O SENTIDO DOS BALCÃS

domingo, 8 de abril de 2018

O SENTIDO DOS BALCÃS

O SENTIDO DOS BALCÃS 

A União Europeia está a lutar para encontrar o seu caminho, a Rússia está num estado de evolução, e a Turquia está a ser arrastada mais profundamente para o conflito sírio. São desenvolvimentos que moldam indirectamente a ordem global devido ao tamanho e poder dos países envolvidos. Mas há uma parte do mundo que não tem o luxo de ser moldado indirectamente: os Balcãs. A geografia única desta região montanhosa consignou-a a um lugar conturbado na história, tanto por causa das ambições e maquinações de potências externas como por causa da sua própria turbulência. 



O que poderia qualificar-se na Alemanha ou nos Estados Unidos como “instabilidade política” seria visto como contendas do costume nos Balcãs, onde a insegurança e a violência política são muito comuns. Considere os dois exemplos a seguir. Em Montenegro, o mais novo membro da OTAN, dois carros-bomba explodiram nos últimos sete dias e um importante protesto contra a violência está a ser planeado por uma organização não-governamental financiada pelo Ocidente para o fim-de-semana. No Kosovo, poucos dias após as forças do Kosovo terem detido e deportado um funcionário do governo sérvio, o primeiro-ministro demitiu o seu ministro do Interior e o seu chefe de inteligência por deportar seis turcos acusados ​​de envolvimento no movimento Gulenista, que a Turquia culpa pela tentativa de golpe em 2016 sem a sua aprovação. (O presidente kosovar recusou-se a aceitar a demissão do chefe de inteligência e ele permanece no seu cargo. Em outras partes do mundo, episódios como esses podem atrair atenção. Mas nos Balcãs, mal chamam a atenção. 

Os obstáculos históricos da região poderiam ter sido superados se o Ocidente ainda fosse a principal fonte externa de poder. Mas a influência que o Ocidente tem nos Balcãs não é como antes. Em vez disso, uma competição de três vias entre o Ocidente, a Turquia e a Rússia está em curso. 

O Ocidente percebe isso e tentou responder. A OTAN admitiu o Montenegro como membro e quer fazer o mesmo com a Macedónia o mais breve possível. Como parte de um esforço ocidental para isolar a Rússia após o suposto envenenamento por espionagem no Reino Unido, vários países dos Balcãs decidiram expulsar diplomatas russos. Mas esforços como esses podem muito pouco, tarde demais. A UE não pode prometer o mesmo tipo de prosperidade que oferecia no início dos anos 2000, e a Rússia já demonstrou o valor da garantia de segurança dos EUA. 

A Turquia é também um país-chave da OTAN, mas tem uma agenda diferente na região, enraizada tanto nos seus imperativos quanto na sua história como uma grande potência no sul da Europa. Ainda não é poderosa o suficiente para se afirmar nos Balcãs e tem problemas maiores agora na Síria. Ainda assim, a Turquia está lentamente a construir uma influência política e económica na região. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sentiu-se suficientemente confortável com a posição da Turquia para condenar o primeiro-ministro do Kosovo por demitir o seu ministro do Interior. 

A posição da Rússia na região é mais forte. Mantém uma estreita relação de trabalho com a Sérvia e com a República Srpska, um enclave predominantemente sérvio na Bósnia que está a agir cada vez mais como uma entidade independente. A Sérvia piscou o olho ao Ocidente, mas não pode tolerar a independência de Kosovo, e a necessidade da Rússia de manter a Sérvia como aliada tornou-se ainda mais séria à medida que os países do Intermarium se tornam mais unidos contra Moscovo. 

Os Balcãs não estão à beira do caos. Mas os desenvolvimentos nesta parte do mundo têm que ser entendidos de forma diferente agora no contexto de uma UE desacreditada, uma Rússia fraca e desesperada, e uma Turquia ambiciosa mas incerta. A violência política no Montenegro, a falta de progresso nas relações entre a Sérvia e o Kosovo, os distúrbios sérvios no Kosovo, mudanças no nome e outras intrigas na Macedónia, a deterioração da frágil estrutura política da Bósnia e os grupos de motards circulando descontrolados fazem parte do curso dos Balcãs. Mas o que vale para o curso dos Balcãs pode ter ramificações para o mundo simplesmente em virtude da geografia e história dos Balcãs. A Primeira Guerra Mundial começou nos Balcãs. Isso não quer dizer que a Terceira Guerra Mundial começará lá - é apenas para dizer que toda a acção tem uma reacção igual e oposta, e o contexto estratégico em torno dos Balcãs muda, assim também os Balcãs.

geopoliticalfutures.com

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner