAÇÃO DE UM "VERDADEIRO EXÉRCITO EUROPEU" À SEMELHANÇA DOS ESTADOS UNIDOS E DA RÚSSIA

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

EMMANUEL MACRON PEDE PARA A FORMAÇÃO DE UM "VERDADEIRO EXÉRCITO EUROPEU" À SEMELHANÇA DOS ESTADOS UNIDOS E DA RÚSSIA


Uma coligação de militares europeus prontos para reagir a crises perto das fronteiras do continente foi lançada na quarta-feira com a Finlândia a se tornar o décimo país a se juntar a esta força, depois de pedidos do presidente francês Emmanuel Macron para que se constitua um "verdadeiro exército europeu".
A iniciativa liderada pela França não entraria em conflito com a aliança da OTAN, de quase 70 anos, dominada pelos EUA, afirmam os defensores, mas reflecte em parte preocupações sobre uns Estados Unidos mais isolados com o governo do presidente Donald Trump.
A Iniciativa Europeia de Intervenção tomou forma oficial em Paris após meses de negociações com a Alemanha, que a França quer no centro da força.
Macron propôs a ideia há mais de um ano, mas foi recebida com cepticismo por outras nações da União Europeia, coincidindo a ideia com o lançamento de um pacto de defesa que promete investimentos militares conjuntos.

A Alemanha, a Bélgica, a Grã-Bretanha, a Dinamarca, a Estónia, os Países Baixos, a Espanha e Portugal deram o seu sinal verde para o movimento liderado pelos franceses. Os membros colaborarão no planeamento, na análise de novas crises militares e humanitárias e em eventuais respostas militares a essas crises.
"Num ambiente onde as ameaças e convulsões de natureza geopolítica ou climática multiplicam-se, a iniciativa deve enviar a mensagem de que a Europa está pronta, que a Europa é capaz", disse uma autoridade do Ministério da Defesa da França.
A iminente saída da Grã-Bretanh da UE, que há muito se opõe à colaboração militar da UE fora da OTAN, reavivou o diálogo sobre a cooperação na defesa - e teme que Trump possa se mostrar menos disposto do que os seus antecessores a defender a Europa diante de uma Rússia recentemente assertiva.
A iniciativa não “contradiz ou contorna os esforços históricos de defesa da UE, nem os da OTAN”, disse o oficial de defesa. "Pelo contrário, só melhorará a interoperabilidade entre os países participantes".
Na terça-feira, Macron pediu um "verdadeiro exército europeu" para reduzir a dependência dos Estados Unidos.
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, tem defendido há muito tempo a ideia de que a UE deveria ter mais capacidade de defesa comum, separada da OTAN.
Nem toda a gente está convencida.
"Progressos pragmáticos e construção paciente com aqueles que estão prontos e dispostos a uma convergência política na defesa são infinitamente preferíveis a slogans e encantamentos totalmente ilusórios e até mesmo contraproducentes", disse Arnaud Danjean, membro do comité de defesa no Parlamento Europeu.

© 2018 Reuters

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner