A UNIÃO EUROPEIA NUMA ENCRUZILHADA -->

segunda-feira, 2 de abril de 2018

A UNIÃO EUROPEIA NUMA ENCRUZILHADA

A UNIÃO EUROPEIA NUMA ENCRUZILHADA



Por Richard Caroll*

Desde a queda da União Soviética até a invasão do Iraque, os Estados Unidos desfrutaram de seu período de unipolaridade. Durante esse tempo, a União Europeia permaneceu segura na protecção militar de seu amigo unipolar. Hoje, com os EUA afectados por enormes deficits, uma dívida de mais de US $ 21 triliões e com a atenção dos EUA cada vez mais concentrada na Ásia, a Europa não pode mais depender dos EUA para protegê-la de uma Rússia ressurgente. É hora de a Europa acabar com sua dependência dos Estados Unidos e se manter por conta própria. Isto só é possível se a União Europeia der o último passo do Plano Schumann e se integrar politicamente. 


A intenção do plano de Schumann 

“A Europa não será feita de uma só vez ou de acordo com um único plano. Será construída através de realizações concretas que em primeiro lugar criará uma solidariedade de facto. A união das nações da Europa requer a eliminação da velha oposição da França e da Alemanha ”- Robert Schumann 

O principal objectivo do Plano Schumann sempre foi a unificação económica e eventualmente política da Europa. Reconhecendo que as duas principais potências continentais na Europa, França e Alemanha, foram a causa básica da guerra na Europa nos últimos 150 anos, o Plano Schumann começou com a formação da Organização para a Cooperação Económica Europeia em 1948, e mais tarde com a Comunidade Europeia do Aço e do Carvão (CECA), criada pelo “Tratado de Paris” em 1951. 

O objectivo do Tratado de Paris era fazer com que a guerra entre a França e a Alemanha… ”não fosse só impensável, mas materialmente impossível”. Ao integrar as economias dos primeiros 6 membros, a CECA lançou as bases para o Mercado Comum, e depois para União Europeia e Parlamento Europeu. 

Hoje, a União Europeia possui 28 membros com origem principalmente na Europa, com uma população de 510 milhões de pessoas e uma economia de US $ 16,3 triliões em 2016. 

De modo geral, e com pouquíssimas excepções, o Plano Schumann obteve grande sucesso, excepto no objectivo final do Plano Schumann; a integração política da Europa para formar os Estados Unidos da Europa. 

Como o Plano Marshall ajudou a criar a União Europeia. 

Um dos aspectos mais notáveis ​​do “Plano Marshall” é que enquanto o estímulo monetário fornecido à Europa ajudou na sua recuperação económica, que já estava bem encaminhada, as exigências que os Estados Unidos impuseram aos países europeus que aceitam a ajuda provaram ser o aspecto mais duradouro e mais eficaz do Plano Marshall. 

Antes da Segunda Guerra Mundial, as economias europeias eram uma colcha de retalhos de tarifas e regras proteccionistas que impediam o livre fluxo de bens e serviços entre os vários países da Europa. A ajuda do Plano Marshall foi condicionada para que as nações europeias tivessem que apagar as barreiras ao comércio e colocar mais “mercado” no mix de económica socialista / de mercado típica das economias europeias anteriores à guerra. 

Ao “apagar” as barreiras comerciais que existiam antes da Segunda Guerra Mundial, a recuperação europeia foi rápida e, em 1952, todas as nações europeias que participaram do Plano Marshall haviam ultrapassado os níveis de produção anteriores a 1938. 

No entanto, enquanto o Plano Marshal era saudado pelo povo americano como um sinal da sua generosidade, na realidade o Plano Marshall era um elemento chave para garantir que as instalações de produção da Europa Ocidental estivessem firmemente na órbita económica, política e militar dos Estados Unidos. A recuperação económica da Europa Ocidental foi completa. Ao trabalhar com a Europa Ocidental de uma só vez após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos ajudaram a Europa a remover as barreiras económicas que haviam restringido a economia anterior da Europa, e essa libertação da economia europeia levou ao Plano Schumann e eventualmente à União Europeia. 

Lidar com as questões de segurança da União Europeia com a Rússia 

A história entre a Rússia e a Europa sempre foi desigual. A Rússia, conquistada à séculos atrás pela invasão mongol, sempre atrasou a Europa no desenvolvimento económico e tecnológico. Com a memórias de três grandes invasões da Rússia pela Europa nos últimos 206 anos, sem contar a Guerra da Crimeia, a Rússia teme e inveja o Ocidente. A Europa desde a Segunda Guerra Mundial teme a Rússia e teme a Rússia de hoje. Somente falando a uma só voz é que a União Europeia pode se aproximar da Rússia de igual para igual e abrir caminho para um entendimento económico e político pacífico e duradouro entre os dois. 

O PIB da Rússia em 2016 foi de US $ 1,3 triliãos. O PIB da União Europeia em 2016 foi de US $ 16,3 triliões. No entanto, embora a economia da União Europeia seja muito maior do que a da Rússia, é a Rússia que detém uma enorme vantagem militar em oposição aos recursos militares atuais da União Europeia. 

Actualmente, os recursos militares da União Europeia são uma colecção de diferentes agências com estruturas de comando múltiplas e sobrepostas. As Forças de Defesa da UE não possuem equipamentos padronizados, ou munições, que apresentem problemas logísticos significativos. 

Os recursos militares russos são muito superiores, com uma estrutura de comando unificada, equipamento padronizado e uma filosofia integrada de combate aéreo / terrestre. 

Uma União Europeia federada seria capaz de reunir os seus recursos militares, com cadeias de comando claras e formais, além de melhorar o controle táctico das suas forças de combate. A padronização das suas armas e equipamentos militares melhoraria significativamente as difíceis questões logísticas que as forças de defesa da UE enfrentam actualmente. 

Ao federalizar, a União Europeia estaria em pé de igualdade com a Rússia, forçando a Rússia a suavizar a sua actual atitude em relação ao Ocidente e pressionando a Rússia a chegar a uma acomodação económica e política com a UE. 

Deve ser mencionado que a Rússia faz fronteira com a República Popular da China, e que esta é uma questão de segurança sensível para a Rússia. 

Os interesses económicos e políticos divergentes dos Estados Unidos e Europa. 

Com os Estados Unidos voltando a sua atenção para um mercado de 4,4 biliões de consumidores na Ásia e a ascensão militar da China, os EUA têm menos recursos económicos e militares para implantar e apoiar na defesa militar da Europa. 

Com a sua economia afectada pelos seus US $ 21 triliões em dívidas, a capacidade dos Estados Unidos de responder convencionalmente a um ataque militar à Rússia é prejudicada, já que os EUA não teriam recursos para enfrentar um conflito militar na Europa e na Ásia simultaneamente. 

A União Europeia, com uma economia de mais de US $ 16 triliões e uma população de 510 milhões, pode e deve assumir o papel primordial da defesa militar da Europa. No entanto, para qualquer força militar europeia ser eficaz, os militares devem responder a apenas um governo. Para que isso aconteça, os líderes da Europa precisam pressionar a sua população para transferir real poder económico e político para o Parlamento Europeu e para o Gabinete do Presidente da União Europeia. 

Os Estados Unidos, por sua vez, devem se comprometer a apoiar o Artigo 5 e a ir em defesa dos países da OTAN se o Artigo 5 for invocado. Os EUA deveriam fornecer unidades de infantaria, blindados e de combate suficientes para apoiar vigorosamente uma Força de Defesa Europeia e estarem dispostos a colocar unidades de combate americanas sob o comando de um Comandante-Chefe Europeu. 

Com os Estados Unidos cada vez mais envolvidos em impedir que a China feche o Mar da China Meridional, e incapazes de responder em duas frentes, e se os líderes da Europa estão decididos a permanecer livres da dominação da Rússia, então os líderes europeus precisam terminar o trabalho de Schumann e Monnet, e permitir que o Parlamento Europeu e o Gabinete do Presidente da União Europeia exerçam o poder que foi criado para o exercer. 

As consequências da não federalização 

Com os Estados Unidos retirando-se lentamente da Europa e concentrando focando a sua atenção na Ásia, os EUA estarão cada vez menos receptivos para subsidiar a defesa militar da Europa. 

Se a Europa é incapaz de lidar com a mudança do equilíbrio de poder no mundo, especialmente na Europa, então, mais cedo ou mais tarde, a Europa cairá sob o domínio da Rússia. E, na opinião deste observador, a UE mereceria esse destino. 

Richard Caroll 

Richard Caroll é editor sénior do The Geopolitics. Ele escreve regularmente sobre economia, segurança e política. Ele estudou Economia na Universidade do Missouri em St. Louis MO e Artes Liberais no Excelsior College. Richard serviu no exército dos EUA e era especializado em administração e inteligência.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner