DIPLOMATAS RUSSOS EXPULSOS POR ALEGAÇÕES DE ENVENENAMENTO DE EX-ESPIÕES NO REINO UNIDO

terça-feira, 27 de março de 2018

DIPLOMATAS RUSSOS EXPULSOS POR ALEGAÇÕES DE ENVENENAMENTO DE EX-ESPIÕES NO REINO UNIDO

DIPLOMATAS RUSSOS EXPULSOS POR ALEGAÇÕES DE ENVENENAMENTO DE EX-ESPIÕES NO REINO UNIDO


Por Bill Van Auken 

A expulsão em massa coordenada de diplomatas russos anunciada terça-feira por Washington, 14 países da União Europeia, Ucrânia e Canadá sobre as alegações da responsabilidade de Moscovo pelo envenenamento a 4 de Março do ex-espião russo e agente duplo britânico Sergei Skripal e a sua filha na cidade de Salisbury, no sul de Inglaterra marca uma grande escalada das ameaças políticas e militares contra a Rússia, a segunda maior potência nuclear do mundo. 

Foi relatado na manhã de quinta-feira que o governo australiano do primeiro-ministro Malcolm Turnbull se iria juntar a essa operação, preparando-se para expulsar dois diplomatas russos que afirmavam serem "oficiais de inteligência não declarados". 

O ministro dos negócios estrangeiros britânico, Boris Johnson, se vangloriou-se na quarta-feira de que as acções de vários governos “ficam na história como a maior expulsão colectiva de oficiais de inteligência russos e ajudarão a defender nossa segurança colectiva”. O que ele quis dizer foi que a retaliação ocidental contra Moscovo superou a dos períodos mais tensos da Guerra Fria contra a antiga União Soviética. 

Esta campanha perigosa e provocativa, orquestrada pelos militares e agências de inteligência nos EUA e no Reino Unido, foi montada com base em acusações totalmente infundadas. Nenhuma outra prova foi apresentada para apoiar as mais recentes expulsões diplomáticas do que a declaração sem fundamento feita há duas semanas pela primeira-ministra britânica Theresa May e pelo ministro dos negócios estrangeiros Johnson de que a Rússia era "altamente provável" de estar por de trás do que foi descrito como um ataque com um agente neurotóxico ao antigo agente duplo. 

O governo britânico alegou que o agente neurotóxico usado no ataque a Skripal e à sua filha era "de um tipo" (Novichok) que já havia sido fabricado na União Soviética. No entanto, as autoridades britânicas recusaram-se a fornecer a Moscovo qualquer amostra do suposto agente, conforme exigido pelas regras estabelecidas pela Convenção sobre Armas Químicas (CWC), ou à Organização das Nações Unidas para a Prevenção de Armas Químicas (OPAQ). A descrição “do tipo” significa que a substância usada poderia ter sido fabricada virtualmente em qualquer lugar. 

De facto, mesmo quando expulsou três diplomatas russos “em solidariedade” com Londres e a OTAN, o governo da República Checa ordenou que o seu serviço de inteligência conduzisse uma investigação para determinar se o agente neurotóxico poderia ter sido fabricado naquele país. 

A maioria das expulsões diplomáticas foi concretizada pelo governo Trump, com 60 diplomatas russos e as suas famílias - 48 da embaixada de Moscovo em Washington e 12 da missão russa nas Nações Unidas - ordenados a deixar o país dentro de uma semana. 

Além disso, Washington ordenou o desligamento do consulado russo na cidade de Seattle, Washington. Este passo foi justificado sob o pretexto de que estava muito próximo de uma base submarina dos EUA e das usinas da Boeing, supostamente representando algum tipo de ameaça militar. 

Afirmando o uso pela Rússia de “uma arma química de nível militar em solo do Reino Unido” como um facto, um comunicado divulgado pela Casa Branca na segunda-feira descreveu esse suposto acto como “o mais recente padrão de actividades desestabilizadoras em todo o mundo”. 

Entre essas "actividades desestabilizadoras" está o apoio de Moscovo ao governo do presidente Bashar al-Assad na Síria, onde a Rússia forneceu apoio aéreo às forças do governo para invadir uma das últimas grandes fortalezas dos "rebeldes" islâmicos no subúrbio de Damasco, Ghouta Oriental, sinalizada como um grande reverso para a guerra de sete anos apoiada pelos EUA para a mudança de regime. 

Na semana passada, o principal comandante dos EUA no Afeganistão, o general John Nicholson, acusou a Rússia de fornecer ajuda e armas aos Taliban, alegações que Moscovo descreveu como "absolutamente sem fundamento" e "sem sentido". 

A realidade é que, do Médio Oriente à Europa Oriental e à Ásia Central e do Sul, a existência contínua da Rússia representa um obstáculo ao esforço do imperialismo dos EUA para afirmar a sua hegemonia global por meios militares. É por isso que Washington pulou sobre o assunto da suposta tentativa de assassinato de Skripal e da sua filha e juntou-se a Londres para pressionar as outras potências europeias a alinharem-se. 

Londres começou as expulsões, ordenando que 23 diplomatas russos deixassem o país. Moscovo retaliou expulsando 23 diplomatas britânicos. As expulsões ordenadas pelas outras potências europeias na segunda-feira, no entanto, eram de carácter maioritariamente simbólico, com a Alemanha e a França cada uma ordenando a saída de quatro diplomatas russos, o mesmo número visado pelo Canadá. A excepção foi o governo virulento anti-russo da Ucrânia, que expulsou 13 diplomatas russos. 

Apesar das expressões de solidariedade e unidade contra o alegado crime russo, há profundas divisões dentro da aliança da OTAN sobre as relações com Moscovo. A Alemanha forjou laços comerciais mais estreitos com a Rússia, particularmente em relação ao gás natural e petróleo bruto da Rússia, com o apoio de Berlim ao gasoduto Nord Stream II que duplicaria o fornecimento de gás da Rússia à Alemanha. 

O caso Skripal está a ser utilizado por Washington e Londres para contrabalançar os movimentos de Paris e Berlim para o desenvolvimento de uma aliança militar europeia independente, contraposta à OTAN dominada pelos EUA. Apesar das declarações formais de solidariedade ao Reino Unido, as divisões dentro da Alemanha e da França quanto à posição da linha-dura contra a Rússia permanecem profundas. 

Moscovo, entretanto, ameaçou levar a cabo medidas defensivas contra todos os países que expulsem o seu pessoal diplomático. 

“Expressamos um protesto decisivo sobre a decisão tomada por vários países da UE e da OTAN de expulsar diplomatas russos. Haverá uma resposta equivalente. Vamos trabalhar nos próximos dias e dar a nossa resposta em relação a cada país ... Consideramos este passo como hostil e não servindo as responsabilidades e interesses de estabelecer as causas e encontrar os autores do incidente que ocorreu a 4 de Março em Salisbury ”, disse o Ministério do Negócios Estrangeiros da Rússia num comunicado. 

O embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, disse à imprensa na segunda-feira: “O que os EUA estão a fazer hoje é destruir o pouco que resta das relações russo-americanas. Toda a responsabilidade pelas consequências da destruição das relações russo-americanas cabe aos EUA ”. 

Ele acrescentou que "não há uma única evidência da interferência da Federação Russa na investigação do caso como tal, ou do envolvimento da Rússia na tragédia ocorrida em Salisbury". 

O ministro da defesa da Grã-Bretanha, Gavin Williamson, que recentemente respondeu às negações de Moscovo nas acusações do Reino Unido dizendo aos media que a Rússia deveria "sair e calar a boca", proferiu um discurso provocativo na Estónia, onde as tropas britânicas estão posicionadas como parte da expansão da OTAN até à fronteira da Rússia. "A paciência do mundo está a esgotar-se com o presidente Putin e as suas acções", disse ele. 

Entretanto, em Washington, os principais democratas responderam às mais recentes medidas anti-russas tomadas pelo governo Trump, denunciando o presidente dos EUA por não ir longe o suficiente em termos de provocações contra Moscovo. 

O congressista democrata Eliot Engel, o democrata do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, disse que a expulsão dos diplomatas russos é uma "demonstração bem-vinda da unidade e solidariedade do Ocidente" e afirmou que "no futuro veremos mais esforços conjuntos para contrariar a agressão russa ”. 

Engel acrescentou, no entanto, que a acção dos EUA apenas ressaltou “a fraca resposta do governo ao ataque da Rússia aos Estados Unidos”, referindo-se às alegações de “intromissão” russa na eleição presidencial de 2016 nos EUA. 

Falando por partes decisivas dentro da CIA e de outras agências militares e de inteligência dos EUA, a oposição de democratas como Engel a Trump está enraizada principalmente nas diferenças sobre a estratégia imperialista dos EUA. Eles estão a pressionar por um confronto militar com a Rússia, mais cedo ou mais tarde.

Traduzido por Paulo Ramires

wsws.org

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner