UMA ENCRUZILHADA PERIGOSA: O QUE ESPERAR DAS RELAÇÕES ENTRE A RÚSSIA E O OCIDENTE?

quarta-feira, 4 de abril de 2018

UMA ENCRUZILHADA PERIGOSA: O QUE ESPERAR DAS RELAÇÕES ENTRE A RÚSSIA E O OCIDENTE?

UMA ENCRUZILHADA PERIGOSA: O QUE ESPERAR DAS RELAÇÕES ENTRE A RÚSSIA E O OCIDENTE? 


Por Alex Gorka*

Não, não é um retorno a George Kennan e à sua política de contenção. Parece mais um estrangulamento lento, com uma pressão crescente em todos os lugares. A crispação sobre o caso de envenenamento de Skripal está a ser levantado num momento em que os movimentos pelo Ocidente estão passando quase despercebidos, eclipsados ​​como estão na narrativa da nefasta Rússia. Embora tudo tenha começado na Europa, é feito em grande parte do jeito americano. 

Relatórios recentes reunidos por diferentes fontes levam à conclusão de que uma campanha bem planeada e bem orquestrada está em andamento. As tensões aumentam, os EUA estão pedindo à OTAN para aumentar sua prontidão de combate. Pelo menos 30 mil soldados aliados, acompanhados por mais de 360 ​​aviões de combate e cerca de 30 navios de guerra, devem estar prontos para serem enviados dentro de 30 dias após os comandantes da OTAN colocarem as suas forças em alerta. Esta proposta está a ser debatida, mas a posição dos EUA é geralmente aceite. Não há praticamente nenhuma dúvida de que será aprovado na cimeira da OTAN em Julho. 

Isto ocorre num momento em que os EUA estão a trabalhar em uníssono com a OTAN para tornar mais fácil para essas forças movimentarem-se pela Europa. Foi relatado recentemente que os veículos aéreos não tripulados US MQ-9 Reaper (UAVs) começarão a operar a partir da base aérea Larissa, na Grécia, em Maio. Os drones são destinados a missões de inteligência em áreas sensíveis. Os portos gregos de Alexandroupolis e Thessaloniki atraíram a atenção da América para instalações que poderiam reforçar a presença militar dos EUA no Mar Negro. De acordo com relatos da comunicação social, a OTAN deve ter uma base de helicópteros em Alexandroupolis. 

Depois de expulsar os seus diplomatas russos, a Polónia assinou um acordo de US $ 4,75 biliões para comprar o sistema de defesa antimísseis Patriot dos Estados Unidos. O preço deveria ser muito mais alto. Varsóvia recebeu um desconto porque faz fronteira com a região russa de Kaliningrado, onde os mísseis Iskander superfície-superfície são utilizados. Os 16 lançadores não podem proteger toda a Polónia, mas certamente fornecerão mais protecção às forças dos EUA que estão a chegar para reforçar as tropas da OTAN já instaladas, bem como o sistema americano de defesa antimísseis Aegis Ashore que estará operacional em 2020. A OTAN acredita que o melhoramento do segmento de mísseis Patriot (MSE) para Varsóvia será capaz de contrariar os iskanders russos. 

Na sua carta de 15 de Março, 39 senadores dos EUA pediram que o Tesouro e os Departamentos Estaduais utilizassem todas as ferramentas de sanção à sua disposição para combater o projecto do Nord Stream 2 para levar gás russo barato à Europa. A 29 de Março, o embaixador dos EUA na Rússia, Jon Huntsman, disse à TV russa RBK que ele não pode descartar a possibilidade de que os activos russos na América possam ser apreendidos sobre o caso Skripal. Se Washington for tão longe, será pura ladroagem. E a resposta não demorará a chegar. Essa entrevista ocorreu logo após o parlamento britânico ter anunciado uma investigação sobre alguns esquemas de lavagem de dinheiro supostamente associados à Rússia. O governo do Reino Unido revelou a sua "Doutrina da Fusão" para contrariar o que chama de propaganda russa. 

A política dos EUA de fazer os europeus curvarem-se à sua pressão tem sido amplamente bem sucedida. As principais potências europeias - o Reino Unido, a Alemanha e a França - estão a pressionar a UE a impor novas sanções ao Irão, a fim de persuadir os EUA a não se retirarem do acordo nuclear com o Irão. Esta é uma tentativa de último minuto para manter o acordo em vigor, como é amplamente esperado que o presidente Trump não o certifique em Maio. Os europeus podem submeter-se à pressão dos EUA numa tentativa de apaziguar Washington, mas a Rússia também é parte do acordo, o qual não pode ser descartado sem o consentimento de Moscovo. Adicionar outras condições violará os termos do acordo. Não será suportado internacionalmente. Se as novas sanções ao Irão forem introduzidas unilateralmente pelo Ocidente, a questão se tornará um ponto de discórdia que piorará ainda mais as relações com Moscovo. 

O que devemos esperar? John Bolton, a próxima NSA, já pediu uma mudança de alvos para sanções amplas, que incluiriam o sector do petróleo e gás. A guerra cibernética é outro domínio em que os EUA podem intensificar os seus esforços contra a Rússia. A OTAN está a tomar medidas para reforçar as suas operações cibernéticas. Guerras de informação para ganhar amplo apoio público já estão a ser travadas. A ofensiva diplomática intensificar-se-á. Haverá uma luta para diminuir a influência global da Rússia que cresceu muito recentemente. 

Estas tensões enfraquecem a segurança europeia e podem levar a um acto de equilíbrio à beira do confronto, além de uma corrida belicista que os EUA e os seus aliados da OTAN não estão a ganhar. Os planos para minar a Rússia de dentro falharam. O presidente Putin conta com um apoio esmagador, como demonstrou a recente eleição presidencial. A economia está longe de entrar em colapso. A posição internacional da Rússia fortaleceu-se. Moscovo acaba por marcar outra vitória, com a Índia a anunciar a sua decisão de comprar os sistemas de defesa aérea S-400 Triumph da Rússia, avaliados em mais de US $ 5 bilhões. Os dois países construirão em conjunto quatro fragatas e estabelecerão uma instalação para produzir helicópteros Kamov. A Rússia conseguiu uma vitória na Síria e fortaleceu sua posição no Médio Oriente. 

A Rússia e o Ocidente estão numa perigosa encruzilhada e as tensões continuam a subir. A alternativa é deixar de lado as suas diferenças e lançar um diálogo sobre uma ampla gama de questões. O mundo mudou. Existe uma ampla agenda de segurança que precisa ser abordada. Essa ideia tem sido ventilada por algum tempo, mas sem nenhuma discussão séria. A Rússia tentou lançar um diálogo, mas o Ocidente não conseguiu alcançá-lo no meio do caminho. Há alguns sinais, no entanto, de que nem tudo está perdido. Não é tarde demais para mudar de acções hostis e retórica belicosa para abordagens de negócios para o bem comum.

Analista em diplomacia e defesa
strategic-culture.org

Sem comentários :

Enviar um comentário

Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner