TRUMP PREPARA-SE PARA ATACAR A SÍRIA -->

quarta-feira, 11 de abril de 2018

TRUMP PREPARA-SE PARA ATACAR A SÍRIA

TRUMP PREPARA-SE PARA ATACAR A SÍRIA 
Porta-aviões Harry S. Truman (HSTCSG)

Movimentos recentes indicam que Trump está a prepara-se para tomar uma acção militar contra Assad. 

Por Dave Majumdar* 


destroier de mísseis guiados da classe
 Arleigh Burke, USS Donald Cook (DDG-75)
Os Estados Unidos, juntamente com a França e a Grã-Bretanha, estão a considerar lançar um ataque militar contra o governo sírio por um suposto ataque de armas químicas contra a cidade de Douma. 

Os três governos prometeram retaliar o ataque químico contra os rebeldes sírios, apesar do facto de que é altamente improvável que o Conselho de Segurança da ONU sancione tal operação. É quase certo que a Rússia vete qualquer resolução que autorize a acção militar. Entretanto, os Estados Unidos e a Rússia votaram contra as resoluções do Conselho de Segurança de cada um sobre o estabelecimento de investigações sobre os ataques com armas químicas na Síria. A Rússia também propôs uma segunda resolução ao Conselho de Segurança pedindo que a Organização para a Proibição de Armas Químicas enviasse investigadores à Douma - que também foi vetada. 

Tensão no Conselho de Segurança da ONU 

“Independentemente do resultado da sessão de votação de hoje do CSNU queremos lembrar que ontem a Rússia e a Síria propuseram enviar imediatamente inspectores da OPAQ/OPCW ao suposto local do ataque com AQ em Ghouta oriental”, afirmou num tweet Dmitry Polyanskiy, primeiro representante permanente adjunto da Rússia na ONU. "EUA, Reino Unido e França podem provar que querem apurar a verdade apoiando este movimento." 

Ficou claro na conferência de imprensa que o Conselho de Segurança da ONU não adoptaria a resolução russa, e parece que a administração Trump está fortemente inclinada para aopção militar em conjunto com a França e a Grã-Bretanha em qualquer caso. De fato, o embaixador dos EUA na ONU, Nikki Haley, indicou que os Estados Unidos reagiriam aos ataques químicos na Síria - independentemente do que acontecesse no Conselho de Segurança. 

"A história registrará isso como o momento em que o Conselho de Segurança cumpriu o seu dever ou demonstrou a sua total e completa falha em proteger o povo da Síria", disse Haley ao Conselho de Segurança da ONU. "De qualquer forma, os Estados Unidos vão responder." 

Trump avança com acção militar 

Haley não especificou como os Estados Unidos responderiam exactamente, mas a retórica do presidente Trump indica que Washington está a considerar fortemente uma opção militar. Além disso, o presidente cancelou uma longa viagem planeada para a América do Sul para lidar com a situação na Síria. 

"Estamos a tomar uma decisão sobre o que faremos em relação ao horrível ataque que foi feito perto de Damasco", disse Trump durante uma reunião com altos líderes militares dos EUA a 9 de Abril. " E será aplicada, e será aplicada com força. E quando, eu não vou dizer, porque eu não gosto de falar sobre o timing. 

Trump reiterou que os Estados Unidos têm muitas opções militares para atacar o regime de Assad. Ele também sugeriu que o povo americano só descobriria o ataque contra a Síria depois que os Estados Unidos agirem. "Temos muitas opções, militarmente", disse Trump. "E nós vamos deixa-los saber muito em breve. Provavelmente depois do facto. 

Trump também disse que os Estados Unidos estão a chegar mais perto de aprender definitivamente qual grupo é o responsável pelo ataque de armas químicas. "Estamos a ficar claros sobre isso - quem foi responsável pelo ataque de armas", disse Trump. “Estamos a obter uma clareza muito boa, na verdade. Nós temos algumas boas respostas. 

França e Grã-Bretanha entram no combate 

Embora os Estados Unidos tenham a capacidade de agir sozinhos, os franceses e os britânicos provavelmente unir-se-ão a Washington na condução de um ataque à Síria. Se o ataque químico em Douma for confirmado, os ingleses e franceses prometeram tomar uma acção coordenada com os Estados Unidos. "Devemos nos posicionar contra o uso de armas químicas na Síria", disse a primeira-ministra britânica Theresa May numa conferência de imprensa colectiva na Suécia a 9 de Maio. 

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o seu país tomará a decisão de atacar a Síria em coordenação com a Grã-Bretanha e os Estados Unidos numa questão de dias. “O terceiro elemento são as linhas vermelhas definidas pela França. Essas linhas vermelhas, que são partilhadas por outras potências, não têm nada a ver com as discussões que ocorrem no Conselho de Segurança da ONU”, disse Macron ao lado do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, segundo a Reuters. “Neste contexto, continuaremos a troca de informações técnicas e estratégicas com os nossos parceiros, em particular a Grã-Bretanha e a América, e nos próximos dias anunciaremos a nossa decisão”. 

Rússia reitera os seus avisos 

A Rússia, que insiste que o suposto ataque de armas químicas é uma farsa, está a reiterar as suas advertências anteriores de que não vai ficar de braços cruzados se suas forças na Síria forem atacadas intencionalmente ou não. "A Rússia advertiu os representantes dos EUA, tanto publicamente como por canais correspondentes, inclusive militares, sobre sérias consequências que poderiam seguir possíveis ataques [na Síria], se os cidadãos russos forem feridos em tais ataques, acidentalmente ou não", afirmou o representante permanente da Rússia na União Europeia Vladimir Chizhov disse de acordo com a agência estatal de notícias TASS. 

Tensões Altas 

Entretanto, as tensões na região estão a aquecer. As forças russas têm interceptado sinais de aeronaves não tripuladas dos EUA nas últimas semanas. Além disso, a Reuters informou que um avião de guerra russo totalmente armado sobrevoou a fragata francesa Aquitaine. Há também rumores não confirmados de que algumas forças russas foram colocadas em alerta máximo em antecipação a um ataque dos EUA. 

Entrtanto, os Estados Unidos transferiram o destroier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, USS Donald Cook (DDG-75) - armado com mísseis de cruzeiro Tomahawk - para o Mediterrâneo Oriental, para o que poderia ser preparativos para um ataque. Além disso, o Grupo de Ataque do Porta-aviões Harry S. Truman (HSTCSG) partirá de Norfolk na manhã de 11 de Abril, para um desdobramento programado que levará esses navios ao Médio Oriente.




Dave Majumdar é o editor de defesa do The National Interest. 
http://nationalinterest.org/feature/heres-how-trump-could-strike-syria-25310?page=2 


Tradução Paulo Ramires

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner